Mercados

Petróleo salta com queda de estoques de combustível nos EUA

Contratos futuros do WTI, o petróleo de referência dos EUA, chegaram a subir mais de US$ 6, para acima de US$ 106 por barril

Os preços de gasolina e diesel nos postos do país atingiram recorde pouco antes do início da temporada de viagens de carro
Por Julia Fanzeres
11 de Maio, 2022 | 04:20 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O petróleo disparou após um relatório do governo americano mostrar forte contração dos estoques de combustível antes da temporada de viagens de verão no Hemisfério Norte.

Os contratos futuros de West Texas Intermediate, o petróleo de referência dos EUA, chegaram a subir mais de US$ 6, para acima de US$ 106 por barril. As infecções por covid em Xangai e Pequim caíram na terça-feira (11), também trazendo otimismo cauteloso para o mercado.

Nos EUA, a Energy Information Administration informou que os estoques de diesel caíram para o menor nível desde maio de 2005, enquanto o fornecimento de gasolina no porto de Nova York caiu para o menor nível desde 2017.

Os preços de gasolina e diesel nos postos do país atingiram recorde pouco antes do início da temporada de viagens de carro. A demanda por ambos os produtos no mercado doméstico caiu na semana passada, mas os estoques diminuem porque as refinarias enviam mais combustível para o exterior para substituir suprimentos russos.

PUBLICIDADE

Muitas refinarias foram forçadas a encerrar operações durante a pandemia quando a demanda por combustível evaporou. Com muito menos capacidade de produção de combustível nos EUA e em todo o mundo, será difícil atender à demanda de produtos refinados, disse Quinn Kiley, gerente de portfólio da Tortoise, que administra cerca de US$ 8 bilhões em ativos relacionados à energia.

O mercado de petróleo sofre um sobe e desce de preços por conta das restrições de covid-19 na China e da invasão da Ucrânia pela Rússia. A guerra alimenta a inflação, elevando o custo de tudo, desde alimentos a combustíveis. Nos EUA, os preços ao consumidor subiram mais do que o esperado, indicando que a inflação persistirá em patamares elevados por mais tempo.

O petróleo passa por um de seus períodos mais tumultuados de todos os tempos, com a guerra na Ucrânia e as sanções que se seguiram contra a Rússia empurrando a volatilidade para níveis históricos.

O mercado de petróleo não tem sido “consistente nos últimos tempos”, disse Rebecca Babin, trader sênior de energia da CIBC Private Wealth Management. “Negociar petróleo agora é como tentar descobrir as mudanças de humor de um adolescente.”

PUBLICIDADE

Os traders continuam a monitorar os esforços da UE para chegar a um acordo sobre sanções às importações de petróleo russo. Na quarta-feira, a Hungria disse que só vai concordar se os embarques por dutos forem excluídos.

Xangai relatou uma queda de 51% nas novas infecções por coronavírus na terça-feira, com zero casos encontrados na comunidade - uma métrica importante para a cidade encerrar um bloqueio rígido que prejudicou as cadeias de suprimentos globais e deixou dezenas de milhões de pessoas presas em suas casas por cerca de seis semanas.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Sachsida, agora ministro, foi um dos primeiros a embarcar na campanha de Bolsonaro

Nova área de defensivos agrícolas no Brasil têm o tamanho da Venezuela e Colômbia

PUBLICIDADE