PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Mercado de opções mostra ceticismo com valorização do real

Forte demanda por hedge sugere que traders estão com medo de uma reversão repentina nos fluxos de dólares que alimentaram os ganhos recentes

Real Brasil
Por Davison Santana
24 de Maio, 2022 | 12:12 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os operadores de câmbio mantém seus hedges mesmo com a valorização da moeda brasileira.

PUBLICIDADE

O custo de proteção contra uma desvalorização do real por meio de opções continua sendo um dos mais altos do mundo, mesmo com a moeda se recuperando de uma forte liquidação em abril. As volatilidades implícitas de um e três meses saltaram em maio e têm oscilado em torno de uma máxima de 16 meses na última semana, apesar da valorização de cerca de 5% do real nesse período.

A forte demanda por hedge sugere que os traders estão com medo de uma reversão repentina nos fluxos de dólares que alimentaram os ganhos recentes. Gestores vêm investindo em ativos brasileiros atraídos por uma taxa de juros de 13,25% e um mercado muito líquido, mas o preço das opções sugere que eles não estão confiantes o suficiente para manter seus investimentos sem uma porta de saída.

PUBLICIDADE
Volatilidade implícita de três meses do real supera a de seus pares, apesar do ralidfd

É um cenário diferente do observado nos primeiros meses do ano, quando a queda vertiginosa do dólar no mercado de câmbio brasileiro foi acompanhada por custos de hedge mais baratos e estáveis. Naquele momento, os investidores pareciam mais confiantes nas perspectivas de longo prazo para os ativos locais, apostando que o aumento dos preços das commodities impulsionaria os termos de comércio do país, enquanto o aumento das taxas de juros tornaria o carry mais atraente.

Desde então, os investidores ficaram mais céticos, pois os preços de matérias-primas se estabilizaram, o Banco Central aproxima-se do fim de seu ciclo de aperto monetário e o Federal Reserve aumenta juros de forma mais agressiva. Os estrangeiros sacaram quase um terço dos US$ 14 bilhões que adicionaram às ações brasileiras no primeiro trimestre, segundo dados da B3.

O ceticismo dos investidores é claro quando se compara os custos de hedge com outras moedas de países em desenvolvimento. A volatilidade implícita de três meses do real é atualmente a mais alta entre as moedas com livre negociação, superando as do forint húngaro e do rand sul-africano, que têm os piores desempenhos neste trimestre.

A desconfiança incentiva os traders a manter uma posição comprada nas opções de dólar contra o real brasileiro, especialmente aquelas com preços de exercício altos que oferecem proteção contra uma reversão repentina de tendência. Isso é particularmente útil em um momento em que o real geralmente muda de fortes ganhos para perdas acentuadas em questão de dias.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Petrobras cai mais de 2% após nova troca no comando e puxa Ibovespa

Wall Street volta a comprar títulos da dívida americana em aposta que pior passou