Internacional

Ameaça de recessão paira sobre frágil crescimento da Europa

Fábricas europeias sinalizam problemas em meio à inflação recorde e um aperto de oferta persistente

A área do euro cresceu apenas 0,2%, menos do que os economistas previam
Por Jana Randow
29 de Abril, 2022 | 09:38 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A recuperação da Zona do Euro da pandemia já mostra sinais de fraqueza antes mesmo de enfrentar as turbulências econômicas que se aproximam.

O perigo de uma recessão surgiu esta semana depois que a Rússia interrompeu os fluxos de gás para a Polônia e a Bulgária, dando uma mostra do que pode estar reservado para a região. Mas mesmo sem o racionamento de energia que isso poderia provocar, o panorama parece ameaçador, ressaltado pelo crescimento mais fraco do que o esperado divulgado na sexta-feira (.

As fábricas europeias sinalizam problemas em meio à inflação recorde e um aperto de oferta persistente, agravado por estritos bloqueios de Covid na China. Enquanto isso, qualquer recuperação no setor de lazer e viagens por consumidores liberados pela pandemia pode se dissipar, principalmente porque os aumentos de preços afetam a renda. Sem contar que o próprio coronavírus poderia retornar com mais força.

Os mercados financeiros europeus refletem o pessimismo, e economistas do Morgan Stanley (MS) estão entre os que veem uma “desaceleração significativa” no segundo semestre. Gigantes corporativos, incluindo a alemã BASF se preparam para “sérias perturbações”, e a OCDE alerta que os governos subestimam o impacto da guerra na Ucrânia.

PUBLICIDADE

O que isso sugere é que um ano que começou com a região estendendo seu crescimento além dos níveis pré-Covid, e oferecia a perspectiva de mais ventos a favor da ajuda fiscal da União Europeia, agora corre o risco de se tornar mais um episódio lamentável para o Banco Central Europeu na história da moeda única de frustrantes contratempos para o crescimento.

“A economia pode mostrar resiliência nos próximos trimestres, mas o problema é: o que vai acontecer no final do ano?” disse Anatoli Annenkov, economista do Société Générale em Londres. “Não sabemos o que acontecerá com o crescimento salarial e o estímulo fiscal em 2023, há tanta preocupação com a China quanto com os custos de energia e é fácil ficar pessimista à luz da guerra.”

O principal índice de ações da Europa tem lutado para se firmar este ano e o aumento dos spreads de títulos alimenta preocupações de que a fragmentação retornará à zona do euro.

Os dados do PIB no primeiro trimestre não ofereceram motivo para esperança. A área do euro cresceu apenas 0,2%, menos do que os economistas previam, prejudicada por uma contração na Itália, estagnação na França e crescimento mais fraco do que o esperado na Espanha.

PUBLICIDADE

Outros indicadores não são muito melhores. A produção das fábricas e os novos pedidos estão prestes a estagnar, e a confiança das empresas nas principais economias diminuiu desde o início do ano. Isso deixou os serviços arcando com o fardo, prejudicados pela diminuição da confiança do consumidor.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Calendário corporativo: Balanços da Ambev e Petrobras e reunião da Anatel

Mercados em rumos contrários nos EUA e na Europa; balanços e macro dividem atenção