PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Bolsa inicia abril em alta, com impulso de blue chips e exterior positivo

Dados de emprego medidos pelo Payroll sólido nos Estados Unidos ajudam no bom humor externo

Na cena doméstica, o mercado segue acompanhando os desdobramentos da tentativa do governo Bolsonaro de promover reajustes a servidores e a greve de funcionários do Banco Central
01 de Abril, 2022 | 11:00 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — O Ibovespa (IBOV) abriu as negociações do primeiro pregão de abril no azul, em uma sessão de alta das blue chips e dos índices acionários no exterior.

As ações dos Estados Unidos abriram em alta e os rendimentos do Tesouro subiram, após o relatório do Payroll trazer um número sólido de criação de empregos nos EUA, o que pode fortalecer o caso do Federal Reserve de usar aumentos agressivos das taxas de juros para combater a inflação.

PUBLICIDADE

O S&P 500 subia e a curva de juros dos EUA estendeu seu recente achatamento, à medida que os investidores avaliavam as perspectivas econômicas em meio ao aperto da política monetária e à guerra da Rússia na Ucrânia. O dólar ganhou com as folhas de pagamento dos EUA ligeiramente abaixo das expectativas e a taxa de desemprego de março caiu para 3,6%.

“Embora o relatório de trabalho de hoje tenha sido um pouco mais brando do que o esperado, ele ainda mostra um mercado de trabalho fumegante”, disse Seema Shah, estrategista-chefe da Principal Global Investors, à Bloomberg News. “Os vestígios finais da covid-19 estão perto de serem totalmente erradicados dos dados econômicos dos EUA – a taxa de desemprego está apenas um pouco acima do nível pré-pandemia e o número de pessoas em demissão temporária está de volta ao que era antes de março de 2020.”

  • Perto das 10h45, o Ibovespa subia 1,10%, a 121.367 pontos
  • O dólar caía 0,80%, a R$ 4,70, assim como os vencimentos dos juros. O DI para janeiro de 2023 caía de 12,725% para 12,700%
  • Nos EU, o Dow Jones subia 0,24%, o S&P 500, 0,13%, e o Nasdaq, 0,04%

Contexto

Os investidores começam um novo trimestre se perguntando se os combates na Ucrânia, o isolamento da Rússia e a virada cada vez mais agressiva do Fed gerarão ainda mais volatilidade e perdas para ações e títulos. As matérias-primas são a única classe de ativos-chave a apresentar grandes ganhos até agora em 2022, já que as ações globais terminaram o trimestre com sua primeira perda desde o mercado baixista da pandemia.

PUBLICIDADE

Os preços do petróleo caem ainda mais na sexta-feira, já que o Reino Unido deve se juntar aos EUA na liberação de mais petróleo de suas reservas como parte de um esforço conjunto para baixar os preços e reduzir a dependência dos suprimentos russos. A Gazprom PJSC da Rússia começou a dizer aos clientes como pagar o gás em rublos. Enquanto isso, os líderes da União Europeia planejam dizer ao presidente chinês Xi Jinping em uma cúpula virtual que a China prejudicará sua estatura global se der à Rússia uma tábua de salvação econômica ou militar.

Na cena doméstica, o mercado segue acompanhando os desdobramentos da tentativa do governo Bolsonaro de promover reajustes a servidores e a greve de funcionários do Banco Central.

Mais cedo, o IBGE divulgou os dados da produção industrial de fevereiro, com alta de 0,07% em relação ao mês anterior. O Instituto revisou o resultado de janeiro, com ajuste de um recuo de 2,4% para uma queda de 2,2%.

Na comparação anual, o resultado de fevereiro de 2022 registrou uma queda de 4,3% em relação ao mesmo mês de 2021.

(Com informações de Bloomberg News)

Leia também

PUBLICIDADE

Xi deixa investidores curiosos com a reunião misteriosa do Politburo

Mundo subestima impacto da guerra, diz economista da OCDE

Últimas BrasilBloomberg LíneaIbovespaJurosDólar
Kariny Leal

Kariny Leal

Jornalista carioca, formada pela UFRJ, especializada em cobertura econômica e em tempo real, com passagens pela Bloomberg News e Forbes Brasil. Kariny cobre o mercado financeiro e a economia brasileira para a Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE