AO VIVO: Mariupol está ‘basicamente cercada’, mas ainda não caiu

Sirenes de ataque aéreo foram ouvidas em Kiev pelo segundo dia, com um ataque de míssil relatado nas proximidades

A Rússia continua a atacar a cidade portuária de Mariupol, de acordo com o Estado Maior das Forças Armadas Ucranianas, em meio à janela de Moscou para as tropas na cidade sitiada se renderem
Por Bloomberg News
17 de Abril, 2022 | 11:35 AM

Bloomberg — A cidade de Mariupol não caiu, mas seus defensores estão cercados por forças russas, disseram autoridades ucranianas, horas depois de Kiev alertar sobre uma possível operação de desembarque naval e ataques aéreos adicionais. Acredita-se que muitas das tropas ucranianas restantes na cidade sitiada estejam dentro da gigante siderúrgica Azovstal.

Sirenes de ataque aéreo foram ouvidas em Kiev pelo segundo dia, com um ataque de míssil relatado nas proximidades. Cinco mortes foram relatadas por bombardeios em Kharkiv. As tropas continuam a se mover de posições dentro da Rússia e da Bielorrússia em direção ao leste da Ucrânia, antes do que provavelmente será um conflito prolongado.

O papa Francisco pediu paz na Ucrânia em um sermão de Páscoa e alertou que o a guerra pode levar a um conflito nuclear. O bilionário Roman Abramovich está tentando reiniciar as negociações entre a Ucrânia e a Rússia. Autoridades ucranianas estarão em Washington para as reuniões desta semana do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial.

Veja mais atualizações no horário de Brasílai:

PUBLICIDADE

Kuleba diz que a Rússia quer ‘acabar com Mariupol’ (12h30)

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse que os defensores militares de Mariupol e um “grande grupo de civis” na cidade portuária do sul estão resistindo enquanto “basicamente cercados por forças russas”.

“A cidade não existe mais”, disse Kuleba na CBS. “Parece pela maneira como o exército russo se comporta em Mariupol, eles decidiram arrasar a cidade a qualquer custo.” O primeiro-ministro Denys Shmyhal disse na ABC que Mariupol não caiu, mas que uma “enorme catástrofe humanitária” ocorreu durante o cerco de um mês.

O prefeito de Mariupol estimou que mais de 10.000 civis, e potencialmente muitos mais, morreram. A cidade foi cortada da ajuda humanitária e teve suprimentos cada vez menores de alimentos, água e medicamentos.

PUBLICIDADE

Ucrânia buscará apoio financeiro em Washington (11h)

A Ucrânia está com um déficit orçamentário de cerca de US$ 5 bilhões por mês, disse o primeiro-ministro Denys Shmyhal antes de uma visita de autoridades financeiras ucranianas a Washington para as reuniões de primavera do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial.

As autoridades ucranianas trabalharão com gerentes do FMI, Banco Mundial e do Tesouro dos EUA em apoio ao país, disse Smyhal à ABC.

“Precisamos de mais dinheiro para executar nossas obrigações humanitárias e sociais”, disse ele. “Agora, apenas metade da nossa economia está funcionando. Por isso, pedimos apoio financeiro.”

Bombardeio contínuo em Mykolaiv, diz governador à BBC (10h48)

A cidade portuária de Mykolaiv, no Mar Negro, e áreas vizinhas estão sob ataques contínuos de foguetes desde a manhã de domingo, disse o governador da região, Vitaliy Kim, à BBC.

O porta-voz militar da região disse que os alvos incluem redes elétricas, casas e playgrounds. Mais cedo, no Telegram, Kim disse que os mísseis Kalibr interromperam o fornecimento de água e energia.

Zelenskiy quer visita de Biden (10h30)

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, disse que espera que o presidente Joe Biden visite a Ucrânia para examinar a devastação da invasão da Rússia.

“Acho que sim”, disse Zelenskiy em entrevista ao programa “State of the Union” da CNN, transmitido neste domingo (17). “É uma decisão dele, é claro, e depende da situação de segurança. Mas acho que ele é o líder dos Estados Unidos e é por isso que ele deveria vir aqui para ver.”

PUBLICIDADE

Assessores da Casa Branca disseram, depois que o primeiro-ministro britânico Boris Johnson e Zelenskiy se encontraram em Kiev em 9 de abril, que esperam enviar um alto funcionário dos EUA à Ucrânia nas próximas semanas. Embora Biden tenha dito que quer visitar, a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse que nem o presidente nem a vice-presidente Kamala Harris fariam a viagem.

Papa Francisco pede paz e alerta sobre risco nuclear (10h16)

O Papa Francisco fez um apelo no domingo de Páscoa para acabar com a invasão da Ucrânia pela Rússia e alertou para a ameaça de uma guerra nuclear.

“Que haja paz para a Ucrânia devastada pela guerra, tão duramente provada pela violência e destruição desta guerra cruel e sem sentido para a qual foi arrastada”, disse o pontífice da varanda central da Praça de São Pedro, na Cidade do Vaticano.

Francisco citou um manifesto de 1955 sobre proliferação nuclear do físico Albert Einstein e do filósofo Bertrand Russell: “‘Devemos acabar com a raça humana, ou a humanidade deve renunciar à guerra?’”

PUBLICIDADE

Fila de caminhões russos e bielorrussos na fronteira polonesa (9h30)

Enormes filas de caminhões permanecem em duas passagens de fronteira entre a Polônia e a Bielorrússia, enquanto motoristas russos e bielorrussos tentam sair da União Europeia, informou a BBC.

A partir de 9 de abril, os veículos não foram autorizados a entrar na UE, como parte das sanções impostas pela invasão da Ucrânia pela Rússia. Aqueles dentro do bloco tinham sete dias para sair - um prazo que terminou no sábado.

A linha de caminhões se estendeu por 80 quilômetros em um ponto no sábado.

UE analisará o Sberbank na próxima rodada de sanções (6h20)

A União Europeia “olhará” para o Sberbank da Rússia em sua próxima rodada de sanções sobre a guerra na Ucrânia, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ao jornal alemão Bild am Sonntag, sem fornecer detalhes.

PUBLICIDADE

“Continuamos a olhar para o setor bancário, especialmente o Sberbank, que sozinho responde por 37% do setor bancário da Rússia”, disse ela quando questionada sobre possíveis elementos de um sexto pacote de sanções.

A comissão está trabalhando em medidas que também podem incluir restrições a algumas importações e mercadorias russas de petróleo, de acordo com uma pessoa familiarizada com o trabalho.

PUBLICIDADE

Guardas de fronteira veem entrada líquida de ucranianos (5h21)

O serviço de fronteira da Ucrânia disse no sábado que mais pessoas entraram da Polônia, de outros países da UE e da Moldávia do que partiram. Foi a primeira vez que as chegadas superaram as partidas desde a invasão da Rússia em 24 de fevereiro, de acordo com uma contagem da Interfax.

As autoridades explicaram o movimento em parte como ucranianos que esperam voltar para casa na Páscoa. O prefeito de Kiev e outras autoridades alertaram os cidadãos para não se apressarem enquanto a Rússia intensifica os ataques aéreos à capital e outras regiões.

Ucrânia pausa evacuações do leste (5h11)

A Ucrânia anunciou no domingo uma pausa nas evacuações centralizadas das áreas orientais, uma vez que não conseguiu que as forças russas concordassem em interromper o fogo ao longo das rotas planejadas.

PUBLICIDADE

Kiev continua exigindo que a Rússia permita corredores humanitários abertos, inclusive de Mariupol, disse a vice-primeira-ministra Iryna Vereshchuk no Telegram. Ela acrescentou que a Ucrânia quer um corredor especial para evacuar soldados feridos da cidade portuária sitiada.

Nove corredores estavam em operação um dia antes, mas tropas russas bombardearam Lysychansk na região de Luhansk enquanto as pessoas se reuniam para sair, disse Vereshchuk no sábado. Os corredores também foram interrompidos em 13 de abril.

UE atribui mais 50 milhões de euros em ajuda humanitária (4h43)

A UE disse que alocará mais 50 milhões de euros em ajuda humanitária para as pessoas afetadas pela guerra na Ucrânia, de acordo com um comunicado do bloco no domingo.

PUBLICIDADE

Cerca de 45 milhões de euros irão para projetos na Ucrânia e 5 milhões de euros para a Moldávia, um país de cerca de 2,6 milhões de pessoas que acolheu mais de 420 mil refugiados.

A UE doou cerca de 143 milhões de euros em ajuda humanitária desde o início da guerra. Mais de 4,8 milhões de pessoas fugiram da Ucrânia desde 24 de fevereiro e milhões estão deslocados internamente.

Discussões sobre embargo ao petróleo russo estão ‘em andamento’: Von Der Leyen (3h50)

A UE está trabalhando em maneiras de adicionar um embargo de petróleo a um próximo pacote de sanções à Rússia, disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ao jornal alemão Bild am Sonntag.

PUBLICIDADE

A questão é que, como o petróleo é uma commodity comercializada globalmente, “o que não deveria acontecer é que Putin cobra preços ainda mais altos em outros mercados por suprimentos que, de outra forma, iriam para a UE”, disse von der Leyen.

A Ucrânia pediu repetidamente à Europa que pare de comprar petróleo e gás russos para cortar o fluxo maciço de fundos para Moscou. Putin disse que a Rússia pode redirecionar as exportações para o leste.

Continua o movimento de unidades russas para o leste (3h10)

Equipamentos de combate e apoio para as forças russas estão sendo transferidos da Bielorrússia, inclusive para locais próximos a Kharkiv e Severdonetsk, disse o Ministério da Defesa do Reino Unido. A artilharia russa continua a atacar posições em todo o leste da Ucrânia, onde se acredita que Moscou aumentará sua atividade ofensiva nos próximos dias.

Moscou não mudou seu “objetivo final” na Ucrânia, disse o Reino Unido, e continua comprometido em “afirmar seu próprio domínio regional”.

Embora o foco operacional da Rússia tenha mudado para o leste da Ucrânia, o objetivo final da Rússia permanece o mesmo. Está empenhado em obrigar a Ucrânia a abandonar a sua orientação euro-atlântica e afirmar o seu próprio domínio regional.

— Ministério da Defesa do Reino Unido (@DefenceHQ) 17 de abril de 2022

O Estado-Maior ucraniano disse em uma atualização matinal que as unidades russas continuam se movendo em direção ao leste da Ucrânia a partir das regiões vizinhas de Kursk, Bryansk e Voronezh. Mísseis russos atingiram “infraestrutura” em Brovary, a leste de Kiev, disse o prefeito da cidade. A Rússia disse que suas forças atingiram uma fábrica de munição lá.

Ucrânia diz que a Rússia continua a atacar Mariupol (3h01)

A Rússia continua a atacar a cidade portuária de Mariupol, de acordo com o Estado Maior das Forças Armadas Ucranianas, em meio à janela de Moscou para as tropas na cidade sitiada se renderem.

Os preparativos para um desembarque naval das forças russas parecem estar em andamento, disse a Ucrânia. A Rússia disse que poupará a vida dos soldados que se renderem a partir das 6h, horário de Moscou, com a janela definida para durar várias horas.

A Rússia também atacou a cidade de Mykolaiv, no sul, com mísseis Kalibr no domingo, interrompendo o fornecimento de água e energia, disse o governador da região no Telegram.

Rússia exige rendição dos defensores de Mariupol (19h30)

A Rússia disse que limpou todas as “áreas urbanas” de Mariupol das forças ucranianas e pediu que as tropas restantes deponham suas armas para evitar serem mortas. A Ucrânia rejeitou demandas russas semelhantes no passado.

O coronel-general Mikhail Mizintsev, chefe do Centro de Controle de Defesa Nacional da Rússia, citou uma “situação catastrófica” em Azovstal, uma grande usina siderúrgica que se tornou a última posição na defesa da cidade.

“Todos aqueles que depõem suas armas têm a garantia da preservação da vida”, disse Tass citando Mizintsev.