PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Fome mundial aumentou antes da guerra na Ucrânia e deve piorar ainda mais

Quase 193 milhões de pessoas em 53 países ou territórios sofreram insegurança alimentar aguda em 2021

Relatório cita clima extremo, pandemia e conflito em países como precursores da crise alimentar global
Por Megan Durisin
04 de Maio, 2022 | 01:06 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O número de pessoas que passam fome aumentou 25% no ano passado, de acordo com a Global Network Against Food Crises (Rede Global Contra Crises Alimentares, na tradução livre), e o número deve aumentar ainda mais à medida que a guerra na Ucrânia se desenrola e afeta ainda mais os preços dos alimentos ao redor do mundo.

Conflitos em países como a Etiópia e o Afeganistão pioraram as crises por lá, e os choques econômicos da pandemia de covid-19 restringiram o acesso a alimentos em quase duas dúzias de países, disse a aliança internacional em um relatório. O clima extremo, como uma seca severa em Madagascar, também está agravando o problema.

Um total de quase 193 milhões de pessoas em 53 países ou territórios sofreram insegurança alimentar aguda em 2021, o que significa que a falta de refeições representou uma ameaça imediata às suas vidas ou meios de subsistência, mostra o relatório. O número é maior do que os 155 milhões de pessoas em 55 países contabilizados no ano anterior.

A crise de segurança alimentar parece prestes a piorar à medida que a guerra na Ucrânia interrompe as colheitas e as exportações de um dos principais fornecedores de grãos e óleos vegetais.

PUBLICIDADE

Um indicador dos preços mundiais dos alimentos atingiu um novo recorde - níveis próximos aos vistos em 2008 e 2011 e que contribuíram para crises alimentares globais - acumulando pressões sobre os governos do Sri Lanka ao Peru.

Isso está ajudando a desencadear uma onda de protecionismo, já que alguns exportadores começaram a restringir as vendas de safras no exterior para garantir o abastecimento local.

O índice global de alimentos disparou desde o início da guerra na Ucrâniadfd

A rede de crises alimentares foi fundada pela União Europeia em 2016 através do Programa Mundial de Alimentos e Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação.

– Esta notícia foi traduzida por Melina Flynn, Content Producer da Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Guerra impulsionará demanda por energia renovável

Parque solar da Suécia é suspenso por riscos à produção de alimentos