Mercados

Ações na Ásia operam mistas com preocupação sobre perspectiva global

Futuros operavam em estabilidade no Japão, enquanto caíam na Austrália e em Hong Kong

Interior de la Bolsa de Valores de Filipinas (PSE), operada por Philippine Stock Exchange Inc. en Taguig, Filipinas, el miércoles 11 de mayo de 2022. El índice bursátil filipino de referencia cayó en medio de una venta global, mientras los inversores esperaban los planes económicos de Ferdinand Marcos Jr. que, según un recuento no oficial de los votos del lunes, se dirige a una victoria aplastante en las elecciones presidenciales.
Por Andreea Papuc
22 de Maio, 2022 | 07:17 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — As ações devem começar a semana com cautela em meio a preocupações contínuas sobre a desaceleração do crescimento nas maiores economias do mundo.

Os futuros operavam em estabilidade no Japão, enquanto caíam na Austrália e em Hong Kong. O S&P 500 caiu pela sétima semana consecutiva em um período de fraqueza não visto desde 2001, embora tenha evitado afundar em um mercado de baixa.

O dólar foi negociado dentro de intervalos apertados em relação às principais moedas na segunda-feira na Ásia. O dólar australiano ganhou após a eleição no fim de semana ter um resultado claro, com os trabalhistas derrubando a coalizão Liberal-Nacional. Os títulos do Tesouro avançaram na sexta-feira, empurrando o rendimento de 10 anos abaixo de 2,8%, enquanto os traders debatem o caminho de aperto do Federal Reserve em meio a preocupações crescentes com uma desaceleração econômica.

Na China, os traders observarão se as ações podem manter os ganhos depois que os bancos chineses cortaram uma taxa de juros importante para empréstimos de longo prazo em um valor recorde, à medida que uma queda no mercado imobiliário e os bloqueios da covid pesam na economia.

PUBLICIDADE

Os investidores estão às voltas com preocupações sobre uma desaceleração econômica e perspectivas de mais aperto monetário. A guerra na Ucrânia está aumentando a escassez de preços de commodities e as cadeias de suprimentos continuam interrompidas pela adesão da China à sua política Covid Zero.

“À medida que as preocupações macroeconômicas decorrentes do aperto monetário agressivo, o conflito Rússia-Ucrânia e os rigorosos bloqueios da covid da China persistem, prevemos grande volatilidade no mercado”, disse Louise Dudley, gerente de ações globais da Federated Hermes Ltd., em nota.

A ata da mais recente reunião de definição de taxas do Fed dará aos mercados uma visão nesta semana sobre o caminho de aperto do banco central dos EUA. O presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, disse que o banco central deve antecipar uma série agressiva de aumentos de taxas para empurrar as taxas para 3,5% no final do ano, o que, se bem-sucedido, reduziria a inflação e poderia levar a uma flexibilização em 2023 ou 2024.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Cinco assuntos quentes para o Brasil na próxima semana

Brasil tem cerveja entre as mais baratas do mundo; confira ranking

PUBLICIDADE