Green

ESG: Títulos sustentáveis são atropelados por liquidação no mercado global

Segmento deve manter seu apelo porque os fundos enfrentam pressão de investidores e reguladores para tornar seus portfólios mais sustentáveis

Títulos sustentáveis são atropelados por liquidação no mercado global
Por Caleb Mutua
13 de Abril, 2022 | 07:10 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A recente liquidação do mercado de títulos tem sido particularmente difícil para a dívida sustentável, desafiando a premissa popular de que investidores podem ao mesmo tempo se dar bem e fazer o bem.

Um índice da Bloomberg de dívida ligada a questões ambientais, sociais e de governança ficou para trás em relação aos títulos globais de referência em cerca de 0,64 ponto percentual no último ano. Na Europa, que domina esse mercado de US$ 4 trilhões, títulos corporativos verdes caíram 6,7% até agora este ano, contra perda de 6,1% para dívida normal.

Os títulos corporativos verdes de grau de investimento da China tiveram desempenho inferior aos pares não verdes no primeiro trimestre, enquanto nos EUA, os títulos verdes superaram modestamente seus pares, de acordo com o Morgan Stanley.

  dfd

Há mais de um motivo. Os títulos ESG começaram mais caros, com a demanda superando a oferta em estreias badaladas da União Europeia, Ford e outros. Com vencimentos tipicamente mais longos, eles também foram mais atingidos pela perspectiva de aumento das taxas de juros, contrariando as expectativas de que aguentariam bem a volatilidade nos mercados globais.

PUBLICIDADE

“Nós realmente não temos dados que comprovem que, ao longo de um ciclo de crédito completo, os títulos verdes superam o mercado porque são detidos por investidores de longo prazo”, disse Stephen Liberatore, chefe global de renda fixa ESG da Nuveen, que administra US$ 1,3 trilhão globalmente. “No momento, o que você tem são simplesmente pessoas argumentando que deveria ser assim.”

Ativos sustentáveis devem manter seu apelo, diz a teoria, porque os fundos enfrentam pressão de investidores e reguladores para tornar seus portfólios mais sustentáveis no longo prazo. Mas até agora não foi o caso, com juros crescentes, o risco de outra desaceleração econômica e as tensões geopolíticas levando às piores perdas nos mercados de crédito desde a crise financeira global.

Os títulos ESG são um fenômeno relativamente recente e, dado o apoio dos bancos centrais durante a pandemia, eles não passaram por um ciclo de baixa adequado, disse Liberatore, que administra cerca de US$ 18 bilhões em ativos sustentáveis, incluindo títulos verdes, sociais e de sustentabilidade.

O aumento do escrutínio regulatório significa que os investidores agora precisam “enumerar e explicar” como estão implementando as estratégias ESG, acrescentou.

PUBLICIDADE

Mesmo poluidores como aeroportos e países produtores de petróleo correram para emitir notas sustentáveis como forma de reduzir os custos de empréstimos.

“Vai dar mais trabalho. Não vai ser tão simples quanto ‘vou comprar um título verde e ele terá um desempenho superior’”, disse Liberatore.

  dfd

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE