PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cripto

Bitcoin mantém recuperação enquanto stablecoins aguardam resgate

Todos os olhos estão voltados para a TerraUSD, uma stablecoin que perdeu a proporção de um para um em relação ao dólar

Maior token do mundo girava em torno de US$ 31.000 às 7h50, horário de Brasília, depois de saltar de uma breve queda abaixo de US$ 30.000 no dia anterior
Por Sunil Jagtiani e Sidhartha Shukla
11 de Maio, 2022 | 09:16 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O Bitcoin teve uma recuperação parcial da liquidação desta semana em meio a um sentimento mais estável nos mercados globais e expectativas de ajuda para uma stablecoin cujas dificuldades lançaram uma nuvem escura sobre o setor de criptomoedas.

O maior token do mundo girava em torno de US$ 31.000 às 7h50, horário de Brasília, depois de saltar de uma breve queda abaixo de US$ 30.000 no dia anterior. Éter, Solana e outras moedas flutuaram em intervalos um tanto estreitos.

PUBLICIDADE

Todos os olhos estão voltados para a TerraUSD, uma stablecoin algorítmica que deve manter uma proporção de um para um em relação ao dólar. Ela perdeu a paridade e estava sendo negociado a cerca de 80 centavos de dólar. Stablecoins são elementos-chave da engrenagem no mercado de criptomoedas.

Luna, um token que faz parte do mecanismo de peg do TerraUSD, também está sob pressão. Caiu cerca de 60% nas últimas 24 horas.

Do Kwon, fundador da Terraform Labs – que alimenta a blockchain Terra – está se movendo para fortalecer a stablecoin. Ele disse no Twitter que um plano de recuperação está perto de ser revelado. A secretária do Tesouro, Janet Yellen, disse que a desvinculação do TerraUSD destacou a necessidade de uma estrutura regulatória para as stablecoins.

PUBLICIDADE

O foco regulatório “parece estar pesando no sentimento das stablecoins” em meio ao abrandamento da demanda até certo ponto pelo ecossistema de criptomoedas mais amplo, disse Tony Sycamore, analista de mercado sênior da StoneX Retail.

Ele espera que os índices de ações dos EUA e o Bitcoin continuem a se mover em conjunto, depois que a correlação entre os dois atingir um nível recorde.

O Bitcoin lutou este ano, caindo cerca de 33%, em comparação com uma queda de 17% nas ações globais. Uma série de ativos especulativos foi prejudicada pela diminuição da liquidez em meio a uma onda global de aperto monetário para combater a alta inflação.

--Com a colaboração de Akshay Chinchalkar

Leia também

Por que uma parte do PIB virou as costas à candidatura de Bolsonaro

Últimas BrasilcriptoCriptomoedasBitcoin
PUBLICIDADE