Internacional

Petróleo se recupera com queda nos casos de covid-19 na China

Investidores também esperam dados de inflação dos Estados Unidos, que podem dar pistas sobre fomento à economia

O petróleo subiu mais de 30% no ano, depois que as economias se recuperando da pandemia sustentaram um início robusto
Por Julia Fanzeres e Alex Longley
11 de Maio, 2022 | 08:32 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os preços do petróleo saltaram para quase US$ 103 o barril com a diminuição dos casos de covid-19 na China e antes dos dados de inflação dos EUA que podem influenciar o ritmo de aumentos das taxas de juros.

Os futuros do West Texas Intermediate se recuperavam depois de cair cerca de 9% em dois dias. As infecções em Xangai e Pequim caíram na terça-feira (10), fornecendo algum otimismo cauteloso de melhora depois que os lockdowns levaram ao aumento da inflação em abril. A divulgação do índice de preços ao consumidor dos EUA está agendada para o final da manhã desta quarta.

O mercado de petróleo foi prejudicado nos últimos dois meses pelas restrições contra a covid-19 na China e pela invasão da Ucrânia pela Rússia. A guerra aumentou a inflação, elevando o custo de tudo, de alimentos a combustíveis, com a gasolina no varejo nos EUA atingindo um novo recorde antes da temporada de verão.

O petróleo subiu mais de 30% no ano, depois que as economias se recuperando da pandemia sustentaram um início robusto. O American Petroleum Institute informou que os estoques de petróleo dos EUA aumentaram 1,62 milhão de barris na semana passada, segundo pessoas familiarizadas com os números. Os estoques de combustível também se expandiram. Os dados do governo devem ser divulgados ainda nesta quarta.

PUBLICIDADE

“Na sessão de hoje, o foco será diretamente nos EUA. Os dados de inflação de abril e uma atualização semanal sobre os estoques de petróleo estarão na frente e no centro do sentimento dos traders”, disse Stephen Brennock, analista da corretora PVM Oil Associates Ltd.

Preços do petroleo

  • O WTI para entrega em junho subia 2,9%, para US$ 102,65 o barril às 7h26, horário de Brasília
  • O Brent para liquidação de julho avançava 2,8%, para US$ 105,36.

Os comerciantes continuam monitorando os esforços da UE para acordar sanções sobre as importações de petróleo da Rússia. Na quarta-feira, a Hungria disse que só concordará se os embarques via gasodutos forem excluídos.

Xangai relatou uma queda de 51% nas novas infecções por coronavírus na terça-feira, com zero casos encontrados na comunidade - uma métrica importante para a cidade encerrar um lockdown que prejudicou as cadeias de suprimentos globais e deixou dezenas de milhões de pessoas presas em suas casas por cerca de seis semanas.

Leia também

Por que uma parte do PIB virou as costas à candidatura de Bolsonaro

PUBLICIDADE