PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Ataques aéreos raros no Paquistão mostram tensão do Talibã após saída dos EUA

Briga mostra os laços complexos entre os vizinhos, que compartilham uma fronteira terrestre que se estende por mais de 2.575 km

Os ataques mortais no Paquistão aumentaram para o nível mais alto em mais de quatro anos depois que as tropas dos EUA deixaram o Afeganistão e o Talibã assumiu o poder
Por Eltaf Najafizada e Ismail Dilawar
19 de Abril, 2022 | 08:27 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Os raros ataques aéreos do Paquistão no Afeganistão no fim de semana, que mataram mais de 40 civis, mostram tensões latentes com o Talibã após a retirada dos EUA da região.

Os ataques transfronteiriços de sábado (16), os primeiros em décadas, provocaram uma resposta excepcionalmente forte do grupo militante em Cabul e um aviso de que mais ataques desse tipo provocariam retaliação. O Ministério das Relações Exteriores do Paquistão alegou apenas que entrou em conflito com membros do Tehreek-e-Taliban Paquistão, um grupo derivado conhecido como TTP que opera na fronteira entre os dois países.

PUBLICIDADE

Enquanto anteriormente o Paquistão compartilhava informações sobre militantes com as forças dos EUA no Afeganistão, que então faziam ataques de drones, agora Islamabad depende do Talibã para caçá-los, disse Gul Dad, diretor de pesquisa do Instituto Paquistanês para Estudos de Conflitos e Segurança.

“O Paquistão parece ter ficado frustrado e agora recorreu a medidas extremas”, disse ele. “O Talibã também está frustrado devido à falta de reconhecimento internacional, especialmente do Paquistão.”

A briga mostra os laços complexos entre os vizinhos, que compartilham uma fronteira terrestre porosa que se estende por mais de 2.575 quilômetros. Enquanto o Paquistão há anos abriga membros importantes do Talibã e até mesmo Osama bin Laden antes de ser morto pelos EUA, o país lutou simultaneamente contra militantes do TTP que querem estabelecer um califado islâmico em Islamabad.

PUBLICIDADE

Os ataques mortais no Paquistão aumentaram para o nível mais alto em mais de quatro anos depois que as tropas dos EUA deixaram o Afeganistão e o Talibã assumiu o poder. Na semana passada, um comboio militar paquistanês foi emboscado perto da fronteira no Waziristão do Norte, com sete soldados e quatro atacantes mortos em um tiroteio.

Ainda assim, o momento dos ataques aéreos levantou suspeitas: eles ocorreram poucos dias depois que Shehbaz Sharif assumiu o cargo de primeiro-ministro e prometeu melhorar os laços com os EUA e a Europa. Seu antecessor, Imran Khan, cortejou laços mais estreitos com a Rússia, a China e o Talibã, dizendo que o grupo militante “quebrou os grilhões da escravidão” depois que invadiu Cabul e forçou os EUA a partir rapidamente.

Em um comunicado no domingo, o Ministério das Relações Exteriores do Paquistão não reconheceu diretamente os ataques aéreos, mas disse que os ataques do Afeganistão aumentaram significativamente e Islamabad “solicitou repetidamente” nos últimos meses que o Talibã protegesse a região fronteiriça. “Os terroristas estão usando o solo afegão impunemente para realizar atividades dentro do Paquistão”, acrescentou o comunicado.

O Talibã convocou o embaixador do Paquistão em Cabul, Mansoor Ahmad Khan, para protestar contra os ataques. Os ataques levaram centenas de civis furiosos na província de Khost, no nordeste do país, a marchar e entoar slogans anti-Paquistão.

Apesar da animosidade, é improvável que a tensão aumente muito mais, de acordo com Rustam Shah Mohmand, ex-embaixador do Paquistão no Afeganistão. Ainda assim, acrescentou, os líderes do Talibã podem tentar diminuir a dependência do Afeganistão em relação ao Paquistão e continuarão a se opor a uma cerca na fronteira que está contribuindo para as tensões.

O Paquistão construiu a cerca ao longo do que é conhecido como a Linha Durand, que foi demarcada pelos britânicos na década de 1890 e dividiu as casas das tribos étnicas pashtun. O Talibã nunca reconheceu a fronteira e destruiu partes da cerca.

PUBLICIDADE

“Esta cerca de fronteira é realmente o verdadeiro pomo da discórdia”, disse Mohmand. “Os povos tribais que vivem do outro lado da fronteira Pak-Afegã estão intimamente relacionados uns com os outros e continuam se movendo aqui e ali para fins sociais e comerciais. Todos esses movimentos centenários pararam completamente.”

O TTP, ou Talibã paquistanês, matou mais de 70 mil pessoas nas últimas décadas e projetou alguns dos piores ataques terroristas do Paquistão, incluindo um contra uma escola do exército que matou 150 pessoas em Peshawar em 2014.

“A ideia de que o Talibã controlaria o TTP me parece uma ilusão”, disse Gautam Mukhopadhaya, ex-embaixador da Índia no Afeganistão, Síria e Mianmar, que atualmente é pesquisador visitante sênior do grupo de pesquisa de Nova Délhi, o Center for Policy Research. . “Laços de sangue e crença são mais fortes do que casamentos de conveniência.”

PUBLICIDADE

--Com a colaboração de Faseeh Mangi e Kamran Haider

Leia também

Salário de autônomo digital cresce 33% em meio à demanda aquecida

Donos da JBS querem criar plataforma de investimentos e serviços financeiros

Últimas BrasilAfeganistãoTaliban
PUBLICIDADE