PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Wall Street volta a comprar títulos da dívida americana em aposta que pior passou

Estrategistas acreditam que economia está chegando ao ponto em que muitas más notícias estão precificadas

Un gráfico de velas que ilustra la cotización del bitcoin
Por Michael MacKenzie e Liz McCormick
24 de Maio, 2022 | 11:46 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Em toda Wall Street, desde BlackRock a T. Rowe Price Group, alguns veteranos dos altos e baixos do mercado de títulos veem sinais de que é seguro começar a comprar novamente.

PUBLICIDADE

Poucos estão prontos para declarar que o fundo do poço foi atingido, com a inflação ainda alta e o Federal Reserve apenas nos estágios iniciais de um ciclo agressivo de aperto da política monetária.

Mas os rendimentos saltaram tanto este ano, dobrando para os Treasuries de 10 anos, que lembram oportunidades de compra anteriores que valeram a pena quando a maré virou.

PUBLICIDADE

Além disso, há indícios de que a economia está esfriando, com grandes varejistas relatando uma mudança nos gastos do consumidor e vendas de casas em declínio. E a derrota dos ativos de risco, de ações de crescimento a criptomoedas, transformou os títulos do Tesouro americano em um refúgio novamente, proporcionando ganhos para aqueles que compraram quando os rendimentos atingiram o pico no início deste mês.

Tudo isso faz com que gestores de longa data vejam motivos para começar a aumentar cautelosamente sua exposição, com alguns se preparando para acelerar o ritmo se os rendimentos ultrapassarem o que consideram um nível justo. Na JPMorgan Asset Management, o chefe de taxas globais disse que o pior da liquidação provavelmente já passou porque os aumentos de juros do Fed já estão em grande parte precificados.

“Estamos chegando a um ponto em que muitas más notícias estão precificadas”, disse David Giroux, chefe de estratégia de investimento da T. Rowe Price Investment Management, que disse que o ambiente agora lembra 2013 e 2018, quando os rendimentos de 10 anos chegaram a mais de 3%. “Reduzimos o caixa e estamos comprando títulos do Tesouro.”

A mudança de sentimento ficou evidente nas últimas duas semanas em meio a especulações de que os bloqueios de covid-19 na China, a guerra na Ucrânia e a política monetária mais rígida em todo o mundo afetarão o crescimento. Até o final da segunda-feira, os yields de 10 anos se mantinham em cerca de 2,85%, abaixo dos 3,2% em 9 de maio, com quedas semelhantes em outros vencimentos.

O mercado de Treasuries ainda enfrenta uma incerteza considerável, e é possível que os rendimentos possam ultrapassar os picos da década passada se o Fed tiver que lutar contra uma inflação persistente.

PUBLICIDADE

O banco central americano em junho também começará a cortar suas participações em títulos ao não comprar novos títulos para substituir aqueles que vencem, potencialmente adicionando novos ventos contrários ao mercado.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Protecionismo alimentar representa risco de inflação