PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Petróleo sobe à espera de cúpulas da Otan e da União Europeia

Investidores aguardam reunião entre líderes que decidem sobre suspensão de petróleo russo

O West Texas Intermediate para entrega em maio subia 0,9%, para US$ 110,21 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York às 4h50, horário de Brasília
Por Sharon Cho
23 de Março, 2022 | 08:05 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os preços do petróleo subiam antes de uma enxurrada de encontros diplomáticos de alto nível, que podem trazer novas restrições à Rússia frente à guerra na Ucrânia, que completa quase um mês.

O West Texas Intermediate (WTI) atingia US$ 110 por barril depois de perder os ganhos iniciais da terça-feira (22). Os líderes da União Europeia e da Otan devem se reunir em Bruxelas na quinta para reforçar a resposta à crise. Antes das reuniões, o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, disse que os EUA e seus aliados devem impor mais sanções a Moscou.

PUBLICIDADE

À medida que o conflito se arrasta, mais usuários estão evitando o petróleo russo. Na Europa, a TotalEnergies disse que deixará de comprar petróleo e diesel do país até o final do ano.

O petróleo foi impulsionado pela invasão da Rússia, penalidades de retaliação e o fato de que grande parte da indústria está efetivamente se auto-sancionando. A possibilidade de a UE conter o petróleo russo foi levantada, embora membros, incluindo a Alemanha, se oponham. Sullivan disse que Biden anunciará uma ação conjunta sobre segurança energética e medidas para reduzir a dependência da Europa do gás natural russo.

“O mercado está definitivamente atento às discussões que estão acontecendo na Europa”, disse Daniel Hynes, estrategista sênior de commodities do Australia & New Zealand Banking. “Será um divisor de águas se a UE fortalecer as sanções para incluir o petróleo russo”

PUBLICIDADE

Preços do petróleo

  • O West Texas Intermediate para entrega em maio subia 0,9%, para US$ 110,21 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York às 4h50, horário de Brasília.
  • O Brent para liquidação de maio avançava 1,1%, para US$ 116,75 o barril na bolsa ICE Futures Europe.

Com muitos compradores evitando o petróleo russo, o principal teor dos Urais do país caiu, enquanto alguns embarques de abril foram cancelados. Isso aumenta os sinais de pressão no mercado de petróleo do país.

No entanto, alguns fluxos russos ainda estão encontrando receptores. As refinarias da Índia pegaram vários carregamentos de petróleo dos Urais este mês, enquanto os processadores privados da China estão mirando no leste da Rússia.

Os mercados de petróleo permanecem severamente atrasados, um padrão de alta caracterizado por preços de curto prazo sendo negociados acima dos de longo prazo. O spread imediato do Brent - a diferença entre seus dois contratos mais próximos - foi de US$ 3,74 por barril, acima dos US$ 2,38 de uma semana atrás e de US$ 41 centavos no início do ano.

Também no mercado físico, um importante oleoduto cazaque-russo pode ser forçado a reduzir os embarques através de um terminal vital do Mar Negro em até 1 milhão de barris por dia durante várias semanas devido aos danos causados por uma tempestade. Nos EUA, enquanto isso, o American Petroleum Institute, financiado pela indústria, disse que os estoques de petróleo caíram 4,3 milhões de barris na semana passada, segundo pessoas familiarizadas com os dados.

Os comerciantes também estão de olho em uma onda ômicron que se espalha pela China, com lockdowns impostos em algumas áreas. O país registrou 4.594 novas infecções diárias no início desta semana, no aumento mais significativo desde o surto inicial.

“Os lockdowns na China estão criando muita incerteza em relação à demanda”, disse Hynes.

PUBLICIDADE

Leia também

CEO do Goldman Sachs será DJ no Lollapalooza de Chicago

Goldman Sachs vê Fed subindo juro em 0,50 ponto em maio e junho

PUBLICIDADE