PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Berkshire, de Buffett, desacelera recompra de ações com US$ 3,2 bilhões

O conglomerado recomprou o menor volume desde o primeiro trimestre de 2020

Escritório da Berkshire Hathaway em São Francisco, Califórnia
Por Katherine Chiglinsky
30 de Abril, 2022 | 10:40 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A Berkshire Hathaway (BERK34), de Warren Buffett, recuou nas recompras de ações durante os três primeiros meses do ano.

O conglomerado recomprou apenas US$ 3,2 bilhões em ações no primeiro trimestre, o menor desde o mesmo período de 2020 e abaixo dos US$ 6,9 bilhões recomprados durante os últimos três meses de 2021. Buffett, CEO da Berkshire, havia se inclinado para recompras de ações em últimos anos em meio a altas avaliações para outras compras de ações. Mas no primeiro trimestre, as ações Classe A da Berkshire subiram mais de 17%, tornando-se um caminho mais caro para a implantação de capital.

O cofre de guerra da Berkshire caiu para US$ 106 bilhões no final do primeiro trimestre, o menor desde o terceiro trimestre de 2018, um sinal de que a recente onda de atividades de Buffett e seus aliados está ajudando a administrar o tesouro do conglomerado. Buffett gastou dinheiro em ações da Occidental Petroleum durante o trimestre e até concordou em colocar US$ 11,6 bilhões para trabalhar em um acordo para a Alleghany, que deve ser fechado no quarto trimestre.

Principais insights

O lucro operacional subiu 0,3% para US$ 7,04 bilhões no primeiro trimestre em comparação com o mesmo período do ano anterior. Enquanto os fabricantes e varejistas foram fortes durante o período, a subscrição nas seguradoras foi mais suave neste trimestre.

PUBLICIDADE

A Berkshire sediará sua reunião anual ainda neste sábado, com Buffett e seu parceiro de negócios de longa data Charlie Munger respondendo a perguntas dos acionistas por horas. A reunião, que será realizada em Omaha, Nebraska, onde a empresa está sediada, é a primeira reunião presencial de investidores desde 2019.

Veja mais em bloomberg.com