Internacional

Cinco coisas que você precisa saber para começar o dia

Veja as notícias do final de semana e o calendário desta quarta-feira (11) para ficar ligado nos principais eventos do dia

O grande número que todos esperavam esta semana: dados de inflação dos EUA para abril, e os do Brasil também.
Por Eddie van der Walt
11 de Maio, 2022 | 08:49 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — É dia de inflação - no Brasil e nos EUA -, algumas stablecoins podem não ser muito estáveis e a China registrou uma queda na taxa de infecção por covid-19.

1. Inflação nos EUA e no Brasil

O grande número que todos esperavam esta semana: dados de inflação dos EUA para abril, e os do Brasil também.

Economistas previam que a taxa anual americana teria caído para 8,1%, ante 8,5% em março. Mesmo que corresponda à estimativa, o Fed ainda estaria a caminho de aumentar as taxas de juros em 50 pontos-base na próxima reunião, já que o número estaria bem acima do nível que os formuladores de políticas gostariam. E principalmente em um contexto em que o presidente Joe Biden indicou que o combate à inflação é sua principal prioridade nacional.

Por aqui, a expectativa é que a inflação atinja 0,62% no mês, e o pico de 12,07% em um ano. Os dados saem às 9h, pelo horário de Brasília.

PUBLICIDADE

2. Stablecoins instáveis

A TerraUSD, uma stablecoin algorítmica, caía nesta quarta-feira (11), enquanto os mercados de criptomoedas aguardam um resgate liderado pelo principal patrocinador Do Kwon. O token caiu além de sua paridade esperada de 1 para 1 com o dólar americano, sendo negociado em torno de 50 centavos às 8h, segundo dados compilados pela Bloomberg. Na terça-feira, a secretária do Tesouro Janet Yellen disse que a dissociação do TerraUSD demonstra a urgência de ter uma estrutura regulatória para stablecoins. Enquanto isso, o CEO da Coinbase, Brian Armstrong, disse que “não há risco de falência” para a maior exchange de criptomoedas dos EUA, mesmo em meio a um evento de “cisne negro”.

3. Recuperação na China

Xangai relatou na terça-feira uma queda de 51% nas novas infecções por coronavírus, com zero casos detectados na comunidade, uma métrica importante para a cidade encerrar um lockdown que prejudicou as cadeias de suprimentos globais e deixou dezenas de milhões de pessoas trancadas em suas casas por cerca de seis semanas. As ações na China e em Hong Kong subiram à medida que o declínio dos casos de coronavírus na China continental aumentou o sentimento e levou a compras no mercado de ações da região.

4. Dólar cai

O dólar teve um rali de quatro dias antes da divulgação da inflação dos EUA. Os futuros de ações estavam em alta e o S&P 500 avançava 1%, enquanto o Nasdaq 100 ganhava 1,3%. Na Europa, produtos de consumo, viagens e automóveis estavam entre os setores com melhor desempenho. O Stoxx 600 subia 1,2%. O rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos caía 5 pontos base depois de ficar abaixo de 3%. Petróleo, ouro e bitcoin também subiaam.

5. Também hoje...

A inflação é claramente o tema principal do dia, com a divulgação do CPI dos EUA de abril às 9h30. O Departamento de Energia americano divulgará seu relatório de inventário de petróleo dos EUA às 11h30. As autoridades do Fed programadas para falar hoje estão limitadas a Raphael Bostic, que, às 13h, abordará a economia e a política monetária, tendo observado recentemente que o Fed pode precisar fazer menos se a lacuna entre oferta e demanda diminuir. Também são esperados comentários de vários membros do Banco Central Europeu, incluindo Klass Knot e Isabel Schnabel.

PUBLICIDADE

Leia também

Por que uma parte do PIB virou as costas à candidatura de Bolsonaro

PUBLICIDADE