Mercados

Alta do dólar contra moedas globais pode estar chegando ao fim

Euro e libra, que estavam sendo negociados em direção às mínimas, conseguiram reduzir as perdas

Alta do dólar contra moedas globais pode estar chegando ao fim
Por Vassilis Karamanis
07 de Abril, 2022 | 10:47 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A alta do dólar contra as principais moedas desde o final de maio pode finalmente ter chegado a um ponto de exaustão.

Os mercados monetários na quarta-feira precificaram pela primeira vez mais 2,25 pontos percentuais de aumentos nas taxas de juros do Federal Reserve até o final de 2022, o ritmo mais acentuado de aperto desde 1994.

A última ata do FOMC detalhou o plano do Fed de encolher seu balanço patrimonial em mais de US$ 1 trilhão por ano.

O Bloomberg Dollar Spot Index avançou pelo quinto dia na quarta-feira, mas fechou perto do ponto médio de seu intervalo intradiário.

PUBLICIDADE

Ao mesmo tempo, o euro e a libra, que estavam sendo negociados em direção às mínimas do ciclo, conseguiram reduzir as perdas e fechar apenas um pouquinho mais baixos no dia.

As reversões de risco de um mês no Bloomberg Dollar Spot Index, um barômetro do posicionamento e sentimento do mercado, não conseguiram subir acima do pico de 18 de março e permaneceram bem longe das máximas do ciclo.

Pode ser que o dólar tenha esgotado o suporte de um Fed ultrahawkish e precise de fatores exógenos para estender sua alta. E de acordo com o DeMark TD Sequential, um indicador técnico, o dólar está prestes a cair.

A chamada Sell Countdown foi concluída na quarta-feira no gráfico diário. Normalmente, seguindo esse sinal, espera-se que o preço caia.

PUBLICIDADE

Desde o início da pandemia, o DeMark TD Sequential formou uma contagem regressiva cinco vezes e conseguiu capturar a reversão de tendência em todos os momentos, exceto um. Resta saber se o sinal mais recente realmente marcará um recuo para a moeda americana.

  dfd
  • NOTA: Vassilis Karamanis é um estrategista de câmbio e juros que escreve para o blog Markets Live da Bloomberg. As observações que ele faz são suas e não se destinam a ser um conselho de investimento.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE