PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

AO VIVO: América Latina deve ser ‘promíscua’ nas alianças da nova economia

Região ‘deve ser tão promíscua quanto possível para jogar em todos os lados que puder’, disse Marko Papic, sócio do Clocktower Group

Acontece nesta quarta o evento inaugural do New Economy Gateway Latin America da Bloomberg na Cidade do Panamá
Por Bloomberg News
18 de Maio, 2022 | 12:52 pm
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg — Depois de ser atingida pela pandemia como poucas regiões do mundo, a América Latina finalmente tem alguns ventos a favor.

PUBLICIDADE

O aumento dos preços das commodities está impulsionando as exportações de muitos países, enquanto a pressão das multinacionais para encurtar e fortalecer suas cadeias de suprimentos está levando muitas delas a considerar a construção de novas fábricas na região. Ainda há muitos riscos: o desemprego continua alto, a pobreza aumentou e as populações de toda a região estão exigindo mudanças políticas.

No evento inaugural do New Economy Gateway Latin America da Bloomberg na Cidade do Panamá, a uma curta distância do canal centenário que transformou o comércio global, os palestrantes debatem nesta quarta e quinta-feira sobre as perspectivas de crescimento pós-pandemia, bem como o trabalho de preparação necessário para enfrentar o próximo problema de saúde pública, a transição para a energia verde e o caso das criptomoedas na região, entre outros tópicos.

PUBLICIDADE

Você pode acompanhar aqui o evento ao vivo. Confira algumas atualizações:

Panamá espera crescer 8% em 2022, o mais rápido da região (15h40)

O Panamá prevê que continuará registrando o crescimento mais rápido da região, com 8% esperado para 2022, após um crescimento de 15% em 2021, disse a ministra das Relações Exteriores do país, Erika Mouynes, em entrevista à Caroline Hyde, da Bloomberg TV. Isso mesmo quando a guerra na Ucrânia leva a preços mais altos de alimentos e fertilizantes, duas questões-chave para os países da América Central, que são importadores líquidos de ambos.

“Precisamos falar mais sobre as consequências locais do que está acontecendo no conflito”, disse Mouynes. O Panamá convocou recentemente uma cúpula regional para discutir o assunto. “Estamos preocupados com a forma como lidamos com isso em uma base regional.”

Mouynes também observou que, embora o Panamá continue sendo apontado como um paraíso fiscal, essa é uma visão “errada”, uma vez que um relatório recente tinha vários países do G-7 no topo do ranking, com o Panamá caindo abaixo dos 15 melhores do mundo.

Queda de valuations de empresas tech é temporária (14h45)

Marcelo Claure, CEO e fundador da Claure Capital e ex-executivo do SoftBank International, disse que, embora os valuations das empresas de tecnologia estejam diminuindo, isso será temporário, pois as grandes empresas de tecnologia continuam a ser fundadas.

PUBLICIDADE

Participando do evento inaugural do New Economy Gateway Latin America da Bloomberg News na Cidade do Panamá, Claure disse que acredita na América Latina, pois o SoftBank LatAm Fund teve retornos incríveis com as empresas da região.

Enquanto isso, o momento é difícil para as empresas de tecnologia, especialmente pelo aperto de juros nos Estados Unidos, o que levou a uma queda de 60% a 70% nos valuations. “Não dá para julgar os investimentos feitos nos últimos anos, eles continuam sendo os melhores investimentos que já fizemos”, disse Claure.

Marriott em alta nas viagens na América Latina, com planos para mais hotéis (14h10)

O presidente da Marriott International, Craig Smith, disse que a empresa pretende dobrar o número de hotéis na América Latina dentro de três a quatro anos. Com 300 hotéis já na região, Smith disse que estão em andamento planos para pelo menos outros 100.

“Estamos realmente otimistas com a região”, disse Smith.

Ele acrescentou que a demanda por viagens na América Latina não foi afetada pelo aumento da inflação que abala a economia global.

Está “nos afetando mais nos custos de construção”, disse Smith. “Isso não afetou as pessoas que viajam.”

PUBLICIDADE

Tráfego do canal do Panamá e um novo porto de contêineres (14h30)

Os gargalos de transporte global que abalaram indústrias e consumidores na era da pandemia eram evidentes para os políticos, economistas e investidores reunidos para o evento no Panamá.

Separadamente, o Notarc Management Group, uma empresa de investimentos focada na América Latina, anunciou à margem do evento que está em parceria com uma unidade da Mediterranean Shipping Company para assumir a construção do porto de contêineres do Canal do Panamá, de US$ 1,4 bilhão.

Oportunidades ainda são abundantes em tecnologia (13h25)

O atual ciclo de baixa e a liquidez mais apertada no espaço de startups na América Latina são temporários, disse Sumita Pandit, diretora de operações da dLocal.

“Os ciclos são bons, ajudam você a passar por esses altos e baixos para realmente fortalecer seu modelo de negócios”, disse Pandit. “Haverá algumas empresas que não sobreviverão à restrição de capital que provavelmente virá nos próximos trimestres, mas estou absolutamente certa de que o ciclo mudará e veremos novamente a disponibilidade abundante de capital.”

PUBLICIDADE

A indústria de tecnologia da América Latina ainda está perdendo mais empresas e fundadoras lideradas por mulheres, de acordo com Mate Pencz, fundador e co-CEO da Loft.

Sobre a definição das alianças da América Latina (12h25)

Um dos painéis discutiu onde deveriam estar as alianças geopolíticas da América Latina e se o nearshoring está realmente acontecendo em meio a interrupções na cadeia de suprimentos.

“A América Latina deve ser tão promíscua quanto possível para jogar em todos os lados que puder”, disse Marko Papic, sócio do Clocktower Group. “A multipolaridade é uma grande oportunidade.”

O presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento, Mauricio Claver-Carone, disse que os EUA continuam sendo o parceiro mais confiável como o maior investidor estrangeiro direto e o realinhamento das cadeias de suprimentos no momento representa a maior oportunidade de uma vida.

PUBLICIDADE

“Os EUA têm muito poucos acordos de livre comércio, mas os que temos estão na América Latina”, disse Shannon O’Neil, vice-presidente do Conselho de Relações Exteriores. “Assim, as empresas aqui têm acesso preferencial à maior economia do mundo.”

Michael Bloomberg sobre o papel da América Latina (11h38)

Michael Bloomberg, fundador da Bloomberg LP, disse em uma mensagem de vídeo para dar início ao evento que a América Latina tem um “papel crítico” para ajudar a enfrentar alguns dos maiores problemas do mundo.

A América Latina é um motor econômico, um terreno fértil para o empreendedorismo, é uma via de comércio global e é uma parte crítica de nossa defesa natural contra as mudanças climáticas devido à sua biodiversidade.

--Com a colaboração de Maria Eloisa Capurro, Julia Leite, Patrick Gillespie, James Attwood e Carolina Millan