A experiência recente sugere que os investidores não devem descartar mais erros de política daqui para frente
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Opinion — O Federal Reserve está prestes a aumentar as taxas de juros no ritmo mais rápido em 40 anos, depois que a retórica agressiva dos formuladores de políticas se tornou mais agressiva na semana passada. O problema, porém, é que os traders de títulos continuam aumentando suas expectativas de inflação de longo prazo em um desenvolvimento muito preocupante para o banco central, a economia e os mercados financeiros.

Os traders estão apostando que, mesmo com o Fed aumentando sua meta para a taxa Fed Funds em 2,5 pontos percentuais este ano para 3%, não será suficiente para reduzir a taxa de inflação para 2% na próxima década, de cerca de 8,5% atualmente. Esta semana, os rendimentos das notas do Tesouro de 2 anos subiram para os níveis mais altos desde 2018, quando o presidente do Fed, Jerome Powell, endossou a ideia de um aumento de meio ponto percentual quando os formuladores de políticas se reunirem em duas semanas e dizendo que muitas autoridades veem “um ou mais” desses move conforme apropriado.

PUBLICIDADE

Mesmo assim, as expectativas de inflação de longo prazo continuaram subindo. A taxa de inflação implícita de mercado nos próximos cinco a 10 anos subiu para o mais alto desde 2014, saltando para quase 2,6%, e as taxas de equilíbrio de 10 anos subiram para o mais alto desde pelo menos 1998, ultrapassando 3%. Os touros de títulos de longo prazo da Hoisington Investment Management Co. expressaram preocupação em sua carta do primeiro trimestre aos investidores, dizendo que uma desaceleração econômica favoreceria a compra de títulos do Tesouro de longo prazo, mas “os investidores devem ter cuidado” com o fracasso do Fed em conter o suficiente inflação.

Tudo isso sugere uma de duas coisas: ou o banco central mais importante do mundo perdeu o controle sobre a inflação, ou nem tentará recuperá-la para sua meta de 2%. “Se o Fed quiser voltar à inflação de 2%, acho difícil acreditar que um pouso suave seja possível”, disse o professor de finanças e economia da Universidade de Columbia, Glenn Hubbard, na sexta-feira na Bloomberg Surveillance. Os traders concordam, com as taxas de equilíbrio sugerindo que eles pensam que os formuladores de políticas evitarão torpedear a economia e errarão ao fazer menos, não mais, quando se trata de apertar a política monetária.

PUBLICIDADE

Com o benefício da retrospectiva, parece que o Fed cometeu um erro ao continuar comprando títulos para apoiar a economia durante a pandemia, apesar de um mercado de trabalho que mostrava sinais de superaquecimento e inflação crescente. A experiência recente sugere que os investidores não devem descartar mais erros de política daqui para frente.

Certamente, há alguma evidência de que as taxas de inflação ao consumidor atingiram o pico ou atingirão nos próximos meses. Mas os sinais de que as empresas estão repassando com facilidade os custos crescentes podem moderar a velocidade com que a inflação desacelera. As ações da Kimberly-Clark (KMB) tiveram o maior salto em 22 anos na sexta-feira (22), depois de registrar vendas e lucro no primeiro trimestre que superaram as estimativas, com a fabricante de fraldas e papel higiênico repassando com sucesso os custos mais altos aos consumidores. As ações de empresas de viagens como a United Airlines (UAL) têm estado fortes à medida que as férias e as viagens de negócios se recuperam para níveis iguais ou superiores aos de antes da pandemia em 2019, permitindo-lhes aumentar os preços.

PUBLICIDADE

O estrategista-chefe de ações do Credit Suisse Group nos EUA, Jonathan Golub, estima que, com quase 25% dos membros do S&P 500 Index relatando ganhos no primeiro trimestre, os resultados corporativos estão superando as estimativas em 8,2% em média e 77% dessas empresas superaram as projeções. E, no entanto, enquanto o Fed fala sobre aumentar as taxas ao máximo de uma só vez desde 2000, não fez nenhum movimento ousado. Além disso, o Fed permitiu que seu balanço de ativos se expandissem em cerca de US$ 200 bilhões este ano para US$ 8,96 trilhões na semana passada, segundo dados compilados pela Bloomberg.

Se o Fed quiser recuperar o controle sobre a narrativa da inflação, precisa tomar ações ousadas para corresponder à sua conversa dura. A barra para o que é considerado ousado está ficando mais alta quanto mais tempo deixa de agir.

PUBLICIDADE

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e seus proprietários.

Lisa Abramowicz é co-apresentadora do programa “Bloomberg Surveillance” na Bloomberg TV.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Quanto ganha cada presidente na América Latina?

Como as fintechs de câmbio estão surfando a onda do dólar barato