PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cripto

Lembra do LimeWire? Ele está de volta

Antiga e controversa plataforma de compartilhamento de música pirata foi reformulada e oferecerá NFTs

Dupla de empresários aposta na nostalgia que a marca inspira para atrair usuários; lançamento será em maio
Por Emily Nicolle
09 de Março, 2022 | 02:44 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Uma dupla de empreendedores da Áustria comprou os direitos da extinta plataforma de música LimeWire com planos de renovar sua imagem para a próxima geração da internet, vendendo tokens não fungíveis ligados a música, conteúdo e obras de arte.

O LimeWire, uma das primeiras interações de consumo de música baseado na web com a reputação de ser um paraíso para downloads ilegais, terminou em controvérsia em 2010, depois que um juiz encerrou o negócio por induzir violação de direitos autorais. A decisão foi seguida de um acordo judicial de US$ 105 milhões entre grandes gravadoras e o então CEO do LimeWire, Mark Gorton.

PUBLICIDADE

Agora, os irmãos Paul e Julian Zehetmayr esperam usar a fama do LimeWire no início dos anos 2000 para atrair usuários para sua nova plataforma na criptosfera, após os dois passarem a maior parte do ano passado adquirindo constantemente as várias partes da marca LimeWire. Com lançamento em maio e sem afiliação à equipe original do LimeWire, a nova empresa, LimeWire GmbH, oferecerá aos músicos a chance de obter mais receita com suas músicas do que em outros sites como Spotify ou Apple Music.

“É um nome muito emblemático. Mesmo se você navegar pelo no Twitter hoje, verá centenas de pessoas nostálgicas”, disse Julian, que atuará como co-CEO ao lado de Paul, em entrevista. “Todo mundo faz a associação da marca com música, e estamos lançando inicialmente um marketplace muito focado na música, então a marca foi realmente perfeita para isso com seu legado”.

O LimeWire será lançado com suporte para compra e troca de tokens não fungíveis relacionados a música, como músicas exclusivas, mercadorias, obras de arte gráficas e experiências como conteúdo de bastidores. A startup também lançará seu próprio token por meio de uma venda privada nas próximas três semanas, que Paul disse que seria usado como um programa de fidelidade.

PUBLICIDADE

Ao contrário de outros marketplaces de NFTs que realizam transações predominantemente em criptomoedas, todos os ativos no LimeWire serão denominados em dólares para expandir sua comercialização para o público em massa, com pagamento aceito em moeda criptográfica ou fiduciária. A plataforma também oferecerá carteiras de Bitcoin e Ether e serviços de custódia para os próprios tokens, facilitados por meio de uma parceria com a empresa de pagamentos em blockchain Wyre.

Julian disse que cerca de 10 artistas “realmente grandes do mainstream” assinaram contratos para fazer parte da oferta do LimeWire até agora. Além disso, membros das equipes de agenciamento dos artistas premiados H.E.R. e Wu-Tang Clan se juntarão ao conselho da startup como conselheiros, juntamente com o CEO da Wyre, Ioannis Giannaros, e a consultoria NFT 6 Agency, que facilitou a compra de um raro álbum do Wu-Tang Clan do governo dos Estados Unidos para a PleasrDAO no ano passado.

A aquisição dos ativos do LimeWire e todas as atividades de negócios atuais estão sendo financiadas pela própria dupla, que realizaram o exit de duas de suas próprias startups nos últimos anos. Embora Paul tenha dito que isso forneceu à LimeWire uma pista sólida para o futuro próximo, Julian acrescentou que a empresa pode buscar financiamento externo ainda este ano.

Preparados para o que der e vier

A transformação do LimeWire em um mercado NFT apresenta uma justaposição interessante: seus novos fundadores estão pegando uma marca mais conhecida por seu papel na pirataria de música e introduzindo-a em uma indústria que ainda busca livrar-se da reputação de vender golpes e arquivos de imagem superfaturados. Mas os irmãos Zehetmayr não estão preocupados, dizendo que “os profissionais definitivamente superam qualquer controvérsia”.

“Depois de cerca de 12 anos de queda da plataforma, toda a controvérsia que poderia ter ocorrido no passado com a indústria da música se transformou em nostalgia”, disse Paul.

Para evitar mais complicações jurídicas associadas à marca LimeWire, evadir a futura regulamentação de criptoativos na Europa ou até mesmo usuários que tentem fazer mau uso da plataforma, a dupla disse que incorporou verificações rigorosas contra lavagem de dinheiro e contratou a gigante da contabilidade EY para analisar minuciosamente sua atividades propostas. A maior parte da receita também irá para os artistas, e a plataforma receberá um pequeno percentual, disse Julian.

PUBLICIDADE

Jeanine McLean-Williams, conselheira da LimeWire e presidente da MBK Entertainment, que representa a H.E.R. entre outros, disse que estava especialmente focada na oportunidade que os NFTs poderiam oferecer para trazer mais igualdade aos mundos das criptomoedas e da música.

“Adoro que a equipe seja inteligente, inovadora e diversificada”, disse McLean-Williams por e-mail. “Como veterana afro-americana no ramo do entretenimento, estou ansiosa para que mais mulheres aprendam e se envolvam com o mundo dos NFTs”.

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE