PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

AO VIVO: Zelenskiy diz que as negociações com a Rússia estão em beco sem saída

Primeiro-ministro ucraniano, Denys Shmyhal, e as principais autoridades financeiras visitarão Washington na próxima semana

Autoridades polonesas processaram na sexta-feira mais partidas para a Ucrânia do que chegadas de refugiados pela primeira vez desde que a invasão russa começou em 24 de fevereiro.
Por Bloomberg News
16 de Abril, 2022 | 11:43 am
Tempo de leitura: 6 minutos

Bloomberg — O bilionário Roman Abramovich está tentando reiniciar as negociações entre a Ucrânia e a Rússia, que ambos os lados dizem que estão travadas. O banco central ucraniano e autoridades financeiras irão a Washington para as reuniões da próxima semana do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial.

Bombardeios foram retomados perto de Kiev e a região de Lviv, perto da Polônia, teve o primeiro ataque com mísseis conhecido em semanas. A Rússia alertou os EUA sobre seus carregamentos de armas, de acordo com uma nota diplomática citada pelo New York Times e pelo Washington Post.

O Reino Unido disse que estradas destruídas estão dificultando a entrega de ajuda humanitária. A economia da Ucrânia pode encolher até a metade, disse o ministro das Finanças, Serhiy Marchenko.

Veja mais atualizações no horário de Brasília:

PUBLICIDADE

Áustria precisa de anos para cortar o gás russo (18h30)

A Áustria poderia encerrar as importações russas de gás natural “talvez em alguns anos”, disse o chanceler Karl Nehammer ao Meet the Press da NBC. A Áustria é 80% dependente do gás russo, então “não é possível hoje, nem amanhã”, disse ele.

Nehammer, cujo país é militarmente neutro sob um acordo de 1955 que encerrou sua ocupação pós-Segunda Guerra Mundial por forças aliadas e soviéticas, foi recebido pelo presidente russo, Vladimir Putin, em Moscou na segunda-feira. Ele disse que fez a viagem para “confrontar” Putin com evidências de assassinatos de civis em Bucha, um subúrbio de Kiev que havia sido controlado pelas forças russas.

Zelenskiy diz que a conversa com a Rússia está em beco sem saída (17h53)

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, disse que as negociações com a Rússia estão “em um beco sem saída, porque não comercializaremos nosso território e nosso povo”.

Se as forças russas cumprirem a ameaça de destruir as tropas ucranianas restantes que lutam em Mariupol, isso “poria fim” às negociações, disse ele em entrevista à mídia online ucraniana.

PUBLICIDADE

Abramovich procura iniciar as conversas (13h52)

O bilionário Roman Abramovich viajou para Kiev em uma tentativa de reiniciar as negociações de paz entre a Rússia e a Ucrânia, que pararam depois que surgiram evidências de atrocidades russas contra civis.

Abramovich se reuniu com negociadores ucranianos para discutir formas de retomar as negociações, segundo pessoas com conhecimento do assunto.

Na Rússia, Abramovich “representa o lado que apoia uma resolução diplomática e o fim da guerra”, disse o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy à mídia online. “Ninguém pode garantir que não é um jogo.”

Aliado de Putin da Ucrânia, Medvedchuk, mantido sob custódia (13h41)

Um tribunal ucraniano ordenou a detenção contínua do político amigo do Kremlin, Viktor Medvedchuk, depois que ele tentou escapar do país, de acordo com um comunicado na página do tribunal no Facebook.

Os promotores suspeitam que Medvedchuk, um magnata sancionado pelos EUA desde 2014, de alta traição e financiamento do terrorismo. Seus bens foram congelados em 2021. Ele nega qualquer irregularidade.

Medvedchuk estava em prisão domiciliar desde o ano passado, mas fugiu durante a invasão inicial da Rússia. Ele foi detido pelas forças de segurança ucranianas esta semana em um local não revelado.

PUBLICIDADE

Navios russos proibidos de entrar em portos italianos após sanções (13h14)

Navios russos não poderão ancorar nos portos italianos a partir de domingo, informou a agência de notícias Ansa. A medida faz parte do recente pacote de sanções da União Europeia contra Moscou pela invasão da Ucrânia, disse a Ansa.

A mudança também se aplica a navios que mudaram a bandeira para qualquer outra nacionalidade da Rússia depois de 24 de fevereiro, disse a Ansa. Os navios atracados na Itália devem partir o mais rápido possível.

Ministro promete que a Ucrânia vai pagar a dívida externa (9h12)

Mais de 80% da dívida que a Ucrânia tem que pagar este ano é doméstica, “que podemos cobrir facilmente” ou refinanciar, disse o ministro das Finanças, Serhiy Marchenko, em entrevista à televisão.

Ele disse que o cronograma de pagamento da dívida externa é “bastante moderado e simples”, com um pico em setembro, quando Kiev deve pagar juros de US$ 500 milhões em eurobônus. O ministro disse que a Ucrânia cortou gastos em 180 bilhões de hryvnia (US$ 6 bilhões) e precisa de US$ 5 bilhões a US$ 7 bilhões por mês para financiar seu orçamento enquanto a guerra continua.

PUBLICIDADE

A economia ucraniana pode encolher entre 30% e 50%, mas é muito cedo para fazer uma estimativa precisa, disse Marchenko, que supostamente viajará a Washington para a reunião do Fundo Monetário Internacional que começa segunda-feira.

Putin e príncipe herdeiro saudita se dizem otimistas com a Opep+, diz Kremlin (7h40)

O presidente russo, Vladimir Putin, e o príncipe herdeiro saudita, Mohammad bin Salman, fizeram uma “avaliação positiva” de sua cooperação no grupo de produtores da Opep+ para estabilizar o mercado mundial de petróleo, disse o Kremlin em comunicado no sábado.

A conversa telefônica veio por iniciativa da Arábia Saudita, disse o Kremlin, e os líderes também discutiram as situações na Ucrânia e no Iêmen. O príncipe herdeiro conversou na sexta-feira com o presidente chinês Xi Jinping e também discutiu a Ucrânia, segundo a televisão estatal.

A Arábia Saudita e outros grandes produtores de petróleo do Golfo Pérsico até agora resistiram aos pedidos dos EUA para aumentar a produção, já que os preços subiram em meio à crise na Ucrânia e às preocupações com possíveis sanções às exportações russas.

PUBLICIDADE

A Rússia capturou mais de 1.000 civis, diz oficial (7h43)

Mais da metade dos civis levados pelas forças de Moscou são mulheres, disse a vice-primeira-ministra Iryna Vereshchuk, que exigiu em um briefing televisionado que elas fossem libertadas imediatamente. “Não trocaremos militares por civis. Isso violaria as Convenções de Genebra”, disse ela.

Separadamente, a Ucrânia capturou mais de 700 soldados russos e a Rússia capturou cerca de 700 soldados ucranianos, com possibilidade de mais trocas de prisioneiros, disse ela.

PUBLICIDADE

Ucrânia e Rússia concordaram em nove corredores humanitários no sábado para evacuar civis. Em um exemplo, tropas russas bombardearam o centro de Lysychansk, na região de Luhansk, enquanto as pessoas estavam reunidas para evacuação, disse ela.

Líder lituano afasta ameaça russa no Báltico (6h38)

O presidente lituano Gitanas Nauseda exortou a Finlândia e a Suécia a se inscreverem na aliança militar da Otano mais rápido possível, disse o Financial Times.

Ele descartou as ameaças de Moscou de aumentar sua presença militar no Báltico, dizendo que a Rússia tem essas armas em Kaliningrado, uma propriedade russa encravada entre a Polônia e a Lituânia, há anos.

PUBLICIDADE

“A região de Kaliningrado é provavelmente a região mais militarizada da Europa, e as armas nucleares táticas já estão lá”, disse Neuseda. “Acho que não devemos reagir a essa retórica.”

Rússia proíbe entrada de Johnson e outros altos funcionários do Reino Unido (6h20)

A Rússia disse que estava retaliando as sanções do Reino Unido contra seus principais funcionários com proibições de entrada ao primeiro-ministro Boris Johnson e grande parte de seu gabinete.

A medida - amplamente simbólica, já que as autoridades ocidentais praticamente pararam de viajar para a Rússia desde o início da guerra - abrange uma dúzia de outras, incluindo a secretária de Relações Exteriores Liz Truss, o ministro da Defesa Ben Wallace e a ex-primeira-ministra Theresa May, disse o Ministério das Relações Exteriores. A lista será expandida em breve para incluir políticos e membros do parlamento que Moscou culpa por “alimentar a histeria anti-Rússia”, acrescentou.

PUBLICIDADE

O Reino Unido está entre os países ocidentais mais assertivos na imposição de sanções à Rússia e no fornecimento de armas à Ucrânia.

Ataque aéreo russo atinge a região de Lviv Far Western (5h06)

A Rússia fez sua primeira tentativa de ataque com mísseis na área de Lviv, no extremo oeste da Ucrânia, em cerca de duas semanas, disse o governador da região.

Maksym Kozytskiy disse no Telegram que aviões SU-35 russos decolaram do aeródromo de Baranovichi, na Bielorrússia. O sistema de defesa aérea da Ucrânia derrubou quatro mísseis de cruzeiro, disse ele, sem oferecer detalhes sobre danos ou vítimas.

PUBLICIDADE

O Ministério da Defesa da Rússia reivindicou ataques durante a noite contra alvos militares, incluindo perto de Odesa e Mykolaiv no sul e Poltava no centro da Ucrânia, informou a Interfax, mas não mencionou Lviv.

Mais ucranianos voltam pela fronteira da Polônia (4h53)

Autoridades polonesas processaram na sexta-feira mais partidas para a Ucrânia do que chegadas de refugiados pela primeira vez desde que a invasão russa começou em 24 de fevereiro. Houve 24.400 chegadas em cruzamentos com a Ucrânia em comparação com 25.100 que partiram.

À medida que as forças terrestres russas se reúnem para um ataque esperado na região leste de Donbas, mais ucranianos estão retornando às áreas de onde as tropas se retiraram.

As autoridades alertaram contra a pressa, especialmente devido às ameaças russas de intensificar os ataques à capital. O prefeito de Kiev, Vitali Klitschko, alertou no sábado contra o retorno por enquanto.