Cripto

Ex-WeWork e bilionário veem Bitcoin como melhor forma de manter riqueza

Marcelo Claure e Ricardo Salinas Pliego admitem ser entusiastas das criptomoedas

No evento, Claure afirmou que a criptomoeda é provavelmente o único investimento cujo potencial de ganhos é maior que o de perdas
07 de Abril, 2022 | 05:58 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Línea — Alguns bilionários que movimentam seu dinheiro e alocam ativos em criptomoedas certamente terão grandes oportunidades para manter sua riqueza - pelo menos é assim que podemos resumir a mesa redonda com Marcelo Claure, ex-chairman do WeWork, o bilionário mexicano Ricardo Salinas Pliego e Orlando Bravo, entre outros, ocorrida durante o Bitcoin 2022 – conferência sobre a criptomoeda em Miami.

“Estamos começando a considerar o Bitcoin (BTC) uma das maneiras mais seguras de mantermos nossa riqueza”, disse o investidor Marcelo Claure à platéia. “Mas, mais importante, é provavelmente o único investimento que existe hoje no qual o potencial de ganhos é muito maior que o de perdas”.

Nesse sentido, o bilionário mexicano Salinas Pliego (dono da varejista Elektra, da TV Azteca e do banco Azteca, entre outras empresas), sugeriu evitar a clássica alocação de ativos 60-40 (60% em ações e 40% em títulos) e focar mais na liquidez.

Ambos os defensores do Bitcoin participaram de um painel chamado “Billionaire Capital Allocators”.

PUBLICIDADE

“Eu não tenho nenhum título. Tenho uma carteira líquida (…) – tenho 60% em Bitcoin e ações de Bitcoin e 40% em ações de ativos como petróleo e gás e mineração de ouro”, disse Salinas. De acordo com o Bloomberg Billionaires Index, Salinas Pliego ocupa o terceiro lugar entre os mais ricos do México, com de US$ 12,8 bilhões.

O empresário mexicano tem sido um campeão do Bitcoin, tanto no México quanto no exterior. No ano passado, sua rede de varejo Elektra começou a aceitar Bitcoin como pagamento.

Salinas anunciou sua decisão no Twitter:

Os rumores são reais, a @ElektraMx é a primeira varejista no México a permitir pagamento com #bitcoin. Desculpe por voltar a ter vantagem sobre a concorrência.

PUBLICIDADE

Além disso, na semana passada, Salinas defendeu o presidente de El Salvador, Nayib Bukele, do que ele chamou de interferência dos Estados Unidos na política de criptomoedas da América Central.

Todos que amam a liberdade deveriam apoiar sua corajosa postura @nayibbukele. É completasmente inaceitável que os EUA interfiram dessa forma em El Salvador.

Esperava-se que o próprio Bukele participasse da conferência Bitcoin 2022, mas ele cancelou devido ao que chamou de “imprevistos” em seu país, que nas últimas semanas foi assolado por uma onda de crimes e dezenas de assassinatos por gangues violentas, levando Bukele a declarar um toque de recolher em todo o país.

Revolução B

De acordo com Claure, que deixou o SoftBank no final de janeiro após disputa com o fundador da empresa, Masayoshi Son, a respeito da remuneração, o mundo dos investimentos está passando por uma nova era que ele chama de “Revolução do Bitcoin”. O termo veio depois de momentos em sua carreira que Claure chamou de “Revolução do Celular” e “Revolução da IA” que ele viu enquanto trabalhava na Sprint, a empresa de telecomunicações que ele vendeu para o SoftBank.

“Deixei meu emprego no Softbank para aprender mais e começar a colocar todo o meu conhecimento nessa nova revolução que estamos vendo, e gosto de chamá-la de Revolução Bitcoin”, disse Claure.

Promoção por imprimir dinheiro

Salinas deixou uma mensagem aos bancos centrais e aos tesouros dos países, que estão acostumados a imprimir dinheiro e, assim, contribuir para a hiperinflação.

PUBLICIDADE

A hiperinflação realmente prejudica dois tipos de pessoas”, disse Salinas, referindo-se às pessoas que contam com suas economias ao longo da vida para se aposentar e aos pobres, que não possuem nenhum ativo.

“Pessoas que dependem de suas economias são atingidas em cheio (…) e o outro tipo de pessoas que são muito prejudicadas pela hiperinflação são as pessoas pobres porque não têm bens (…); então isso não é legal, e deveríamos poder identificar o responsável, porque se saíssemos por aí imprimindo dinheiro, seríamos presos por falsificação, certo? Outros são promovidos ao Tesouro”.

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Leia também

Alejandro Angeles

Alejandro Angeles (EN)

Journalist with more than 20 years of experience in digital and print media. I have worked for Forbes Mexico, The New York Times, Yahoo, HuffPost, Milenio, El Universal and CNNMéxico, as well as Grupo Expansión. I studied English Literature at UNAM.