PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Madeleine Albright, que chamou Putin de ‘frio como um réptil’, morre nos EUA

Considerada grande dama da política externa do Partido Democrata, Madeleine Albright foi a 1ª mulher a servir como secretária de Estado

Madeleine Albright
Por Nancy Moran e Ethan Bronner
23 de Março, 2022 | 08:53 pm
Tempo de leitura: 8 minutos

Bloomberg — Madeleine Albright, a primeira mulher a servir como secretária de Estado dos EUA e uma grande dama da política externa do Partido Democrata, que escreveu livros, atuou em conselhos de think tanks e alertou sobre o risco do fascismo na era Donald Trump, morreu. Ela tinha 84 anos.

Ela morreu na quarta-feira, de acordo com um comunicado de sua família postado na conta de Albright no Twitter. A causa foi câncer.

PUBLICIDADE

Nomeada pelo presidente Bill Clinton em 1996, na metade de sua presidência de dois mandatos, Albright se tornou a mulher do mais alto escalão do governo dos EUA na época. Como principal diplomata dos Estados Unidos, ela teve que usar forças à medida que o conflito em Kosovo se transformava em limpeza étnica. Isso era consistente com a linha dura que ela havia pressionado durante a Guerra da Bósnia, quando era embaixadora de Clinton nas Nações Unidas.

Mais tarde, ela descreveu o genocídio de Ruanda em 1994 e o fracasso em alcançar um acordo de paz no Oriente Médio como seus maiores arrependimentos.

“A coragem e a dureza de Madeleine ajudaram a trazer a paz aos Balcãs e abriram caminho para o progresso em alguns dos cantos mais instáveis do mundo”, disse o presidente Barack Obama ao conceder a Albright a Medalha Presidencial da Liberdade, a mais alta honraria civil do país, em 2012.

PUBLICIDADE

Respondendo às notícias de sua morte, o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, disse a repórteres: “O impacto que ela teve neste prédio é sentido todos os dias. Ela foi pioneira como a primeira secretária de Estado e literalmente abriu as portas para um grande elemento de nossa força de trabalho.”

Em um comunicado, Clinton chamou Albright de “um ser humano extraordinário” e com “uma força apaixonada pela liberdade, democracia e direitos humanos”.

Broches expressivos

Com 1,5 metro de altura, Albright era famosa por ternos bem cortados enfeitados com broches, variando de balões a animais carnívoros e escolhidos para refletir um humor ou uma opinião. Depois de saber que os russos haviam grampeado uma sala de conferências perto de seu escritório no Departamento de Estado, por exemplo, ela usou um broche em forma de um enorme inseto.

A estatura e o estilo de Albright desmentiam uma habilidade de negociação dominante. Quando Yasser Arafat abandonou as negociações de Paris em 2000, Albright disse aos guardas na residência do embaixador para “fechar os portões!” Como embaixadora da ONU, ela respondeu à derrubada de duas aeronaves Cessna desarmadas por Cuba em 1996: “Isso é covardia”.

Em uma coluna de opinião publicada em 23 de fevereiro no New York Times, pouco antes de as forças russas invadirem a Ucrânia, Albright mirou diretamente o presidente russo, Vladimir Putin. Ela revelou que enquanto voava de volta para Washington após seu primeiro encontro com Putin em 2000, ela gravou suas observações sobre ele: “Putin é baixinho e pálido, parece um repetil de tão frio”.

“Em vez de pavimentar o caminho para a grandeza da Rússia”, escreveu ela na coluna, “invadir a Ucrânia garantiria a infâmia de Putin ao deixar seu país diplomaticamente isolado, economicamente aleijado e estrategicamente vulnerável diante de uma aliança ocidental mais forte e unida”.

PUBLICIDADE

Em entrevista ao programa “The Close”, da Bloomberg Television, Leon Panetta, chefe de gabinete da Casa Branca sob Clinton, lembrou Albright como “uma guerreira da Guerra Fria” que havia sido “criada para entender o que era o comunismo e qual era a ameaça da Rússia.” Thomas Pickering, que serviu sob Albright como subsecretário para assuntos políticos, disse em entrevista ao “Sound On” da Bloomberg Radio: “Ela tinha pouco amor, eu diria, pela Rússia, e esse ceticismo e suspeita sobre a Rússia vieram ser mais verdadeiro do que acho que qualquer um de nós tinha motivos para acreditar quando trabalhei para ela.”

Herança Judaica

Uma emigrante que fugiu da Tchecoslováquia no início da Segunda Guerra Mundial apenas para descobrir sua própria herança judaica mais de meio século depois, Albright testemunhou em primeira mão o deslocamento daqueles considerados indesejáveis.

“No final, ninguém que viveu os anos de 1937 a 1948 era estranho à profunda tristeza”, escreveu Albright em “Prague Winter”, seu relato pessoal do período. “Milhões de inocentes não sobreviveram e suas mortes nunca devem ser esquecidas.”

PUBLICIDADE

Albright nasceu Marie Jana Korbel em 15 de maio de 1937, em Praga, uma dos três filhos de Josef Korbel, um diplomata, e antes Anna Spieglova. (A declaração da família sobre sua morte deu seu sobrenome como Korbelova.) Quando o exército alemão chegou em 1939, a família foi para o exílio em Londres.

No final da guerra, eles retornaram a Praga, mudando-se vários meses depois para Belgrado, onde seu pai serviu como embaixador. Aos 10 anos, Albright foi enviada para um internato na Suíça.

Quando o Partido Comunista assumiu o controle da Tchecoslováquia em 1948, seu pai aceitou um cargo em uma comissão da ONU sobre a Caxemira. Os Korbels ficaram em Nova York. Àquela altura, Albright falava quatro idiomas: tcheco, servo-croata, inglês e francês.

Três filhas

Ganhando asilo político em 1949, eles se mudaram para Denver, onde seu pai se tornou professor na Universidade de Denver. Ela conheceu seu futuro marido, Joseph Medill Patterson Albright, durante um trabalho de verão no Denver Post. Eles se casaram em 1959, no mesmo ano em que ela se formou em ciências políticas pelo Wellesley College, em Massachusetts. Eles tiveram três filhas - Anne, Alice e Katharine - antes do casamento terminar com um divórcio.

PUBLICIDADE

Católica que se tornou episcopal no casamento, Albright soube de sua ascendência judaica – juntamente com a morte de mais de uma dúzia de parentes, incluindo três avós no Holocausto – em 1997, aos 59 anos.

Em sua autobiografia de 2003, “Madam Secretary”, ela disse sobre seus próprios pais: “Meu palpite é que eles associaram nossa herança ao sofrimento e queriam nos proteger. Eles vieram para a América para começar uma nova vida.”

Albright obteve um Ph.D. em direito público e governo pela Universidade de Columbia, onde estudou com Zbigniew Brzezinski, futuro conselheiro de segurança nacional do presidente Jimmy Carter. Ela também ganhou um certificado em estudos russos.

Em 1976, Albright tornou-se a principal assessora legislativa do senador Ed Muskie, do Partido Democrata do Maine. Dois anos depois, Brzezinski recrutou sua ex-aluna como representante do Congresso do Conselho de Segurança Nacional.

PUBLICIDADE

Conselheira de candidatos

Quando os republicanos chegaram ao poder, ela lecionou na Universidade de Georgetown e aconselhou os democratas em política externa, incluindo os candidatos presidenciais Walter Mondale e Michael Dukakis. Em 1989, tornou-se presidente do centro de reflexão sobre políticas públicas do Conselho de Segurança.

Com a vitória de Clinton em 1992, ela se tornou representante permanente dos EUA na ONU. Em 1995, quando cerca de 8.000 muçulmanos bósnios foram massacrados em Srebrenica nas mãos de sérvios bósnios, Albright apresentou evidências de valas comuns ao Conselho de Segurança. Com as lições de Ruanda ainda frescas na mente, ela defendeu o uso da força. Após o bombardeio de um mercado de Sarajevo em agosto, teve início a maior missão da Organização do Tratado do Atlântico Norte levando aos Acordos de Dayton, que puseram fim à guerra.

Quando Warren Christopher, primeiro secretário de Estado de Clinton, anunciou seu plano de retornar ao setor privado, Albright foi indicada como sua sucessora. O Senado dos EUA confirmou por unanimidade sua nomeação.

PUBLICIDADE

Guerra de Madeleine

Albright buscou o uso da força novamente em Kosovo, onde em 1998 havia começado uma guerra civil. Apelidada de “Guerra de Madeleine”, a OTAN entrou em combate pela segunda vez em sua história, lançando ataques aéreos em março de 1999 sem a aprovação do Conselho de Segurança.

“Madeleine Albright é alguém que cresceu aprendendo as lições de Munique, o perigo de apaziguar ditadores, e ela sente que precisamos dessa política externa mais assertiva para não recuar diante de pessoas como Milosevic”, disse o historiador Walter Isaacson à CNN em a maio de 1999. Em junho, as tropas de Slobodan Milosevic começaram a se retirar de Kosovo.

Seus esforços para uma paz israelo-palestina não foram tão bem sucedidos. “As pessoas perguntam sobre minha maior decepção como secretária. Foi isso”, disse ela em seu livro de memórias.

Albright também apoiou a expansão da OTAN e pressionou o Iraque a encerrar seu bloqueio aos inspetores de armas da ONU. Quando o Iraque não obedeceu, os EUA e a Grã-Bretanha lançaram uma série de ataques aéreos conhecidos como Operação Raposa do Deserto.

PUBLICIDADE

Visita à Coreia do Norte

Em outubro de 2000, ela se tornou a mais bem colocada representante dos Estados Unidos para fazer uma visita oficial à Coreia do Norte, encontrando-se com o presidente Kim Jong Il. “Estou triste em dizer que o governo Bush não pegou as cartas que deixamos na mesa lá”, disse Albright na MSNBC em 2013.

Após sua carreira no governo, Albright retornou a Georgetown como professora. Em 2005, ela fundou a consultoria de investimentos em mercados emergentes Albright Capital Management LLC dentro de sua consultoria Albright Group. Ela combinou a empresa com a Stonebridge International em 2009 para formar o Albright Stonebridge Group, com sede em Washington, uma empresa global de estratégia de negócios.

Além de sua autobiografia e “Prague Winter”, Albright escreveu livros best-sellers, incluindo “Read My Pins: Stories From a Diplomat’s Jewel Box” de 2009.

Mesmo em seus 80 anos, a defesa de Albright dos ideais da democracia permaneceu forte. A ascendência de líderes autoritários era “uma ameaça mais séria agora do que em qualquer momento desde o fim da Segunda Guerra Mundial”, escreveu ela em um ensaio de 2018 no Times que coincidiu com a publicação de seu livro “Fascism: A Warning”. Ela acrescentou: “A possibilidade de que o fascismo tenha uma nova chance de se exibir no cenário mundial é reforçada pela presidência volátil de Donald Trump”.

PUBLICIDADE

Ela liderou a organização não governamental National Democratic Institute for International Affairs e o Pew Global Attitudes Project. Ela também atuou no Conselho de Políticas de Defesa do Pentágono e nos conselhos do Instituto Aspen, Centro para o Progresso Americano e Conselho de Relações Exteriores.

--Com a ajuda de Nick Wadhams.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE