Internacional

Alemanha frustra plano no Telegram para sequestro ministro da Saúde

Quatro cidadãos alemães foram presos na quarta-feira (13) em 20 locais do país, junto com apreensão de armas e munições

"Isso mostra que os protestos contra as medidas da pandemia não apenas se radicalizaram, mas agora são mais do que apenas o coronavírus”
Por Ian Rogers
14 de Abril, 2022 | 01:00 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Autoridades alemãs disseram que frustraram uma trama coordenada em um chat radical anti-establishment do Telegram conhecido como “Patriots United”, que envolvia ataques à infraestrutura de energia e sequestro de figuras públicas, incluindo o ministro da Saúde, Karl Lauterbach.

Quatro cidadãos alemães foram presos na quarta-feira (13) em 20 locais em toda a Alemanha e a polícia também apreendeu armas, munições, dinheiro, barras de ouro e moedas de prata, disse o departamento criminal da Renânia-Palatinado em comunicado conjunto nesta quinta-feira (14).

O objetivo dos membros do grupo de bate-papo, que estão ligados aos protestos contra as restrições da pandemia e rejeitam a autoridade do Estado, era desencadear condições de guerra civil e destruir o sistema democrático, segundo o comunicado.

“Isso mostra que os protestos contra as medidas da pandemia não apenas se radicalizaram, mas agora são mais do que apenas o coronavírus”, disse Lauterbach, membro do Partido Social Democrata do chanceler Olaf Scholz, a repórteres.

PUBLICIDADE

Lauterbach disse que ficou “perturbado” com os relatos da trama, mas prometeu não deixar que isso atrapalhe seu trabalho para combater a covid-19. A Alemanha ainda registra várias centenas de mortes na maioria dos dias, embora as unidades de terapia intensiva não estejam sob a mesma pressão das fases anteriores e ainda mais mortais da pandemia.

“Esta é uma pequena minoria na sociedade que é muito perigosa e temos que ter cuidado”, acrescentou. “Podemos lutar por isso, mas a violência nunca é a resposta.”

A secretária do Interior, Nancy Faeser, disse que o grupo representa uma “séria ameaça terrorista” e condenou o que chamou de “extremistas violentos e negadores do coronavírus” que foram “radicalizados no Telegram”.

“Isso mostra como é importante agir de forma decisiva contra ameaças extremistas e terroristas nesta plataforma”, disse ele em comunicado por e-mail. “Continuaremos com essa abordagem difícil.”

PUBLICIDADE

Em janeiro, Faeser levantou a possibilidade de encerrar o serviço de mensagens Telegram devido a preocupações sobre seu uso como plataforma para grupos extremistas que realizam manifestações às vezes violentas contra as políticas de pandemia do governo.

Leia também

A saga continua: Bradesco ganha liminar e trava recuperação judicial do Hopi Hari

PUBLICIDADE