Elon Musk quer provocar o Twitter até ficar entediado
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg Opinion — Elon Musk quer comprar o Twitter. Elon Musk quer influenciar o Twitter. Elon Musk quer provocar o Twitter até ficar entediado. É difícil saber o que está dentro da cabeça do CEO da Tesla, Elon Musk, que se tornou o maior acionista do Twitter e depois rejeitou um assento no conselho, em uma reviravolta no sábado (9). A previsão mais realista sobre suas ações futuras veio do CEO do Twitter, Parag Agrawal, na noite de domingo (10): “Haverá distrações à frente”.

Manter Musk no conselho significava que o bilionário só poderia causar problemas dentro do Twitter em um espaço com restrições rígidas: a participação de 9% de Musk não poderia ultrapassar 14,9%. Ele seria um membro classe II até 2024, impedindo-o de assumir o conselho da empresa. Não apenas Musk não seria capaz de assumir o Twitter, como provavelmente também não teria muito impacto no serviço, já que influenciar as decisões de produtos de dentro do conselho é notoriamente difícil.

PUBLICIDADE

Esnobar um assento no conselho vai contra a forma como os acionistas ativistas costumam operar. A Elliott Management, que possui uma grande participação no Twitter, pressionou para substituir o CEO, Jack Dorsey, em 2020, e nomeou quatro diretores para o conselho para exercer mais influência.

Mas Musk não segue caminhos convencionais. Ele pode simplesmente twittar uma ideia de produto para seus 80 milhões de seguidores durante um fim de semana e fazer com que o Twitter acelere as mudanças que podem ou não estar em andamento.

PUBLICIDADE

Se comprar 9% do Twitter foi um jogo de poder capitalista, rejeitar um assento no conselho foi uma jogada de mestre nesta era das redes social. Musk se colocou em uma posição em que agora pode comprar muito mais ações [1]. Ele pode impulsionar a empresa em termos de ideias de produtos com o apoio de milhões de usuários do Twitter. Ele agora está livre para aumentar sua participação em até 51% e se tornar acionista majoritário. Ele poderia lançar uma oferta hostil.

Então, por que as ações do Twitter foram negociadas com baixa de 7% na manhã de segunda-feira (11), eliminando os ganhos da empolgação com o investimento de Musk? É mais provável que os investidores não tenham comprado a ideia. Nem eu.

PUBLICIDADE

A única coisa que sabemos com certeza sobre Elon Musk é que ele é imprevisível. Mas vou me arriscar a fazer uma previsão de qualquer forma: Musk provavelmente não vai adquirir o Twitter. Influenciar uma empresa é muito mais divertido para alguém como Musk do que ser responsável por ela como proprietário majoritário. A história também mostra que Musk não compra empresas. Ele as constrói do zero.

Quando se trata de ativos já no mercado – pense em Dogecoin, Bitcoin, GameStop ou Etsy – ele tende a falar sobre eles e inflar seu valor, antes de perder o interesse e seguir em frente.

PUBLICIDADE

Quando Musk twittou que “meio que ama o Etsy” em janeiro do ano passado, as ações saltaram 9%. Naquele mesmo dia, ele twittou “Gamestonk!!” e as ações da GameStop subiram 60%. No mês seguinte, a Etsy havia caído 17%, a GameStop cerca de 87%.

Musk é ótimo em atrair a atenção para ativos negociáveis, polvilhando-os com sua marca única de pó de fada que atrai legiões de novos fãs. Mas ele não é bom em imbuir esses ativos com valor de longo prazo.

Quanto ao Twitter, sabemos que é uma outra história. Musk gastou cerca de US$ 3 bilhões para se tornar o maior acionista da empresa de mídia social e parece ter tido sérias discussões com sua administração.

Mas como alguém que repetidamente torceu o nariz para a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, ele não seria a pessoa adequada para orientar um negócio de mídia social, que envolve cada vez mais estar em conformidade com novas regras de formuladores de políticas da Europa e de outros lugares.

A julgar por seus tweets, o interesse de Musk no Twitter parece mais voltado para influenciar a empresa em uma direção que se adapte à sua visão de mundo ideológica, que, apesar de sua brilhante e engenhosa mente, inclui uma compreensão distorcida do que significa liberdade de expressão.

Ele, por exemplo, propagou erroneamente a noção de que o Twitter é uma “praça pública” obrigada a proteger a liberdade de expressão. Como empresa privada, não. Em seu próprio negócio, ele confundiu a liberdade de expressão com o discurso ofensivo, dizendo aos trabalhadores negros para serem “casca grossa” em relação à linguagem racista na fábrica da Tesla na Califórnia. Ele twittou um meme comparando o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, com Adolf Hitler em fevereiro passado.

Em março, enquanto silenciosamente acumulava compartilhamentos no Twitter, Musk entrevistou seus seguidores com uma pergunta carregada sobre liberdade de expressão. Esse tipo de discussão é importante à sua maneira, mas nada disso é útil para o Twitter como empresa. Postar pesquisas insanas para milhões de fãs é uma distração, como Agrawal disse com razão, não uma maneira inteligente de orientar um produto na internet.[2]

Na melhor das hipóteses, Musk está trollando a administração do Twitter. Na pior das hipóteses, ele quer pressionar a empresa a afrouxar seus padrões de moderação, dando-lhe mais liberdade para twittar sobre qualquer tópico – da GameStop à Tesla e SpaceX – que tenha ou precise de sua atenção. Em algum lugar no meio, ele está transformando o Twitter em um estoque de memes voláteis que dancem conforme a sua música e acompanhem seu estado de espírito. Se a história sugere alguma coisa, é mais provável que Musk cause problemas para a empresa do que apresente uma proposta real.

[1]Ele tem que divulgar quaisquer alterações iguais a 1% ou mais.

[2]Embora Musk tenha levantado pontos razoáveis sobre como melhorar a capacidade do Twitter de ganhar dinheiro, como dar a todos que se inscreverem no serviço de assinatura do Twitter uma marca de verificação “verificada”, ele também sugeriu transformar a sede do Twitter em um abrigo para moradores de rua.

Parmy Olson é colunista da Bloomberg Opinion e escreve sobre tecnologia. Já escreveu para o Wall Street Journal e a Forbes e é autora de “We Are Anonymous.”

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

– Esta coluna foi traduzida por Marcelle Castro, Localization Specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Elon Musk: Contas verificadas para assinantes do Twitter Blue e zero anúncios