O presidente do Real Madrid, Florentino Perez, sabe como derrotar rivais poderosos para vencer competições comerciais.
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg Opinion — Um negócio que combina exposição de curto prazo a uma recuperação nas viagens com proteção de longo prazo contra os estragos da inflação provavelmente atrairá muito interesse. Isso deve ser o presságio de uma disputa acirrada entre os grandes licitantes que desejam comprar a Atlantia, gigante italiana de infraestrutura apoiada pela família bilionária Benetton. Mas alguns dos protagonistas já têm um reputação quando se trata de evitar leilões complexos.

Florentino Perez, o magnata da construção e presidente do clube de futebol Real Madrid, está se unindo à empresa americana de aquisição, Global Infrastructure Partners e com a Brookfield Asset Management. A Bloomberg News divulgou a informação na quarta-feira (6). O consórcio enfrenta a concorrência do colosso do mundo das aquisições, a Blackstone.

PUBLICIDADE

A Atlantia possui características atraentes relacionadas a infraestrutura: fluxos de caixa previsíveis, vinculados à inflação e vinculados a contratos governamentais de longo prazo. As ações subiram acentuadamente à medida que a preocupação com o aumento dos preços ao consumidor se intensificou (esta também é uma ação pouco negociada, facilmente movida pela especulação). Embora a pandemia tenha restringido a receita da aviação e das rodovias, a questão de investimento de longo prazo é evidente.

O governo italiano forçou a Atlantia a vender sua participação majoritária na Autostrade per l’Italia, a operadora italiana de rodovias com pedágio, após o desabamento da ponte Morandi, em 2018, que resultou em mortes. Uma parceria entre a Blackstone, a Macquarie Asset Management e o banco postal da Itália concordou em comprá-la, e Atlantia em breve receberá mais de 8 bilhões de euros em receitas. Ajuste para isso e um acordo para o portfólio encolhido da Atlantia é mais acessível do que parecia à primeira vista.

PUBLICIDADE

Para Perez, este é um negócio familiar. O principal ativo da Atlantia é a Abertis, operadora de rodovias espanholas que ela possui em conjunto com a Actividades de Construccion y Servicios, o grupo de construção listado em Madri liderado por ele. Perez fez uma oferta contra o Atlantia pela Abertis em 2017 e, posteriormente, forçou os Benettons a uma parceria em vez de tentar vencê-los. A ACS disse na quarta-feira (6) que tinha um acordo exclusivo com a GIP e a Brookfield para receber uma participação majoritária no negócio de concessões rodoviárias da Atlantia, o que implica que o plano do consórcio é dividir os ativos entre eles, em vez de possuir tudo em conjunto.

Quanto à Blackstone, um acordo seria a continuação natural do investimento da Autostrade.

PUBLICIDADE

Calcular o preço imperturbável de referência de uma transação não é fácil, dada a recente alta nas ações da Atlantia. Uma aquisição com um prêmio padrão de 30% sobre o preço médio das ações de três meses até 5 de abril custaria cerca de 22 euros por ação. A meta média dos analistas para as ações é de 19,39 euros. O tamanho não é obstáculo: não haverá escassez de fundos de infraestrutura ansiosos para se envolver como parceiros de ambos os lados.

Uma questão-chave é se os Benettons procuram rolar sua participação minoritária em qualquer veículo de oferta enquanto outros acionistas sacam dinheiro, novamente reduzindo o custo de uma aquisição. O acordo deles parece fundamental para uma transação. A Blackstone teria que estruturar um acordo para ser independente da propriedade que já têm dos fundos da Autostrade. Mesmo assim, pode ser controverso estabelecer uma ligação indireta com os Benetton logo após a tragédia de Gênova.

PUBLICIDADE

O risco para os acionistas da Atlantia é que essa situação siga as linhas de outras situações de negócios envolvendo esses compradores e culmine em alguma forma de oferta conjunta. Assim como Perez e Atlantia optaram por compartilhar a Abertis em vez de lutar pela propriedade exclusiva, a GIP e a Blackstone decidiram não competir por um negócio de reabastecimento de jatos particulares listado no Reino Unido, no ano passado, e se associaram em uma oferta conjunta.

Para a Itália, a situação é um teste de seu compromisso com os mercados livres. Os ativos da Atlantia estão em grande parte fora do país. Ainda assim, a empresa está entre as principais empresas italianas listadas e é improvável que os políticos desejem ver seu desmembramento. Isso pode ser uma vantagem para a Blackstone, se pretender manter a Atlantia intacta, especialmente se os Benettons também quiserem manter a empresa como está. Ainda não está claro, contudo, se existem duas ofertas concorrentes em condições de serem apresentadas.

A diretoria da Atlantia tem um trabalho difícil pela frente. Deve principalmente garantir que qualquer transação deixe a empresa com um proprietário responsável, que não sobrecarregue esses ativos críticos com alavancagem. E o que quer que a Benetton queira, ela deve lembrar que seu dever é para com todos os acionistas, e isso significa tentar conseguir o melhor preço para qualquer saída. Realizar o leilão pode ser mais difícil do que parece.

Chris Hughes é um colunista da Bloomberg Opinion que cobre negócios. Ele trabalhou anteriormente para a Reuters Breakingviews, bem como para o Financial Times e o jornal Independent.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

– Esta coluna foi traduzida por Marcelle Castro, Localization Specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também