Linha Executiva

Fuga da China: UBS é o terceiro banco global a perder chefe somente este mês

David Chin está deixando o cargo de chefe do banco na China por conta das restrições de viagem dos lockdowns, segundo fontes

As saídas ocorrem em um momento em que os bancos de Wall Street e seus rivais europeus planejam entrar a todo vapor na China
Por Cathy Chan
28 de Abril, 2022 | 05:04 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — David Chin, do UBS (UBS), está deixando o cargo de chefe do banco na China, o terceiro executivo sênior de um credor global do país a sair este mês, com as restrições de viagens do covid tornando o papel cada vez mais desafiador para banqueiros internacionais.

Após dois anos no cargo, Chin será sucedido por Eugene Qian, presidente da UBS Securities, disse o credor em um memorando interno, confirmando uma reportagem anterior da Bloomberg News. Chin, que permanecerá no UBS como chefe do banco de investimento da Ásia-Pacífico, está deixando o cargo na China depois que as restrições de viagem dificultaram a administração do negócio em Hong Kong, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

Chin se une aos diretores executivos das unidades de títulos da China continental do JPMorgan (JPM) e Credit Suisse (CS) que saíram de seus respectivos cargos este mês, numa série de saídas sem precedentes. Mais de dois anos de controles de fronteira minaram as tentativas de recalibrar a estratégia e gerenciar um ambiente regulatório em rápida mudança, disseram as pessoas, pedindo para não serem identificadas porque as conversas não são públicas.

As saídas ocorrem em um momento em que os bancos de Wall Street e seus rivais europeus planejam entrar a todo vapor na China, esforços que agora estão sendo prejudicados pela queda dos mercados e pela desaceleração do crescimento econômico.

PUBLICIDADE

Chin supervisionou o aumento da participação do UBS no empreendimento de valores mobiliários na China para 67% no mês passado. A receita do UBS na China continental mais que dobrou para quase US$ 1 bilhão em 2021 em relação a 2019, tornando-se o terceiro maior contribuinte na Ásia-Pacífico, substituindo a Austrália, disse uma das pessoas. Hong Kong e Singapura continuam sendo os maiores contribuintes, disse a pessoa.

A Qian, com sede em Xangai, estará mais próxima de reguladores e clientes na China continental, enquanto a mudança permitirá que Chin se concentre na expansão dos negócios na Ásia e ajude a diversificar a receita para compensar uma desaceleração esperada nas negociações chinesas este ano, disseram as pessoas.

Qian, que voltou ao UBS em 2015, se reportará ao presidente da Ásia-Pacífico, Edmund Koh, quando a nomeação entrar em vigor a partir de 1º de julho, segundo o memorando.

A perda de tantos executivos seniores em funções críticas na China não é um bom presságio para os bancos globais, que lutam para que talentos locais se expandam e enfrentam riscos geopolíticos crescentes. Os banqueiros lamentam as dificuldades em expandir a cobertura de clientes, já que semanas de quarentena e lockdown em Xangai prejudicaram o moral, disseram as pessoas.

PUBLICIDADE

Os bloqueios contínuos estão tornando cada vez mais difícil para aqueles com família que moram no exterior.

Houston Huang deixou o cargo no início deste mês como CEO da JPMorgan Securities China depois de pouco mais de um ano no cargo. Ele foi sucedido por seu vice, Lu Fang, ex-funcionário do regulador de valores mobiliários da China.

Tim Tu, CEO da empresa de valores mobiliários local do Credit Suisse, renunciou ao cargo na semana passada, após menos de dois anos no cargo. Tu, com sede em Pequim, pretende se mudar para Hong Kong, embora seu novo papel exato não tenha sido finalizado, disseram pessoas familiarizadas.

Leia também

Brasileiro vai usar mais milho para encher o tanque do carro

Saque em moeda estrangeira cresce em caixas eletrônicos no Brasil

PUBLICIDADE