PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

China bloqueia centro tecnológico de Shenzhen com aumento de casos de covid

Residentes serão impedidos de sair da cidade, exceto em situações especiais, e terão de apresentar um teste de covid negativo no prazo de 24 horas

O sistema de saúde e os necrotérios de Hong Kong estão sob pressão do surto recorde que elevou sua taxa de mortalidade para uma das mais altas do mundo
Por Ryan Hesketh
13 de Março, 2022 | 04:25 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A China colocou os 17,5 milhões de moradores da cidade de Shenzhen, no sul, em um lockdown que deve durar até 20 de março, de acordo com um aviso do governo da cidade.

As medidas, que vieram depois que os casos de vírus dobraram em todo o país para quase 3.400, estendem as restrições impostas anteriormente no distrito comercial central da cidade. Acredita-se que o aumento de infecções esteja ligado à cidade vizinha de Hong Kong, onde cerca de 300.000 pessoas estão atualmente isoladas ou em quarentena domiciliar. Juntamente com o bloqueio, Shenzhen lançará três rodadas de testes em massa de residentes.

PUBLICIDADE

Todos os sistemas de ônibus e metrô da cidade foram obrigados a fechar durante as restrições. As empresas, exceto aquelas que prestam serviços essenciais, também fecharão e os funcionários trabalharão em casa, se puderem. Os residentes serão impedidos de sair da cidade, exceto em situações especiais, e terão de apresentar um teste de covid negativo no prazo de 24 horas.

Os casos crescentes gerados pela variante ômicron altamente infecciosa nas grandes cidades e potências econômicas mais desenvolvidas da China se transformaram em um desafio sem precedentes para a estratégia Covid-Zero do país, uma política abandonada pelo resto do mundo. As autoridades resistiram amplamente a táticas como lockdowns e testes em massa e confiaram principalmente em respostas direcionadas, apenas para ver a ômicron continuar a se espalhar.

Shenzhen também está sob pressão para impedir que infecções se espalhem por Hong Kong, que viu os casos diários aumentarem para dezenas de milhares. O sistema de saúde e os necrotérios de Hong Kong estão sob pressão do surto recorde que elevou sua taxa de mortalidade para uma das mais altas do mundo. Embora a contagem de casos de vírus na cidade tenha diminuído constantemente na semana passada, as mortes aumentaram.

PUBLICIDADE

O governo de Hong Kong ainda está formulando planos para o exercício obrigatório de testes de todos os residentes, incluindo o momento e como garantir que as operações essenciais possam continuar se as restrições de movimento forem impostas, disse a presidente-executiva Carrie Lam na quarta-feira. Por enquanto, as autoridades vão se concentrar em uma campanha de vacinação para idosos que vivem em instituições de saúde - que estão vendo um aumento nas mortes - e aumentar o número de leitos hospitalares para tratar pacientes, disse ela.

Os casos estão se espalhando em outras partes do continente. Xangai, o centro financeiro da China, está lutando contra um número crescente de infecções por ômicron que levaram ao fechamento de escolas para alunos do jardim de infância ao ensino médio na próxima semana.

As operações de nove estações de ônibus entre províncias que ofereciam serviços principalmente para províncias como Jiangsu, Zhejiang, Anhui, Shandong e Jiangxi foram interrompidas, de acordo com um comunicado no domingo em um site do governo local. Xangai suspenderá todos os serviços de ônibus entre províncias a partir de 14 de março.

A Disneylândia de Xangai operará com capacidade controlada e exigirá que os visitantes apresentem resultados negativos do teste de covid dentro de 24 horas após a entrada no parque de diversões.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

AO VIVO: Altos funcionários dos EUA e da China se reúnem na segunda

Bancos Centrais do mundo definem política para economias abaladas pela guerra

PUBLICIDADE