PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Eleições 2022

Pesquisa CNT/MDA: Bolsonaro ganha terreno e reduz dianteira de Lula

Em fevereiro, ex-presidente tinha 42% das intenções de voto e passou a ter 40,6% em maio; Bolsonaro subiu de 28% para 32% no mesmo período

Bolsonaro
10 de Maio, 2022 | 02:21 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Lìnea — A distância entre as intenções de voto do ex-presidente Lula (PT) e do presidente Jair Bolsonaro (PL) caiu 5,6 pontos de fevereiro para cá. Segundo pesquisa CNT/MDA divulgada nesta terça-feira, Bolsonaro cresceu quatro pontos no período e chegou a 32% das intenções de voto. Já Lula, que continua em primeiro lugar, perdeu quase dois pontos e chegou a 40,6% das intenções.

A pesquisa tem margem de erro de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos. Ou seja: enquanto a queda de Lula aconteceu dentro da margem, o crescimento de Bolsonaro se deu acima da margem de erro da pesquisa.

O presidente, portanto, vem ganhando terreno. De julho do ano passado, quando ele tinha 26,6% das intenções de voto, segundo a CNT/MDA, e maio deste ano, o crescimento foi de mais de seis pontos.

A pesquisa divulgada nesta terça ainda mostrou Ciro Gomes (PDT) com 7,1% das intenções de voto, João Doria (PSDB) com 3,1%, André Janones (Avante) com 2,5% e Simone Tebet (MDB) com 2,5%.

PUBLICIDADE

Bolsonaro também mostrou melhora nas avaliações positivas. Os que consideram seu governo ótimo ou bom foram 30,4% em maio, ante 25,9% em fevereiro, quando foi feita a última edição da pesquisa. Já os que consideram o governo ruim ou péssimo foram 43,6% em maio, ante 43% em fevereiro.

O desempenho pessoal do presidente é desaprovado por 58,8% dos pesquisados e aprovado por 37,9%.

A pesquisa também mostrou que o eleitor de Bolsonaro é mais fiel que o eleitor de Lula. De acordo com o levantamento, a intenção de voto em Lula é definitiva para 78,1% dos pesquisados e 21,9% disseram que podem mudar de ideia até outubro. Já a intenção de voto em Bolsonaro é definitiva para 82,1% dos entrevistados, enquanto 17,9% disseram que podem mudar de ideia até a data das eleições.

Ao mesmo tempo, os dados mostram que as campanhas do petista e do presidente precisam tentar conquistar os eleitores de Ciro Gomes e de João Doria. Segundo a pesquisa, 49% dos eleitores de Ciro disseram que podem mudar o voto até outubro. Para Doria, a cifra dos que admitem mudar é de 65%.

A pesquisa ouviu 2.002 pessoas por telefone entre os dias 4 e 7 de maio. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos. O registro no TSE é BR-05757/2022.

Pedro Canário

Pedro Canário

Repórter de Política da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero em 2009, tem ampla experiência com temas ligados a Direito e Justiça. Foi repórter, editor, correspondente em Brasília e chefe de redação do site Consultor Jurídico (ConJur) e repórter de Supremo Tribunal Federal do site O Antagonista.