PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cripto

Para onde vai o Bitcoin? Criptomoeda recua em meio a conflitos regulatórios

A principal criptomoeda do mundo iniciou o mês de abril em queda diante de receios sobre uma nova lei para sua regulamentação na Europa

Principal criptomoeda do mundo não foi a única a cair da noite para o dia
Por Joanna Ossinger
01 de Abril, 2022 | 07:26 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O Bitcoin (BTC) voltou ao topo de uma faixa que o definiu até agora em 2022, depois de encontrar resistência em um nível técnico-chave e em meio a algumas preocupações sobre uma possível regulamentação.

A maior moeda digital interrompeu a maior parte de sua perda após cair até 3,3% nesta sexta-feira (01), para US$ 44.252 depois de caminhar em direção à média móvel de 200 dias no início desta semana. Perto das 19h20 (horário de Brasília), o Bitcoin estava sendo negociado a US$ 46.316, com alta de 0,34%.

PUBLICIDADE

“O Bitcoin e outros ativos digitais caíram da noite para o dia devido a uma mistura de fatores”, disse Hayden Hughes, CEO da plataforma de negociação social Alpha Impact. “Tecnicamente, os mercados estavam entrando em território de valorização intensa e, mesmo diante de uma alta, esperamos recuos ao longo do caminho.”

Hughes e Edul Patel, CEO e cofundador da plataforma de negociação de ativos digitais Mudrex, também citaram um plano apoiado na quinta-feira (31) por um painel do Parlamento Europeu em que as transações da criptomoedas seriam regulamentadas com exigências de que as transferências financeiras carregassem informações sobre as identidades dos pagadores e seus beneficiários.

“Embora isso não proíba interações com outras carteiras, como a Metamask, isso causará atrito significativo aos usuários”, disse Hughes.

PUBLICIDADE
Bitcoin está encontrando resistencia en su media móvil de 200 díasdfd

A dinâmica do mercado também pode ser um problema, de acordo com o JPMorgan Chase & Co. (JPM), que vê a participação das stablecoins no valor de mercado das criptomoedas como um indicador de potencial para altas ou quedas. Os ativos são tokens que normalmente são atrelados a moedas tradicionais como o dólar.

“A participação de stablecoins no valor total do mercado de criptomoedas não parece mais excessiva e, como resultado, acreditamos que qualquer vantagem adicional para os mercados de criptomoedas daqui provavelmente seria mais limitada”, escreveram em nota os estrategistas do JPMorgan liderados por Nikolaos Panigirtzoglou. “Esta participação está atualmente abaixo de 7%, o que a traz de volta à sua tendência vista em 2020.”

Outro fator que causou oscilações na criptomoeda foi uma entrevista com a senadora norte-americana Elizabeth Warren, crítica da indústria cripto, no programa “Meet the Press Reports” da NBC News Now. Ela disse apoiar mais esforços para criar uma moeda digital do banco central americano, o Federal Reserve, e comparou os mercados de criptomoedas a bolhas de ativos no passado.

“Todo o mundo digital funcionou como uma bolha”, disse Warren. “E isso continua subindo com base em quê? Com base na produção adicional? Não. Com base no fato de ter demonstrado que resolveu todos esses outros problemas e agora está sendo usado exponencialmente em áreas onde antes não era usado? Não mesmo.”

Warren disse ainda que “isso aumentou com o fato de que todas as pessoas dizem umas às outras que seria um bom investimento”.

– Esta notícia foi traduzida por Melina Flynn, content producer da Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Dólar cai a R$ 4,66 e Ibovespa retoma 121 mil pontos, maior patamar desde agosto

Mercado de SPAC acumula frustração com retornos ruins nos EUA

BitcoinÚltimas Brasilcripto
PUBLICIDADE