Mercados

Rali recorde do alumínio antecipa plano de expansão da CBA

Negociação a preços altos por aperto na oferta e alto custo de energia fizeram deste o timing perfeito para antecipar a medida

Aluminio
Por Mariana Durao e Vinícius Andrade
16 de Março, 2022 | 05:06 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A decisão da produtora brasileira de alumínio CBA (CBAV3) de antecipar a expansão de um projeto está sendo justificada pela escassez global de metal que estimulou um rally recorde.

A Companhia Brasileira de Alumínio começará a aumentar a capacidade adicional em 30 mil toneladas em junho, em comparação à estimativa anterior, que projetava o aumento para 2023, disse o diretor financeiro Luciano Alves a repórteres nesta quarta-feira (16).

A decisão tomada em novembro passado elevará a capacidade anual de produção de alumínio da CBA para 380 mil toneladas, com foco no mercado interno, disse Alves. A empresa também está investindo para trazer mais 50 mil toneladas ao mercado em 2025.

A companhia controlada pela brasileira Votorantim vem se expandindo em boa hora. Os preços do alumínio são negociados perto de recordes, já que a invasão da Ucrânia pela Rússia enfatiza o aperto na oferta depois que os altos preços de energia tornaram algumas fundições não lucrativas.

PUBLICIDADE

Isso sinaliza um impulso de aceleração do lucro para a CBA. O Ebitda da empresa subiu para R$ 501 milhões nos três meses até dezembro, superando as estimativas do Banco BTG Pactual (BPAC11) e do Banco Bradesco (BBDC4).

As ações da CBA apagaram ganhos após subirem até 6,2% em São Paulo mais cedo nesta quarta-feira. Os papéis acumulam alta de 40% neste ano, tornando-se o melhor desempenho do índice de Materiais Básicos da B3 neste ano.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE