Negócios

Recuperação judicial: como andam casos de Latam, Oi, Saraiva e Hopi Hari

Aérea chilena espera sair do Capítulo 11 no segundo semestre; Oi e Saraiva também avançam; Hopi Hari sofre revés

Latam avança no Tribunal dos EUA e pode começar a votar seu Plano de Reorganização
22 de Março, 2022 | 09:46 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — No Brasil, empresas como Latam, Oi, Saraiva e Hopi Hari enfrentam processos de recuperação judicial nos últimos anos, que despertaram a atenção da mídia brasileira, mas não são os únicos casos no país.

Na B3, há 16 companhias abertas em recuperação com ações negociadas: Bardella, Eternit, Fertilizantes Heringer, Hotéis Othon, IGB, Inepar, João Fortes, Lupatech, Oi, Pet Manguinhos, Pomifrutas, Renova, Saraiva Livraria, Tecnosolo, Teka e Wetzel.

No ano passado, duas companhias deixaram essa lista da Bolsa: as construtoras e incorporadoras Viver (agosto) e a PDG Realty (outubro), que conseguiram superar o processo de recuperação judicial.

Veja mais: Credores da Samarco adiam assembleia e apostam em negociação

PUBLICIDADE

Fora do mercado acionário, o comércio é hoje o setor que mais concentra pedidos de recuperação judicial, segundo o Indicador de Falências e Recuperação Judicial da consultoria Serasa Experian.

O mês de fevereiro deste ano registrou 55 solicitações de recuperação judicial. Desse total, 23 foram pedidos feitos por empresas do comércio, seguidas pelas do setor de serviços (21), indústria (8) e primário (3). No mês passado, os pedidos de falências caíram de 84 para 62, segundo a Serasa.

Acompanhe como estão alguns processos de recuperação judicial

Latam

O grupo chileno do setor aéreo e suas afiliadas no Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Peru e EUA esperam iniciar o processo de votação do plano de reorganização nas próximas semanas, a fim de buscar sua aprovação. Haverá uma audiência de confirmação na Justiça americana nos dias 17 e 18 de maio, quando a Corte avaliará o plano de reorganização. A Latam espera sair do Capítulo 11 durante o segundo semestre de 2022

PUBLICIDADE

Oi

O grupo de telecomunicações espera o encerramento da recuperação judicial no segundo trimestre deste ano, o que deve viabilizar sua sobrevivência no mercado. No mês passado, o Cade, órgão antitruste, autorizou a venda de ativos de telefonia móvel da Oi para a Claro, TIM e Vivo, em uma sessão marcada por questionamentos de players menores e entidade do consumidor. A companhia está em recuperação judicial desde 2016

Saraiva

O grupo, que foi a maior rede de livrarias do Brasil, avançou neste mês em seu processo. A securitizadora Travessia apresentou proposta para arrematar os direitos creditórios da recuperanda e sua loja do shopping Ibirapuera, em São Paulo. Aguarda-se a realização do leilão de venda de ativos. Desde 2018, a Saraiva está em recuperação judicial. No dia 7, os credores aprovaram a nova versão do plano de recuperação judicial

Hopi Hari

O maior parque de diversões do estado de São Paulo teve seu plano de recuperação judicial homologado pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, em fevereiro deste ano, mas sofreu um revés neste mês, após a União contestar pagamento de débitos tributários da ordem de R$ 370 milhões. A companhia não reconhece esse valor (apenas R$ 170 milhões) e cumpre prazo para apresentar defesa às autoridades

Leia também

Ata do Copom confirma intenção de mais uma alta de 1% da Selic

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE