Mercados

Goldman e JPMorgan veem pânico exagerado do mercado com recessão

Estrategistas de dois grandes bancos de Wall Street dizem que queda acentuada abre espaço para recuperação dos preços das ações

As ações dos EUA caíram este ano, com os sinais de inflação teimosamente alta e um Federal Reserve agressivo levantando o espectro de uma desaceleração econômica
Por Sagarika Jaisinghani, Ishika Mookerjee e Abhishek Vishnoi
19 de Maio, 2022 | 10:35 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A desgraça e o desânimo nas perspectivas para a economia dos Estados Unidos e seu mercado de ações podem ter ido longe demais, segundo alguns dos principais estrategistas de Wall Street.

David J. Kostin, do Goldman Sachs (GS), e Marko Kolanovic, do JPMorgan (JPM), dizem que os temores dos investidores de uma recessão iminente nos EUA são exagerados - deixando espaço para uma recuperação das ações à medida que o ano avança, na opinião de Kolanovic. O índice de referência S&P 500 caiu 18% em relação ao recorde de janeiro, aproximando-se do território do mercado de baixa.

“Uma recessão não é inevitável”, escreveram estrategistas do Goldman liderados por Kostin em um relatório de 18 de maio.

O desempenho relativo das ações cíclicas e defensivas sugere uma “desaceleração dramática do crescimento”, que não é suportada pelos dados da ISM Manufacturing, escreveu Kostin. Os economistas do Goldman veem uma probabilidade de 35% de que a economia dos EUA entre em recessão nos próximos dois anos, disse ele.

PUBLICIDADE

As ações dos EUA caíram este ano, com os sinais de inflação teimosamente alta e um Federal Reserve agressivo levantando o espectro de uma desaceleração econômica. As preocupações com a estagflação atingiram o nível mais alto desde 2008, levando os investidores a acumular dinheiro e ficar subponderados em ações, de acordo com a última pesquisa de gestores de fundos do Bank of America (BAC).

O índice S&P 500 ainda tem espaço para cair antes de testar uma média móvel crucial de 200 semanasdfd

E a espuma está começando a sair do mercado americano. O S&P 500 agora é negociado a 16,5 vezes o lucro estimado em 12 meses, o menor desde abril de 2020 e abaixo da média de 17,04 vezes vista na última década.

Kolanovic, do JPMorgan, disse em entrevista na semana passada que as coisas vão melhorar para as ações dos EUA, e ele não espera uma recessão este ano devido a “um aumento na atividade do consumidor no verão após a reabertura e o aumento das medidas monetárias e fiscais da China”.

Suas opiniões sobre a recessão foram repetidas por Kate Moore na BlackRock (BLK) e Michael Wilson no Morgan Stanley (MS).

PUBLICIDADE

O Credit Suisse (CS) também concorda. “Os investidores não devem vender para as baixas do mercado em pânico”, escreveu Michael Strobaek, diretor de investimentos global da empresa, em nota desta quinta (19). “Uma vez que os rendimentos reais atinjam o pico, há potencial para uma rápida recuperação.” Os mercados de ações, em particular, têm potencial de recuperação, disse ele.

O aumento de juros pelos bancos centrais é agora o maior risco, segundo investidoresdfd

Redução de metas

Alguns estrategistas estão menos otimistas e veem mais desvantagens para as ações à medida que os bancos centrais fecham as torneiras monetárias que impulsionaram sua alta durante grande parte da década passada.

Os múltiplos do S&P 500 após o sell-off estão agora abaixo da média dos últimos dez anosdfd

Os estrategistas do HSBC (HSBC), incluindo Max Kettner, reduziram sua meta de fim de ano para o S&P 500 em 9,2%, para 4.450 pontos hoje, devido ao risco de uma severa desaceleração no crescimento. Binky Chadha, do Deutsche Bank, que tinha a segunda maior meta de fim de ano para o benchmark entre os estrategistas acompanhados pela Bloomberg, também cortou sua previsão.

“As condições financeiras estão apenas começando a apertar”, disse Charu Chanana, estrategista de mercado da Saxo Capital Markets. “Os mercados ainda estão digerindo todas as nuances do complexo de pandemia, problemas de oferta e inflação – e agora com riscos de estagflação na imagem – acho que estamos apenas começando!”

--Com a colaboração de Joanna Ossinger e Abhishek Vishnoi

Leia também

Aposta agro do Pátria vende R$ 1 bi em insumos e será paga em soja e milho