PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
ESG

Gender gap: mulheres são 15% dos mais bem pagos em bancos de Londres

Dados apontam que mulheres ganham menos de 60 centavos de libra para cada libra no salário de um homem

Mulheres representam 20,5% dos mais bem pagos quando analisado o setor financeiro como um todo
Por Damian Shepherd
10 de Abril, 2022 | 07:06 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os bancos de investimento de Londres estão sofrendo para diminuir a disparidade salarial entre homens e mulheres, com as mulheres representando menos de um quinto dos maiores salários.

As executivas financeiras representavam, em média, apenas 15,5% do quartil superior de renda em uma amostra de 10 unidades de renda fixa no coração financeiro de Londres, segundo dados do governo levantados até 5 de abril de 2021. O número ficou só um pouco acima da média de 14,9% de 2020.

PUBLICIDADE

A proporção é pior que os 20,5% do setor financeiro como um todo, de acordo com análise da Bloomberg News de relatórios apresentados ao governo do Reino Unido. Esse é um lembrete de como os setores mais bem pagos das finanças continuam sendo particularmente dominados por homens.

  dfd

O Morgan Stanley (MS) teve a menor proporção de mulheres no quartil mais alto: 10,9%. O Goldman Sachs (GS) teve a maior, com 22,4%. O quadro é complicado porque algumas empresas relatam dados separados para subsidiárias. O JPMorgan Securities, por exemplo, tinha 15,4% de mulheres na faixa salarial mais alta, em comparação com 30,2% no JPMorgan Europe.

A diferença é gritante mesmo quando se examina os salários médios nas 10 unidades - abordagem que elimina o impacto dos que ganham mais. Sob essa ótica, as funcionárias destes bancos ficaram com um déficit de ganho por hora trabalhada de 34%, contra 35% no ano anterior.

PUBLICIDADE

Em geral, houve uma diferença média de 44,1% entre os ganhos por hora masculinos e femininos, em comparação com 44,5% relatado no ano anterior. Isso significa que as mulheres ganharam cerca de 56 centavos de libra para cada libra paga aos homens.

  dfd

O relatório de diferenças salariais entre homens e mulheres tornou-se obrigatório no Reino Unido em 2017 e ofereceu uma visão sobre até que ponto os ganhos das mulheres estão atrás dos homens. A defasagem quase não mudou nos cinco anos desde então.

Os dados também fornecem uma visão de como a pandemia pode ter prejudicado a igualdade salarial. Os lockdowns colocaram as mulheres e outros grupos sub-representados em maior risco de reveses na carreira e desemprego, em parte porque eram mais propensos a deixar seus empregos para cuidar de crianças.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também