PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Xiaomi tem primeira queda de vendas da história, prejudicada por lockdowns

Terceira maior fabricante de smartphones do mundo foi prejudicada por caos da logística com restrições na China

A queda na confiança do consumidor devido à inflação, conflitos geopolíticos e a pandemia afetaram os ganhos do último trimestre
Por Bloomberg News
19 de Maio, 2022 | 09:14 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — A Xiaomi registrou o primeiro declínio de receita trimestral da história, depois que as rígidas políticas de contenção de covid de Pequim prejudicaram as vendas de smartphones da companhia.

PUBLICIDADE

A terceira maior fabricante de smartphones do mundo registrou vendas de 73,4 bilhões de yuans (US$ 10,9 bilhões) de janeiro a março, queda de 4,6% em relação ao ano anterior, superando a estimativa média dos analistas de 72,5 bilhões de yuans. A empresa teve um prejuízo líquido de 587,6 milhões de yuans de um lucro de 7,8 bilhões de yuans um ano antes.

Os fornecedores chineses de smartphones estão sob pressão em casa, pois as medidas de bloqueio do Covid do país prejudicam a demanda do varejo e as cadeias de suprimentos. As maiores fábricas de chips de Xangai tiveram que operar sob estritas restrições aos movimentos dos trabalhadores desde o final de março, após o lockdown do centro financeiro.

PUBLICIDADE

A queda na confiança do consumidor devido à inflação, conflitos geopolíticos e a pandemia afetaram os ganhos do último trimestre, escreveu o analista do Citigroup (C), Andre Lin, em nota antes da divulgação dos resultados. A perspectiva “continua desafiadora” à luz dos aumentos das taxas, depreciação da moeda nos mercados emergentes, inflação crescente e preocupações com a recessão, escreveu ele.

A diferença entre a fabricante de smartphones com sede em Pequim e as pioneiras Samsung Electronics e Apple (AAPL) aumentou no primeiro trimestre, após uma queda de 17,8% nos embarques globais, de acordo com a empresa de pesquisa International Data sustentaram quedas mais acentuadas no mesmo período, mostraram dados do IDC.

O lockdown e a guerra na Ucrânia podem reduzir cerca de 200 milhões de unidades das remessas globais de smartphones este ano, com as marcas chinesas assumindo a maior parte do volume perdido, alertou o co-presidente executivo da Semiconductor Manufacturing International, Zhao Haijun, na semana passada.

“Pressões como a escassez de oferta podem começar a diminuir no segundo trimestre de 2022″, escreveram Hu Peng e Hanjing Wen, analistas da China International Capital, em nota aos investidores antes do anúncio dos resultados. “O segundo semestre de 2022 provavelmente será uma época de pico para o consumo de produtos eletrônicos, impulsionando o crescimento dos resultados da empresa.”

Para diminuir sua dependência de smartphones, a Xiaomi está tentando aumentar suas vendas de dispositivos conectados, como ar condicionado de US$ 1.000 e campainhas de US$ 40. O próximo festival anual de compras em 18 de junho, quando os varejistas online competem para oferecer pechinchas, pode revitalizar as vendas móveis. A Xiaomi tem “forte impulso” na venda de smart TVs, tablets, laptops e eletrodomésticos conectados, escreveram os analistas Ronnie Ho e Clint Su do China Construction Bank International Securities. “O próximo evento de promoção tem o potencial de apoiar melhores vendas de smartphones.”

PUBLICIDADE

Ainda assim, a empresa enfrenta fortes ventos contrários em seus esforços para manter sua margem bruta no mesmo nível de um ano atrás, devido ao aumento dos custos de produção e frete, escreveram os analistas da Bloomberg Intelligence Steven Tseng e Nathan Naidu antes da divulgação dos resultados. “Os serviços de Internet, um importante impulsionador da expansão da margem de longo prazo, também podem desacelerar, já que a demanda por aparelhos pode diminuir o crescimento da média mensal de usuários”, disse a nota.

A desaceleração no negócio de smartphones, que representa cerca de 60% das vendas da Xiaomi, ocorreu depois que o cofundador bilionário Lei Jun apostou US$ 10 bilhões para construir um negócio de veículos elétricos do zero – um empreendimento caro que requer recrutamento de talentos, construção de fábricas e investimentos em startups.

Os desafios crescentes no exterior também são um empecilho para os negócios da Xiaomi. A invasão da Rússia na Ucrânia silenciou as vendas no varejo em ambos os países. Na Índia, a agência antilavagem de dinheiro do país apreendeu US$ 726 milhões de uma unidade local da Xiaomi por uma possível violação das leis cambiais no mês passado, expondo a marca chinesa a um risco legal em um de seus maiores mercados. A Xiaomi disse que suas operações indianas estão em total conformidade com as leis locais.

Leia também

Aposta agro do Pátria vende R$ 1 bi em insumos e será paga em soja e milho