PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro

Guerra muda cara do comércio global de commodities agrícolas

Preocupação com abastecimento doméstico faz com que países exportadores restrinjam vendas externas, em momento de quebras de safra no mundo

Comércio internacional de commodities agrícolas muda com guerra entre Rússia e Ucrânia
23 de Março, 2022 | 02:04 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — A guerra entre Rússia e Ucrânia começa a mudar a cara do comércio internacional de commodities agrícolas. Análise do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) indica que países no entorno do conflito, como Bulgária e Hungria, reduziram ou suspenderam as exportações de grãos devido ao risco de desabastecimento interno. Adicionalmente a esse cenário, o comprometimento da atual safra da Ucrânia em decorrência da guerra contra a Rússia tem trazido incertezas quanto à oferta de diversos produtos, como milho e trigo, em especial para o mercado europeu.

“Como consequência, os preços dos ativos energéticos, metálicos e grãos sofreram fortes altas em março. Enquanto isso, as demais soft commodities, como açúcar, café, cacau e até mesmo a carne bovina, interromperam a sequência de altas, revertendo em queda, devido a sua menor essencialidade em um cenário de conflitos”, diz o Ipea em comunicado.

PUBLICIDADE

Veja mais: Participação do agronegócio no PIB é a maior em 17 anos

Apesar do cenário de incerteza, a balança comercial brasileira do agronegócio apresentou um saldo positivo em fevereiro e no primeiro bimestre do ano. O setor encerrou o mês passado com superávit na balança comercial, de US$ 9,3 bilhões, crescimento de 78,8% frente a fevereiro de 2021 e de 20,8% frente a janeiro de 2022, segundo o Ipea.

Os US$ 10,5 bilhões exportados pelo setor correspondeu a 45,9% do total exportado pelo Brasil, enquanto as importações representaram apenas 6,6%, ou US$ 1,2 bilhão, aumento de 64,5% e 2,0%, respectivamente, frente ao mesmo mês do ano anterior. “O resultado do agronegócio contribuiu de forma positiva e decisiva para a balança comercial total, que considera os produtos de todos os setores, encerrando fevereiro com superávit de US$ 4 bilhões”, diz o Ipea.

PUBLICIDADE

Veja mais: Guerra na Ucrânia espalha fome e reduz rações alimentares da ONU

Além da alta nos preços das commodities, outro fator que contribuiu para o aumento no valor das exportações do agronegócio foi o volume exportado. Dos quinze produtos acompanhados pelo Grupo de Conjuntura da Dimac do Ipea, dez apresentaram alta na quantidade exportada.

Assim como as exportações, as importações do agronegócio em fevereiro também apresentaram alta (2%). O destaque foi para o trigo, com crescimento de 10,9% em quantidade e de 26,5% em valor. A alta nos preços internacionais do cereal, observada principalmente após o início da guerra entre a Ucrânia e a Rússia, tem contribuído para um clima de incerteza quanto à oferta do grão.

Veja mais: Segurança alimentar: Guerra na Ucrânia causa pânico sobre escassez de alimentos

Segundo o Ipea, o resultado da balança comercial de fevereiro reforça a tendência de alta em valor nas exportações do agronegócio observada já em janeiro de 2022. “A maior parte das commodities agropecuárias vem apresentando recuperação nos preços”, diz o relatório do Ipea.

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDADE