CEO da Aston Martin deixará o cargo e será substituído pelo ex-chefe da Ferrari

Amedeo Felisa, engenheiro automotivo e atual membro do conselho, se concentrará na reformulação da equipe técnica da Aston Martin

Amedeo Felisa assumirá como CEO da Aston Martin, substituindo Tobias Moers, na imagem acima.
Por Siddharth Philip
07 de Maio, 2022 | 08:02 AM

Bloomberg — A Aston Martin Lagonda Global Holdings Plc está recorrendo a um executivo veterano que deixou o comando da Ferrari NV seis anos atrás para dar a volta por cima na fabricante britânica de carros de luxo.

A Aston Martin nomeou o atual membro do conselho Amedeo Felisa como CEO para substituir o gerente alemão Tobias Moers, que lutou com vendas mais lentas do que o esperado do supercarro Valkyrie, de 2,4 milhões de libras (US$ 3 milhões). Felisa, de 75 anos, se concentrará na reformulação da equipe técnica da Aston Martin, contratando novos funcionários e promovendo talentos internos.

“Para encontrar alguém com essa riqueza de experiência, não acho que haja cinco pessoas no mundo que a tenham”, disse o presidente da Aston Martin, Lawrence Stroll, em entrevista.

A nomeação de Felisa interrompe um reinado tumultuado de Moers, que Stroll contratou há dois anos, depois de quase duas décadas na Mercedes-Benz AG. Embora o plano fosse expandir a linha da empresa com mais iterações do bem-sucedido veículo utilitário esportivo DBX e revitalizar sua linha de carros esportivos, as entregas do Valkyrie ficaram seriamente para trás.

PUBLICIDADE

A Aston Martin perdeu uma rara classificação de compra no mês passado depois que analistas do Citigroup Inc. alertaram que as emissões da Valkyrie deixaram o balanço da empresa “precariamente posicionado”.

LEIA +
Seguros dos carros mais vendidos do país custam até R$ 18,3 mil; veja preços

Felisa, especialista em engenharia automotiva nascido em Milão, liderou a Ferrari por oito anos até 2016. Ele se juntou ao conselho da Aston Martin no ano passado. Antes de seu tempo na Ferrari, ele dirigiu o desenvolvimento de produtos na divisão Alfa Romeo da Fiat Chrysler.

As ações da Aston Martin subiram até 5,5% em Londres. Mesmo assim, as ações caem mais de um terço no ano.

PUBLICIDADE

Também nesta quarta-feira (4), a fabricante britânica divulgou lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de 24,4 milhões de libras no primeiro trimestre, superando as estimativas de analistas de 16,3 milhões de libras. Os embarques de veículos no atacado da empresa caíram 14% no período.

Pedidos de SUV

A Aston Martin disse que os pedidos do SUV DBX aumentaram cerca de 60% nos três meses até março. A empresa entregou 14 Valkyries no período, em comparação com sua meta anual de 90. Stroll prometeu que o programa Valkyrie está no caminho certo.

A montadora planeja ter variantes híbridas de todos os seus modelos nos próximos dois anos, com os primeiros carros totalmente elétricos até 2025.

-- Com a colaboração de Tommaso Ebhardt.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

Fed anuncia segundo aumento de juros consecutivo nos EUA por inflação

Brasil lidera ranking por ativos dos maiores bancos da América Latina em 2022