Mercados

Petróleo sancionado se acumula na costa chinesa com lockdowns

Comércio de óleo mais barato sofre as consequências pela piora do surto do vírus, com tempos de espera para descarregar navios aumentando

Kpler estima que a demanda diária de petróleo cairá em pelo menos 450.000 barris em abril
Por Bloomberg News
07 de Abril, 2022 | 09:01 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Petroleiros que transportam 22 milhões de barris de petróleo russo, iraniano e venezuelano estão se aglomerando ao longo da costa chinesa, segundo a Kpler, enquanto o país enfrenta um surto de vírus que mina a demanda e causa problemas logísticos.

A China tem sido um dos únicos compradores de petróleo sancionado iraniano e venezuelano nos últimos anos. A maior importadora de petróleo do mundo também ainda compra suprimentos russos que estão sendo amplamente evitados desde a invasão da Ucrânia.

Esse comércio de petróleo mais barato está agora sendo interrompido pela piora do surto do vírus, com tempos de espera para descarregar navios aumentando.

A Kpler estima que a demanda diária de petróleo cairá em pelo menos 450.000 barris em abril, principalmente devido à queda no consumo de gasolina e combustível de aviação, de acordo com Jane Xie, analista sênior de petróleo da empresa de dados e análise em Singapura.

PUBLICIDADE

“Os bloqueios em curso na China estão definitivamente tendo um enorme impacto na mobilidade do país e na consequente demanda de petróleo”, disse ela. “Há também gargalos logísticos.”

O atual gargalo se compara a cerca de 10 milhões de barris de petróleo da Rússia, Irã e Venezuela que estavam na costa chinesa no início do ano, segundo a Kpler. A demanda aparente de petróleo da China era, em média, cerca de 13,7 milhões de barris por dia em janeiro e fevereiro antes do recente surto de Covid, segundo cálculos da Bloomberg com base em dados oficiais.

O tempo médio de espera para navios nos portos chineses aumentou para 5,85 dias, contra 4,46 na semana passada. Para os navios Suezmax, que podem conter até 1 milhão de barris de petróleo, a espera aumentou para 15 dias.

Outra empresa de análise, a Vortexa, disse que há cerca de 16 milhões de barris de petróleo iraniano e venezuelano em petroleiros ao longo da costa da China.

PUBLICIDADE

Há, no entanto, 10 navios de tamanho aframax - que podem transportar cerca de 100.000 toneladas de petróleo cada - do extremo leste da Rússia que indicavam a China como destino na primeira metade deste mês, de acordo com Emma Li, analista da Vortexa. Essas cargas provavelmente seriam compradas antes da invasão da Ucrânia, disse ela.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Casa de apostas da Suécia mira Brasil antes da regulação de jogos de azar

Startups tentam diminuir ‘abismo logístico’ entre asfalto e favela

PUBLICIDADE