Mercados

Ações do Twitter oscilam sem Musk no conselho

Ações da empresa apagaram boa parte dos ganhos acumulados na última semana, quando o bilionário anunciou sua participação

Bilionário detém cerca de 9% da empresa
Por Giles Turner
11 de Abril, 2022 | 08:54 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — As ações do Twitter (TWTR) caíram depois que Elon Musk decidiu não se juntar ao conselho, após especulações de que a pessoa mais rica do mundo poderia assumir o controle da plataforma de mídia social.

Após negociações com a administração, Musk decidiu não se juntar ao conselho do Twitter no fim de semana em uma reviravolta dramática que também encerra um acordo anterior para manter sua participação em no máximo 14,9%.

As ações do Twitter chegaram a cair 7% no pré-mercado desta segunda-feira (11) em Nova York. A queda apaga parte de uma semana de ganhos depois que Musk revelou que havia adquirido uma participação na empresa, e os investidores pareciam acolher seu investimento.

Nesta tarde, no entanto, os papéis recuperaram terreno e eram negociados com ganhos de 2,7% às 14h30 em Nova York (15h30 em Brasília).

PUBLICIDADE

Musk, já o maior acionista do Twitter, agora está livre para aumentar sua participação e pressionar por mudanças na empresa como investidor ativista, o que também gerou especulações de que ele pode estar interessado em adquirir a empresa. Quaisquer mudanças significativas em seu investimento – a partir de 1% – terão de ser divulgadas.

Se Musk deseja assumir o controle total do Twitter, ele pode apresentar uma oferta hostil pela empresa e levar sua oferta diretamente aos acionistas. As ações do Twitter subiram um terço depois que Musk revelou sua posição no início do mês, tornando qualquer participação cada vez mais cara.

Seria difícil, mas não impossível, para Musk acumular uma grande participação no Twitter sem ser detectado. A Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos está propondo novas regras para impedir que fundos de hedge e escritórios familiares usem derivativos complexos para secretamente acumular grandes participações em empresas de capital aberto – os tipos de negócios que alimentaram o colapso da Archegos Capital Management.

Atualmente, o patrimônio de Musk é de cerca de US$ 260 bilhões de acordo com o Bloomberg Billionaires Index, em comparação com a avaliação de mercado do Twitter de cerca de US$ 37 bilhões.

PUBLICIDADE

Ao ficar de fora do conselho, Musk evita o possível conflito de interesses que pode surgir quando um membro do conselho tem vários interesses financeiros que podem influenciar a forma como ele vota.

O bilionário por trás da Tesla (TSLA) e da SpaceX fez uma enxurrada de sugestões (via Twitter) para mudanças no modelo de negócios da empresa, incluindo transformar sua sede em São Francisco em um abrigo para sem-teto, adicionar um botão de edição para tweets e até conceder selos automáticos de verificação para usuários premium.

Um dos usuários mais prolíficos do Twitter, Musk sempre protagonizou conflitos na plataforma. Ele criticou o Twitter por “não aderir aos princípios da liberdade de expressão” e a necessidade de erradicar os golpes de criptomoeda na plataforma de mídia social cofundada por seu amigo Jack Dorsey.

A confusão sobre o que Musk pode ter planejado para seu investimento no Twitter aumentou ainda mais na segunda-feira, após a exclusão sem explicação de seu tweet de um único emoji – um rosto sorridente com a mão na boca – como resposta ao anúncio do CEO do Twitter Parag Agrawal de que Musk não tomaria seu assento no conselho.

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

(atualizado às 15h38 com cotações mais recentes)

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE