Internacional

Nestlé defende permanência na Rússia afirmando que comida é ‘direito básico’

“Mas, mesmo em tempos de guerra, acreditamos que os valores e princípios universais devem continuar a ser aplicados”, disse o CEO da Nestlé, Mark Schneider

Depois de muita pressão a Nestlé decidiu manter apenas a venda de produtos essenciais na Rússia, como fórmula infantil e de nutrição
Por Corinne Gretler
07 de Abril, 2022 | 08:33 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A Nestlé disse que o acesso a alimentos é um “direito básico” e um “valor fundamental”, após críticas de que a empresa não reduziu suas atividades na Rússia com rapidez suficiente depois do início da guerra na Ucrânia.

Com o aumento da pressão, a Nestlé disse em 23 de março que suspendeu a maioria de suas atividades na Rússia, mantendo apenas a venda de produtos essenciais, como fórmula infantil e nutrição.

“Para alguns, pode ter parecido que a Nestlé não estava ouvindo com atenção suficiente, ou que não estávamos agindo rápido o suficiente em resposta aos eventos atuais”, disse o CEO Mark Schneider em discurso na assembleia geral anual virtual da empresa. “Mas, mesmo em tempos de guerra, acreditamos que os valores e princípios universais devem continuar a ser aplicados.”

Schneider falou sobre as pressões que as empresas, incluindo a Nestlé, têm enfrentado para ir além das sanções internacionais e deixar o mercado russo. Autoridades ucranianas, incluindo o próprio presidente Volodymyr Zelenskiy, chamaram a atenção da Nestlé e de Schneider por continuarem as operações na Rússia, provocando uma onda de críticas e pedidos de boicotes nas redes sociais.

PUBLICIDADE

“Nos encontramos empurrados pela política global como em nenhum outro momento na história recente”, disse Schneider.

A fabricante do chocolate KitKat e do café Nespresso agora suspendeu a maior parte de sua produção no país.

– Esta notícia foi traduzida por Melina Flynn, content producer da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

OMS se prepara para possível ataque de armas químicas na Ucrânia

ONU suspende Rússia do Conselho de Direitos Humanos apesar de abstenções