PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

Indústria de carvão ainda gera bilhões em um mundo que quer se tornar ‘verde’

Mesmo diante de metas climáticas ambiciosas, a queima de carvão ainda gera cerca de 35% da eletricidade mundial

Para o magnata do carvão, Low Tuck Kwong, a demanda por carvão tem sido positiva, com ações sendo negociadas perto de um recorde
Por Yoojung Lee e Fathiya Dahrul
23 de Abril, 2022 | 11:13 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Antes do início da pandemia, Low Tuck Kwong tentou - e falhou - vender uma participação em sua empresa de mineração na Indonésia. Incapaz de encontrar o comprador certo, ele decidiu mudar a estratégia, adicionando ações em vez de reduzi-las.

A aposta valeu a pena: as ações da Bayan Resources mais que dobraram desde então, tornando Low uma das pessoas mais ricas do setor, de acordo com o Bloomberg Billionaires Index. Sua participação, agora em 61%, vale US$ 6,1 bilhões.

PUBLICIDADE

“É muito simples: se não posso vender parte de minhas ações, é melhor comprar mais”, disse Low em uma rara entrevista em março, mês em que acrescentou mais 199 milhões de ações.

Os produtores de carvão têm atravessado um momento peculiar, movimento inesperado para a indústria mais responsável pelas emissões de carbono no globo. Na cúpula climática da COP26 do ano passado em Glasgow, mais de 40 países se comprometeram a se afastar do combustível. A Indonésia, seu maior exportador, impulsionou a regulamentação para proteger os recursos naturais.

No entanto, a queima de carvão ainda é comum, gerando cerca de 35% da eletricidade mundial - o dobro na Indonésia. A atividade econômica pós-pandemia aumentou a demanda, assim como a guerra na Ucrânia. Nações como o Japão proibiram a importação de combustíveis russos, restringindo ainda mais a oferta e elevando ainda mais os preços.

PUBLICIDADE

Para a Bayan Resources, onde Low atua como presidente, os acontecimentos têm sido uma bênção, com as ações sendo negociadas perto de um recorde. A receita mais que dobrou para US$ 2,9 bilhões no ano passado, e a empresa pagou todas as suas dívidas.

Agora, a mineradora está construindo uma nova infraestrutura para aumentar sua capacidade de produção para até 60 milhões de toneladas até 2026, de 37,6 milhões de toneladas em 2021, segundo o diretor financeiro Alastair McLeod.

“Ainda há um mercado muito equilibrado, se não com pouca oferta”, disse McLeod na entrevista de março. “Obviamente, ainda enfrentaremos uma variedade de desafios. Mas do ponto de vista do preço de mercado, há uma demanda por carvão. Prevemos margens saudáveis em 2022″, afirmou.

As ações das mineradoras de carvão subiram, impulsionando as fortunas de outros magnatas indonésios. A PT Adaro Minerals Indonesia, controlada pelo bilionário Garibaldi Thohir, a PT Adaro Energy Indonesia, disparou quase 2.800% desde sua estreia pública em janeiro. O salto de 175% na PT Harum Energy no ano passado elevou o valor da participação de seu fundador para US$ 2 bilhões.

PUBLICIDADE

As preocupações ambientais ainda precisam atender à demanda mundial por carvão, disse Shirley Zhang, analista principal do mercado de carvão da Ásia-Pacífico da consultoria de energia Wood Mackenzie. Mesmo que o conflito Rússia-Ucrânia diminua, disse ela, “o carvão ainda será necessário para a maioria dos países asiáticos até 2050, e a falta de financiamento nas minas de carvão fornecerá suporte aos preços”.

A Bayan Resources instalou painéis solares e iluminação movida a energia solar em seus projetos, e sua mina Tabang, que contribui com mais de 80% de sua produção, gera níveis mais baixos de enxofre, nitrogênio e cinzas quando queima carvão, de acordo com uma apresentação da empresa . Mas as limitações são óbvias, disse McLeod: “Inerentemente, há apenas uma certa quantia que podemos fazer se ainda vendermos carvão”.

PUBLICIDADE

Low mudou-se para a Indonésia há mais de cinco décadas, pronto para aproveitar as oportunidades na maior economia do Sudeste Asiático. Inicialmente, o nativo de Cingapura foi para o setor de construção - seu primeiro projeto foi construir uma instalação para armazenar sorvetes. Mas o setor era complicado.

“Você tem que procurar outro projeto para nosso pessoal trabalhar”, disse ele.

PUBLICIDADE

A mineração parecia mais estável e, no final dos anos 80 e 90, a construtora iniciou seu negócio de carvão. A Bayan Resources foi criada em 2004, e Low também se tornou o acionista controlador da transportadora de carvão de Cingapura Manhattan Resources Ltd.

Low diz ser um amante dos animais e passa seu tempo livre passeando no zoológico e nas plantações de frutas que estabeleceu na ilha de Bornéu, perto de sua mina em Tabang. Ele investiu cerca de US$ 4 milhões no parque, que é aberto ao público.

PUBLICIDADE

– Esta notícia foi traduzida por Melina Flynn, Content Producer da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

O herdeiro do Itaú, o economista e o projeto na Amazônia que será visto da lua

ESG: Títulos sustentáveis são atropelados por liquidação no mercado global