Finanças pessoais

Mulheres avançam na gestão de fortunas com mudança demográfica e social

Chefe global de gestão de patrimônio do Goldman Sachs afirma que está direcionando produtos e serviços para atender demanda feminina

“Uma das maiores mudanças demográficas que vemos nas fortunas são as mulheres ganhando mais dinheiro e administrando mais dinheiro”
Por John McCorry e Romaine Bostick
09 de Abril, 2022 | 02:01 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — As mulheres estão administrando uma parcela crescente dos investimentos de famílias ricas nos EUA graças a uma série de mudanças sociais, de acordo com a chefe global de gestão de patrimônio privado do Goldman Sachs (GS).

“Uma das maiores mudanças demográficas que vemos nas fortunas são as mulheres ganhando mais dinheiro e administrando mais dinheiro”, disse Meena Lakdawala-Flynn em entrevista à Bloomberg Television.

Vimos um aumento significativo no número de mulheres que estão administrando os assuntos financeiros de suas famílias e mulheres que enriquecem

Meena Lakdawala-Flynn, chefe global de gestão de patrimônio privado do Goldman Sachs

“As mulheres tendem a se casar dois anos mais velhas que os homens e vivem cinco anos mais do que seus cônjuges, portanto, um diferencial de sete anos. Essa primeira passagem de riqueza vai do marido para a mulher.”

A gestora de patrimônio está cada vez mais direcionando seus produtos e serviços para as mulheres para dar conta dessa mudança demográfica.

PUBLICIDADE

“Também vimos um aumento significativo no número de mulheres que estão administrando os assuntos financeiros de suas famílias e mulheres que enriquecem”, disse Lakdawala-Flynn. “Onde vemos uma mudança demográfica significativa é em termos de atender mais clientes do sexo feminino.”

Em outros comentários, ela diz que, embora os clientes se preocupem com a mais alta inflação nos EUA em décadas e risco de recessão mais para frente, “não estamos vendo uma ampla redução de risco em nossas carteiras de clientes nem recomendamos isso”.

Como hedge de inflação, ela sugere empréstimos a taxas flutuantes e crédito privado, entre outros negócios.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Últimas BrasilInvestimentosgestão de recursos
PUBLICIDADE