PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Davos: Presidente da Comissão Europeia denuncia ‘chantagem’ russa

Ursula von der Leyen, da Comissão Europeia, afirmou que a Rússia está ‘maliciosamente’ provocando uma crise alimentar global

Ursula von der Leyen definiu os ataques da Rússia à navios carregados de grãos como “chantagem"
Por Bloomberg News
24 de Maio, 2022 | 10:51 am
Tempo de leitura: 6 minutos

Bloomberg — A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, fez um apelo urgente por uma ação internacional para evitar uma crise alimentar global que, segundo ela, está sendo maliciosamente alimentada pelo presidente russo, Vladimir Putin.

O impacto da invasão da Ucrânia pela Rússia está dominando o Fórum Econômico Mundial em Davos, que voltou a acontecer após um hiato de dois anos devido à pandemia. A Bloomberg sediará painéis ainda nesta terça-feira (24) sobre energia e segurança, e sobre o sul da Ásia, com convidados que incluem os primeiros-ministros da Espanha e da Bélgica, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, e a ministra das Relações Exteriores do Paquistão, Hina Rabbani Khar.

Mais cedo, a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, disse à Bloomberg Television que as autoridades não se apressarão em retirar o estímulo, já que seu colega francês insistiu que não há consenso para um aumento de meio ponto na taxa de juros.

Estas são as últimas atualizações pelo horário de Brasília:

PUBLICIDADE

Preços dos alimentos podem continuar a aumentar (7h45)

A primeira vice-diretora-gerente do FMI, Gita Gopinath, disse que as restrições às exportações de alimentos e a escassez de fertilizantes significam que os preços globais dos alimentos provavelmente continuarão a aumentar.

Autoridades do FMI “se preocupam muito com o que vai acontecer com os preços dos alimentos”, disse ela à Bloomberg TV. Gopinath também disse que é prematuro falar sobre uma recessão global, embora algumas regiões estejam sendo mais atingidas do que outras, e uma recessão técnica seja possível em alguns países, mesmo na Europa.

Mundo ‘Pode Vencer a Ucrânia e Mudanças Climáticas’ (7h30)

O enviado climático dos EUA, John Kerry, disse que o mundo não deve recuar de seu objetivo de combater as mudanças climáticas, mesmo enquanto a guerra da Rússia na Ucrânia aumenta os preços da energia. Os Estados Unidos ajudarão a compensar o déficit de gás russo na Europa e uma maior produção de petróleo do Oriente Médio pode ser necessária para conter as pressões inflacionárias, mas isso não significa que deva haver uma “construção maciça” da infraestrutura de combustíveis fósseis, disse Kerry.

“Se fizermos as escolhas certas aqui, podemos vencer todas essas batalhas”, disse ele em um painel ao lado do chefe climático da UE, Frans Timmermans, e do diretor executivo da IEA, Fatih Birol. “Podemos fazer o que precisamos em relação à Ucrânia e podemos fazer o que precisamos em relação à crise climática”, disse Kerry. “Mas não podemos ser seduzidos a acreditar que isso de repente é uma porta aberta para voltar e fazer o que estávamos fazendo”.

PUBLICIDADE

Mundo tem ferramentas para combater varíola dos macacos (7h)

A varíola dos macacos não representa o mesmo tipo de ameaça que a covid-19, de acordo com o CEO da Coalition for Epidemic Preparedness, Richard Hatchett.

“Temos tudo o que precisamos para acabar com a pandemia antes que ela se torne um problema global”, disse Hatchett em entrevista. Isso se deve aos investimentos contra a varíola, disse ele.

Polônia vê agitação no norte da África por conta de grãos (6h50)

O presidente polonês Andrzej Duda alertou sobre distúrbios civis no norte da África e disse que a Ucrânia pode enviar seus grãos que estão presos no país por causa da guerra.

A Ucrânia responde por cerca de 80% das exportações de grãos para países como o Egito, por exemplo, e é fundamental garantir que os embarques sejam feitos através do Mar Báltico na Polônia, Letônia e Lituânia, disse ele em um painel. Se isso não acontecer, muitos no norte da África podem passar fome, afirmou Duda.

Von der Leyen denuncia ‘chantagem’ russa (6h30)

“A artilharia russa está bombardeando depósitos de grãos em toda a Ucrânia – deliberadamente – e navios de guerra russos no Mar Negro estão bloqueando navios ucranianos cheios de trigo e sementes de girassol”, disse von der Leyen em um discurso, denunciando o que chamou de “chantagem da Rússia”.

A Europa está “trabalhando duro para levar grãos aos mercados globais”, incluindo 20 milhões de toneladas de trigo que estão presos na Ucrânia, disse. O bloco também está aumentando sua própria produção e trabalhando com o Programa Mundial de Alimentos para garantir que países vulneráveis possam comprar alimentos a preços acessíveis, acrescentou.

PUBLICIDADE

IBM alerta para risco de ataque cibernético (5h40)

O CEO da IBM, Arvind Krishna, disse que um grande ataque cibernético à “infraestrutura crítica vai acontecer”. Falando em um painel, ele disse que é inevitável que “um mau ator, provavelmente uma nação” hackeasse serviços públicos essenciais. Ele revelou também que a cobertura digital do torneio de golfe Augusta Masters foi atingida por 40 milhões de ataques cibernéticos.

UBS vê clareza nos próximos três meses (4h15)

O CEO do UBS, Ralph Hamers, disse que espera ver mais clareza nos mercados globais nos próximos três meses, à medida que os clientes digerem as consequências dos recentes eventos geopolíticos. “Tivemos que digerir três grandes choques: o choque pandêmico, o choque de guerra e o choque de transição de energia”, disse. “Choques de oferta e choques de demanda misturados em um só.”

Unilever vê justificativa comercial para ESG (4h15)

Os investidores estão nos pressionando para colocar a sustentabilidade e o ESG no centro de nosso modelo de negócios, disse o CEO da Unilever, Alan Jope, citando também a demanda do consumidor, a eficiência de custos e a capacidade de atrair os melhores talentos.

Mas a falta de métricas claras ainda é um grande desafio. “Corremos o risco de deixar o perfeito atrapalhar o bom, deixar o complexo atrapalhar o simples e o local atrapalhar o global”, disse ele.

PUBLICIDADE

Recessão não é o fundamento do BCE, diz Lagarde (4h)

Lagarde rejeitou a ideia de que a zona euro caminha para uma recessão por enquanto, mas reconheceu a necessidade de estar “muito atento” aos desenvolvimentos econômicos. “Não temos isso como base”, disse ela.

“Não estamos em pânico”, acrescentou. “Estamos agora em um estágio em que há toda a certeza de que interromperemos as compras de ativos líquidos no início de julho, o que abrirá caminho para aumentos de taxas que ocorrerão logo depois disso.”

Lagarde: Política Monetária no ‘Ponto de Virada’ (3h50)

Em uma publicação na segunda-feira, Lagarde disse que decidiu definir o caminho futuro da política monetária em parte para abordar “expectativas que não foram necessariamente fundamentadas”.

Estamos claramente agora em um ponto de virada, e acho apropriado explicar neste momento qual é a jornada, qual é a direção da viagem, qual é o destino em um prazo relativamente curto e qual é o nosso objetivo também“, disse Lagarde em entrevista à Bloomberg TV.

PUBLICIDADE

“Achei que era um bom momento, dada a combinação de volatilidade que existia, expectativas que não eram necessariamente fundadas e a forte convergência que surgiu do Conselho do BCE devido às múltiplas posições expressas nos últimos dias”, acrescentou.

Principais poluidores vão enfrentar altos custos para atingir meta climática (3h45)

Os sete maiores poluidores do mundo terão que gastar US$ 67 trilhões até o final desta década para permanecer no caminho de alcançar a neutralidade climática até o meio deste século, de acordo com um relatório do Instituto Econômico Polonês que deve ser apresentado em Davos nesta terça-feira (24).

PUBLICIDADE

A China, Estados Unidos, União Europeia, Brasil, Índia, Rússia e Japão - são responsáveis por 70% das emissões globais de gases de efeito estufa. Seus esforços são fundamentais para que o mundo cumpra as metas do Acordo de Paris de 2015 de limitar o aquecimento a “bem abaixo” de 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais.

Com as atuais promessas de investimento para tornar suas economias mais verdes, a UE alcançará a neutralidade climática em 2056, seguida pelos EUA quatro anos depois e pela China apenas em 2071 – 11 anos depois de sua meta, segundo o relatório. Já a Rússia não poderá alcançar a neutralidade climática até 2086.

CEO da Edelman elogia Davos mais íntimo e ‘menos frio’ (2h25)

Richard Edelman, diretor executivo da empresa de relações públicas Edelman, disse ser fã da versão deste ano de Davos, e que o tamanho reduzido do evento possibilitou melhores conversas.

“Davos tem sido realmente ótimo porque é menor neste ano, os CEOs estão realmente querendo conversar”, disse Edelman em entrevista à Bloomberg Television. Além disso, ele disse, o clima é “menos impessoal”.