Agro

Milho atinge US$ 8 pela primeira vez desde 2012 com escassez de oferta

Guerra na Ucrânia afetou atividade agrícola e fluxos comerciais na região, responsável por 20% das exportações mundiais

Na época, uma seca devastadora e o calor nos EUA acabaram com as colheitas
Por Kim Chipman e Megan Durisin
18 de Abril, 2022 | 01:41 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomebrg — Os futuros de milho em Chicago ultrapassaram US$ 8 por bushel pela primeira vez em quase uma década, aproximando-se de nível recorde, com a guerra ameaçando a oferta global e aumentando a demanda por grãos dos Estados Unidos.

Os preços não chegavam a US$ 8 desde setembro de 2012, após uma seca devastadora e colheitas danificadas pelo calor no meio-oeste dos EUA. Os contratos se aproximam de uma alta histórica de US$ 8,49 por bushel, alcançada no mesmo ano.

As perspectivas globais para a oferta de milho foram afetadas porque a invasão da Ucrânia pela Rússia interrompeu a atividade agrícola e os fluxos comerciais em uma região responsável por cerca de um quinto das exportações.

Isso se soma a um aumento nos custos de fertilizantes que diminui as perspectivas de plantio nos EUA, o maior exportador mundial. A demanda também está aumentando. Pela segunda semana consecutiva, o Departamento de Agricultura dos EUA relatou vendas de milho americano para a China superiores a 1 milhão de toneladas.

PUBLICIDADE

A próxima safra de milho da Ucrânia pode cair quase 40% em relação ao ano passado, disse uma associação local de grãos no início desse mês. Agricultores dos EUA estão prontos para plantar mais soja do que milho pela terceira vez, com preços recordes de fertilizantes levando produtores a se afastarem do grão.

O contrato mais ativo chegou a subir 2,5%, chegando a US$ 8,03 por bushel.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE