PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Dinheiro parado é melhor que títulos de emergentes, diz gestor

Miguel Arno, gestor da Brandywine Global, disse que prefere deixar a inflação consumir as participações do que arriscar perdas maiores

Embora a fuga para a segurança tenha virado um tema recorrente em meio à liquidação global de ativos de risco, essas altas reservas de caixa ainda podem ser excepcionais
Por Selcuk Gokoluk
13 de Maio, 2022 | 12:29 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A Brandywine Global Investment Management prefere deixar dinheiro parado a investir mais em títulos de mercados emergentes.

A gestora de recursos, que tem US$ 17 bilhões em ativos de países em desenvolvimento, atualmente mantém 25% de seus fundos de emergentes em dinheiro, acima do nível normal de 3% para 5%.

PUBLICIDADE

Miguel Arno, gestor da empresa com sede na Filadélfia, disse que prefere deixar a inflação consumir as participações dos fundos do que arriscar perdas maiores em títulos de mercados emergentes, que lutam para competir com os rendimentos dos Treasuries americanos.

“Há muitos ventos contrários, por isso estamos sendo mais cautelosos e não investindo o dinheiro que temos atualmente”, disse Arno, referindo-se aos fundos de emergentes. “Se os valuations de títulos estivessem atraentes, investiríamos esse dinheiro, mas não estão.”

Maiores perdedores: Dívida dos mercados emergentes tem as piores perdas entre os índices-chave deste anodfd

Embora a fuga para a segurança tenha virado um tema recorrente em meio à liquidação global de ativos de risco, essas altas reservas de caixa ainda podem ser excepcionais. Um fundo de emergentes da BlackRock, por exemplo, tinha 7,5% em dinheiro em 31 de março, de acordo com um porta-voz da empresa.

PUBLICIDADE

Com a inflação dos EUA prevista para cerca de 7% este ano, segundo estimativas da Bloomberg, e aumentos de juros praticamente certos, os títulos soberanos dos mercados emergentes não atraem muitos gestores.

Os estrategistas do Bank of America disseram que mais de US$ 5 bilhões deixaram os fundos de títulos emergentes na semana até 11 de maio, a maior saída desde abril de 2020, citando dados da EPFR Global. Em nota separada, os estrategistas do banco disseram estar pessimistas sobre as perspectivas para emergentes. Se houver um rali, eles recomendam a venda, porque de modo geral, a liquidação de emergentes está apenas “na metade do caminho”.

“As pessoas costumam falar sobre a dificuldade de manter dinheiro em caixa devido à inflação no momento”, disse Arno. Mas enquanto a inflação nos níveis atuais está reduzindo os retornos reais do dinheiro em caixa em cerca de 7%, o índice de referência de mercado emergente do JPMorgan já caiu 17% no acumulado do ano, acrescentou.

Dos 1.121 fundos de títulos de mercados emergentes, apenas 82 conseguiram ganhar dinheiro este ano em meio a uma liquidação global que atingiu mais os países em desenvolvimento, de acordo com dados compilado pela Bloomberg.

“Os spreads entre moedas fortes e de emergentes estão barateando, mas não estão super baratos”, disse Arno. “Não estamos vendo valuations super atrativos no momento. Você precisa ver alguma estabilização nos Treasuries e na política de Covid Zero da China para ficar empolgado.”

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

EXCLUSIVO: Procuradoria apura se apps usam acordos trabalhistas para distorcer jurisprudência

Últimas BrasilEmergentes
PUBLICIDADE