PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Índia proíbe exportações de trigo em crescente onda de protecionismo alimentar

País é o mais recente na onda de governos de todo o mundo que buscam garantir o abastecimento local de alimentos

Restringir as exportações seria um golpe para a ambição da Índia de lucrar com o rali global do trigo depois que a guerra revolucionou os fluxos comerciais da região do celeiro do Mar Negro.
Por Pratik Parija
14 de Maio, 2022 | 09:31 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — A Índia proibiu as exportações de trigo com as quais o mundo contava para aliviar as restrições de oferta provocadas pela guerra na Ucrânia, dizendo que a segurança alimentar do país está ameaçada.

As exportações ainda serão permitidas para países que exigem trigo para necessidades de segurança alimentar e com base nas solicitações de seus governos, disse a Direção Geral de Comércio Exterior da Índia em uma notificação datada de 13 de maio. Todos os outros novos embarques serão proibidos com efeito imediato.

PUBLICIDADE

A decisão de suspender as exportações de trigo destaca as preocupações da Índia com a alta inflação, somando-se a uma onda de protecionismo alimentar desde o início da guerra. Governos de todo o mundo estão procurando garantir o abastecimento local de alimentos com os preços agrícolas subindo. A Indonésia interrompeu as exportações de óleo de palma, enquanto a Sérvia e o Cazaquistão impuseram cotas nos embarques de grãos.

Restringir as exportações seria um golpe para a ambição da Índia de lucrar com o rali global do trigo depois que a guerra revolucionou os fluxos comerciais da região do celeiro do Mar Negro. As nações importadoras buscaram suprimentos na Índia, com o Egito, o maior comprador, aprovando recentemente a nação do sul da Ásia como origem para as importações de trigo.

“Agora temos um ambiente com outro fornecedor afastado da contenção nos fluxos comerciais globais”, disse Andrew Whitelaw, analista de grãos da Thomas Elder Markets, com sede em Melbourne, acrescentando que está cético em relação aos altos volumes esperados da Índia.

PUBLICIDADE

“O mundo está começando a ficar com muito pouco trigo”, disse Whitelaw. Atualmente, o trigo de inverno dos EUA está em más condições, os suprimentos da França estão secando e as exportações da Ucrânia estão bloqueadas.

A Bloomberg News informou no início deste mês que uma onda de calor recorde prejudicou a produção de trigo em todo o país do sul da Ásia, levando o governo a considerar restrições à exportação. O Ministério da Alimentação havia dito que não via necessidade de controlar as exportações, mesmo quando o governo cortou as estimativas para a produção de trigo da Índia.

Remessas com cartas de crédito irrevogáveis que já foram emitidas ainda serão permitidas, de acordo com a última notificação. Os comerciantes se comprometeram a exportar 4 milhões de toneladas até agora em 2022-23, disse o Ministério da Alimentação em 4 de maio. Depois do Egito, a Turquia também deu aprovação para importar trigo da Índia, disse.

Depois que a guerra prejudicou a logística na região do Mar Negro, que responde por cerca de um quarto de todo o comércio de trigo, a Índia tentou preencher o vácuo. O país pretendia exportar um recorde de 10 milhões de toneladas em 2022-23.

Mas seus desafios domésticos ganharam um foco mais nítido nas últimas semanas. Centenas de acres de plantações de trigo foram danificadas durante o março mais quente já registrado na Índia, causando uma queda potencial de até 50% em alguns bolsões do país, de acordo com uma pesquisa da Bloomberg.

Isso levantou preocupações para o mercado doméstico, com milhões dependendo da agricultura como principal meio de subsistência e fonte de alimento. O governo disse que as compras de trigo para seu programa de ajuda alimentar, o maior do mundo, serão menos da metade do nível do ano passado. A proibição das exportações provavelmente prejudicará os agricultores e comerciantes que estocaram os grãos em antecipação aos preços mais altos.

PUBLICIDADE

O controle das exportações de trigo pela Índia – dadas as incertezas relacionadas ao tamanho da safra, o programa de aquisição de grãos, a guerra, os altos custos de fertilizantes e o clima extremo em outras nações em crescimento – é um movimento lógico para garantir a disponibilidade doméstica e gerenciar a inflação, disse Siraj Chaudhry , diretor administrativo e diretor executivo da National Commodities Management Services, uma empresa de armazenagem e comércio.

No entanto, uma abordagem com medidas como preço mínimo de exportação e restrições quantitativas teria sido melhor, pois uma proibição repentina lança desafios ao comércio, afeta a confiabilidade dos exportadores indianos e atinge o potencial de ganhos dos agricultores, disse Chaudhry.

--Com a colaboração de Shamim Adam e Sanjit Das

PUBLICIDADE

Leia também

Caso Luna: O que acontece quando um criptoativo cai a zero

Últimas BrasilBloomberg LíneaIndiaTrigo
PUBLICIDADE