PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Tesouro dos EUA deve reduzir venda de dívida mais uma vez antes de aperto do Fed

Embora isso represente o maior período de cortes desde 2014-2015, pode ser a redução final por algum tempo, apontam analistas

Total do leilão da próxima semana deve cair em US$ 6 bilhões a US$ 7 bilhões, contra US$ 110 bilhões vendidos em fevereiro
Por Liz McCormick
03 de Maio, 2022 | 09:55 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — O Tesouro dos EUA reduzirá sua venda de dívida de longo prazo pelo terceiro trimestre consecutivo este mês para alinhar melhor suas emissões com as necessidades de gastos do governo, de acordo com a maioria dos negociantes de títulos.

Embora isso represente o maior período de cortes desde 2014-2015, pode ser a redução final por algum tempo, já que o Federal Reserve está prestes a encolher suas participações em títulos do Tesouro dos EUA em centenas de bilhões de dólares até o final do ano. Essa contração do balanço do Fed forçará o Departamento do Tesouro a aumentar suas emissões ao longo do tempo.

Na quarta-feira (4), o Tesouro anunciará planos para seu refinanciamento trimestral de títulos de longo prazo, quando normalmente também revela quaisquer mudanças em sua estratégia geral de emissão. Os dealers estarão atentos para ver como gestores de dívida pretendem lidar com o encolhimento da carteira de títulos do Fed, que deve ser revelado mais tarde no mesmo dia.

Quanto ao refinanciamento trimestral em si, o total do leilão da próxima semana deve cair em US$ 6 bilhões a US$ 7 bilhões, contra US$ 110 bilhões vendidos em fevereiro. Isso marcaria uma redução ligeiramente menor do que o corte de US$ 10 bilhões da última vez.

PUBLICIDADE

A gestão da dívida será um ato de malabarismo para o Tesouro nos próximos meses, não apenas por causa do chamado aperto quantitativo do Fed, ou QT, mas também por causa de um boom na receita tributária que está inchando o caixa do departamento e encolhendo o déficit fiscal, por enquanto.

“A confluência da redução do balanço do Fed e as expectativas de déficits mais baixos criam alguma incerteza em relação à estratégia do Tesouro”, disse Jonathan Cohn, chefe de estratégia de negociação de taxas do Credit Suisse.

O QT do Fed  “reduz a necessidade de cortes adicionais no tamanho do cupom além do próximo trimestre. No entanto, nossas expectativas de necessidades de financiamento reduzidas ainda implicam em margem para outra rodada de cortes significativos no tamanho nominal do leilão.”

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Met Gala 2022: O ano de Musk e das Kardashians no tapete vermelho

As ações preferidas de analistas de 14 corretoras para comprar em maio