PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Brasil

Lula: “Se eu for presidente, não haverá garimpo em terra indígena”

Ontem, Câmara aprovou regime de urgência para projeto que libera mineração em terra indígenas

Lula: oposição à abertura das terras indígenas ao garimpo
10 de Março, 2022 | 10:04 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou nesta quinta (10) o projeto de lei que abre as terras indígenas à mineração no país.

“Se eu for presidente da República, não terá garimpo em terras indígenas e ponto”, disse o ex-presidente, em entrevista à rádio Itatiaia, de Belo Horizonte.

PUBLICIDADE

“Os índios não são intrusos, estavam aqui antes dos portugueses chegarem. Não temos de importuná-los, temos que dar a eles o direito de viverem dignamente e cuidar da floresta amazônica”, afirmou.

“Talvez seja mais importante para a humanidade cuidar da floresta amazônica do que tentar achar um pouco de ouro em terras indígenas”.

Veja mais: Crise de fertilizantes gera pressão por mineração na Amazônia

PUBLICIDADE

Ontem, a Câmara dos Deputados aprovou requerimento de urgência do projeto que libera mineração em terra indígena. Na prática, isso significa que o texto não terá de passar pelas comissões temáticas da Casa, o que garante uma tramitação mais rápida. Acordo entre o presidente Arthur Lira (PP-AL) com a oposição adiou a votação do mérito do texto para abril.

Antes da votação do requerimento, Lira anunciou a criação de um grupo de trabalho para debater a proposta, que deve ser votada em plenário até 14 de abril.

POR QUE ISSO É IMPORTANTE: O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender abertamente a mineração em terras indígenas desde a eclosão da guerra entre Rússia e Ucrânia porque há risco de desabastecimento de fertilizantes para o agronegócio do país (que importa 85% do que consome).

O presidente tem repetido nos últimos dias que o país precisa explorar jazidas de potássio existentes na foz do rio Madeira, na Amazônia, que estão situadas em uma terra indígena. Hoje, a lei proíbe. A oposição contesta a real demanda pelo potássio, sem outros insumos básicos que o país não produz, para suprir a necessidade por fertilizantes.

Para a oposição, o governo age para favorecer a atividade de garimpeiros.

Veja mais: Jovens ativistas reescrevem regras de mineração no Chile

PUBLICIDADE

CONTEXTO: Ontem, Caetano Veloso liderou um grupo de artistas em um protesto, em Brasília, contra propostas vistas como prejudiciais à floresta amazônica, comunidades indígenas e que afrouxem a legislação sobre agrotóxicos e licenciamento ambiental.

Após o “Ato pela terra contra o pacote da destruição”, como o ato foi chamado, os artistas e militantes de movimentos socioambientais foram recebidos pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e por ministros do STF (Supremo Tribunal Federal).

Participaram do ato: Daniela Mercury, Lázaro Ramos, Emicida, Criolo, Maria Gadú, Letícia Sabatella e Seu Jorge.

PUBLICIDADE

ALIANÇA COM KALIL: Na entrevista, Lula também defendeu uma aliança do PT com o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), que é pré-candidato a governador de Minas. Lula disse que o PT mineiro deve avaliar se tem condições de ter uma candidatura competitiva e, caso não tenha, deve buscar alianças no segundo maior colégio eleitoral do país.

Leia também:

A reinvenção do dono da Havan como puxador de votos em SC

O que é importante saber sobre o projeto dos combustíveis no Congresso

Graciliano Rocha

Graciliano Rocha

Editor da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela UFMS. Foi correspondente internacional (2012-2015), cobriu Operação Lava Jato e foi um dos vencedores do Prêmio Petrobras de Jornalismo em 2018. É autor do livro "Irmã Dulce, a Santa dos Pobres" (Planeta), que figurou nas principais listas de best-sellers em 2019.

PUBLICIDADE