PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Euro sobe após alívio com resultado de Macron no 1º turno na França

Investidores temiam uma disputa mais acirrada e uma onda de apoio à rival Marine Le Pen

Euro sobe após alívio com resultado de Macron no 1º turno
Por Albertina Torsoli, Sagarika Jaisinghani e Greg Ritchie
10 de Abril, 2022 | 05:31 pm
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — A liderança acima do esperado de Emmanuel Macron no primeiro turno das eleições presidenciais francesas trouxe alívio imediato aos mercados preocupados com a vitória de sua rival nacionalista Marine Le Pen.

O euro subiu no início das negociações de Sydney, com a abertura dos mercados de câmbio durante a semana, depois que as primeiras estimativas mostraram que Macron tinha uma participação de quase 29% nos votos. Essa foi uma boa notícia para os investidores, que temiam uma disputa mais acirrada e uma onda de apoio à rival. Futuros de ações europeias, ações francesas e até títulos italianos podem se inspirar nos resultados quando esses mercados abrirem na segunda-feira.

PUBLICIDADE

Apesar da flutuação do euro, os mercados podem continuar cautelosos por mais duas semanas, já que Macron e Le Pen buscam construir uma coalizão mais ampla de eleitores. A vitória do titular ainda não é certa, especialmente porque alguns traders temem que os votos de candidatos como Jean-Luc Melenchon e Eric Zemmour possam ir para Le Pen.

“Os números são bastante encorajadores”, disse Andrea Cicione, chefe de pesquisa da TS Lombard, por telefone após as estimativas da pesquisa. “Há uma lacuna significativa entre Macron e Le Pen. Então, se isso for transferido para o segundo turno, parece um bom desenvolvimento para os mercados, especialmente os mercados de títulos.”

O euro subiu 0,5%, para US$ 1,0936, depois de cair para o menor patamar em um mês na sexta-feira. Para que os ganhos se sustentem, os investidores estarão atentos a sinais de que o presidente de 44 anos possa consolidar sua vantagem e afastar a ameaça de uma vitória de Le Pen.

PUBLICIDADE

O rendimento dos títulos de 10 anos da França subiu para o maior nível em sete anos na semana passada, devido a preocupações de que Le Pen, com simpatias de longa data pela Rússia, possa assumir o poder no meio da guerra na Ucrânia.

“Macron tem uma vantagem confortável e isso é reconfortante”, disse Alexandre Baradez, analista-chefe de mercado da IG France. “Ele ainda não venceu e a campanha será difícil nas próximas duas semanas. Mas espero que esse resultado, se confirmado, seja levemente positivo para o Índice CAC 40.”

Riscos políticos

Investidores e estrategistas continuaram divididos sobre o que os resultados de domingo realmente significam. Enquanto alguns se confortaram com a liderança de Macron, outros apontaram para a possibilidade ainda viva de que Le Pen possa consolidar votos anti-Macron antes da rodada final de 24 de abril. A primeira pesquisa após os resultados deu a ele apenas uma margem estreita de 51% a 49% sobre Le Pen no segundo turno.

Os votos combinados de Melenchon, Zemmour e Le Pen mostraram que este foi um “voto de raiva” contra o atual governo, disse John Plassard, diretor da Mirabaud & Cie.

PUBLICIDADE

“A esquerda e a direita se foram”, disse ele por telefone. “Agora é uma escolha entre continuidade, com Macron, e os extremos. É um choque para a política francesa. O índice CAC não entrará em colapso amanhã, mas espero um pouco de pressão sobre ações e títulos também por causa disso.”

As ações francesas, incluindo os credores BNP Paribas SA (BNP) e Société Générale SA (SOCGEN), foram prejudicadas na semana passada, com pesquisas mostrando que a liderança de Macron diminuiu.

PUBLICIDADE

Os traders de ações estarão observando para ver como receberão os resultados de domingo, com Macron obtendo 28,1%-28,6% dos votos, contra 23,6%-24,1% de Le Pen. A margem foi maior do que as pesquisas na corrida para a votação haviam previsto.

O euro caiu 1,5% na semana passada em relação ao dólar, atingindo seu nível mais baixo desde os estágios iniciais da invasão da Ucrânia pela Rússia. O sentimento negativo no mercado de opções estava próximo dos níveis vistos antes das eleições francesas de 2017, embora isso também reflita o hedge sobre a guerra na Ucrânia, inflação e política monetária.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

O presidente Emmanuel Macron deve enfrentar sua rival nacionalista Marine Le Pen no turno final da eleição francesa, segundo projeções de empresas de pesquisa após a votação inicial de domingo.

PUBLICIDADE

Macron obteve cerca de 29% dos votos em comparação com cerca de 24% para Le Pen, de acordo com projeções de pesquisas com base em resultados parciais. O líder de extrema esquerda Jean-Luc Melenchon ficou em terceiro com cerca de 20%.

Os dois principais candidatos irão para um segundo turno em 24 de abril em uma reprise da disputa de 2017 para decidir quem liderará a segunda maior economia da Europa.

PUBLICIDADE

Um aumento tardio no apoio a Le Pen concentrou a atenção no risco político francês e os investidores estarão atentos nas próximas duas semanas em busca de sinais de que o presidente de 44 anos pode consolidar sua vantagem.

O rendimento dos títulos de 10 anos da França subiu para o maior patamar em sete anos na semana passada devido a preocupações com a perspectiva de um nacionalista com simpatias de longa data pela Rússia tomar o poder no meio da guerra na Ucrânia.

PUBLICIDADE

Para Le Pen, de 53 anos, as projeções sugerem um resultado recorde que consolidaria sua posição como líder da extrema-direita na França e continuaria o avanço do movimento que começou com seu pai há 20 anos. Também mostram que as profundas divisões que surgiram quando eles se enfrentaram cinco anos atrás só pioraram.

Mesmo que Macron seja reeleito, ele enfrentará desafios claros para promover suas reformas econômicas e sociais e pode ter dificuldades para defender a maioria nas eleições legislativas marcadas para junho.

PUBLICIDADE

Ambos os candidatos se beneficiaram da impotência do Partido Socialista de centro-esquerda e dos republicanos de centro-direita, que implodiram quando Macron emergiu para dominar o centro político há cinco anos.

Le Pen demonstrou resiliência durante esta eleição, mas também foi ajudada diretamente pelo rival Eric Zemmour, um ex-jornalista de TV condenado três vezes por discurso de ódio, que a fez parecer mais moderada. Ele ficou em quarto lugar com cerca de 7%

Macron só começou a fazer campanha há cerca de uma semana. Depois que a Rússia invadiu a Ucrânia no final de fevereiro, ele mudou seu foco da política doméstica para os assuntos internacionais, apresentando-se como uma figura de estadista em tempos turbulentos. Mas, à medida que a preocupação dos eleitores de que a guerra engoliria toda a região começou a desaparecer, o mesmo aconteceu com a onda de apoio que havia empurrado a popularidade de Macron para 51%.

Quando Macron voltou sua atenção para a eleição, Le Pen havia se apresentado como a defensora das pessoas comuns e enquadrou a reputação de Macron como o “presidente dos ricos”.

Muito depende agora do debate presidencial marcado para 20 de abril.

Le Pen é conhecida por seu desempenho desastroso ao confrontar Macron durante a campanha de 2017 e tem trabalhado com conselheiros para garantir que ela esteja melhor preparada desta vez. Mas o presidente é um oponente forte, conhecido por sua memória fotográfica e capacidade de evitar perguntas difíceis com respostas longas e complicadas.

--Com assistência de James Regan, Tara Patel e Angelina Rascouet.

Veja mais em bloomberg.com