PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Guerra pode ajudar a reviver a plano de gastos de Biden, diz Goldman Sachs

Sanções podem motivar os legisladores a acelerar mudança para as energias renováveis, dizem estrategistas

Esforço para aprovar o projeto de lei Build Back Better foi bloqueado no final de dezembro por dois senadores democratas
Por Nikos Chrysoloras
08 de Março, 2022 | 09:22 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — As chances de aprovação do plano de gastos Build Back Better do presidente americano Joe Biden aumentaram como resultado da guerra na Ucrânia, segundo economistas do Goldman Sachs (GS).

A perspectiva de uma proibição das importações de petróleo russo pode dar à legislação - e aos mais de US$ 550 bilhões destinados ao combate às mudanças climáticas - uma segunda chance, potencialmente em uma forma reduzida, escreveu a equipe de Goldman, incluindo Alec Phillips e Jan Hatzius, em um relatório aos clientes.

“Embora ainda não vejamos a promulgação de um plano reduzido como o cenário base, as chances de alguma forma de aprovação de legislação aumentaram como resultado da guerra na Ucrânia”, escreveram os economistas do Goldman. “O impacto nos preços da energia de eventos recentes e a importância das considerações energéticas nas discussões sobre sanções podem motivar os legisladores de ambos os lados do Atlântico a acelerar a mudança para as energias renováveis”.

O esforço para aprovar o projeto de lei Build Back Better foi bloqueado no final de dezembro por dois senadores democratas. A Casa Branca está tentando encontrar uma maneira de avançar uma nova versão das disposições do ato paralisado.

PUBLICIDADE

Usina de commodities

De acordo com a equipe do Goldman, os EUA poderiam avançar na imposição de uma proibição direta à importação de produtos energéticos russos, uma medida à qual os países membros da União Europeia, incluindo a Alemanha, resistiram até agora.

“Embora a situação seja fluida, acreditamos que é mais provável que os EUA proíbam as importações de petróleo russo, seja por meio de uma decisão administrativa ou legislação”, disseram os economistas.

Sanções adicionais dos EUA podem ir tão longe como uma proibição geral de comércio, investimento e financiamento, a revogação do status de nação mais favorecida da Rússia na Organização Mundial do Comércio ou o bloqueio de bancos adicionais do sistema de mensagens SWIFT, disse a equipe do Goldman. “As sanções podem estar em vigor por um longo tempo”, escreveram eles.

Leia também

PUBLICIDADE

Mais mulheres como CEO? Grupo busca mudança a longo prazo

BRF e M.Dias Branco perdem R$ 4,5 bi em valor de mercado com a guerra