PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Investidores de alto patrimônio continuam propensos a comprar na baixa

Ritmo do aperto monetário dos bancos centrais fortaleceu confiança dos investidores, dos quais um terço afirma que mudaria de setor durante a baixa

Pesquisa sugere que muitos investidores não se intimidam em um momento em que os mercados oscilam fortemente
Por Scott Carpenter
04 de Maio, 2022 | 06:00 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Quase um terço dos indivíduos de patrimônio alto aumentaria seus investimentos existentes se os mercados caíssem ainda mais, enquanto apenas 20% reduziriam sua exposição, de acordo com o UBS.

Além daqueles prontos para comprar na baixa, outros 30% mudariam para setores diferentes, enquanto 18% não fariam mudanças se os mercados continuassem caindo, segundo pesquisa da unidade de gestão de patrimônio do banco junto a mais de 2.500 investidores com pelo menos US$ 1 milhão em ativos.

A pesquisa sugere que muitos investidores não se intimidam em um momento em que os mercados oscilam fortemente à medida que bancos centrais se preparam para apertar a política monetária no ritmo mais rápido em décadas para combater a inflação.

O S&P 500 (SPX) chegou a cair para o nível mais baixo em cerca de um ano na segunda-feira (2) e acumulava queda de 12% no ano. O Bloomberg Global Aggregate Bond Index, um indicador de títulos, também caiu quase 12% no acumulado do ano.

PUBLICIDADE

“Estamos vendo investidores preocupados e talvez na espera, mas não em pânico”, disse Jeff Scott, da UBS Global Wealth Management. “Não há muitos entrando no mercado, mas também não vemos muitas pessoas saindo.”

Os riscos geopolíticos da invasão da Ucrânia pela Rússia são a principal preocupação de investidores e empresários em todo o mundo, segundo a pesquisa. Isso se deve em parte à conexão da guerra com vários outros problemas econômicos, incluindo a inflação, que foi a segunda maior preocupação dos entrevistados.

Depois de um período de quase dois anos em que as ações só pareciam subir, os milionários indicam que querem alguns conselhos de investimento. Nos Estados Unidos, 85% dos entrevistados disseram que querem mais orientação do que o normal de seus consultores financeiros, contra 78% em fevereiro.

O UBS realiza sua pesquisa de sentimento dos investidores a cada trimestre. A amostra global abrangeu 14 mercados, incluindo Brasil, China, Alemanha, Reino Unido e EUA.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Copom deve subir juros para 12,75% e manter a porta aberta para novo aperto

Rumo a um ano de pesadelo? Esses são os investimentos da Tiger Global no Brasil